quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Mercedes GP anuncia oficialmente a volta de Schumacher à Fórmula 1


Havia dito anteriormente que provavelmente o post de ontem seria o último sobre esportes do ano de 2009 mas a notícia abaixo não poderia deixar de ser comentada. O melhor piloto de todos os tempos, depois de um período de aposentadoria, está de volta as pistas da F1. Schumacher acertou com a mercedez. Veja a notícia completa do UOL esportes:

O que era esperado por todo o mundo do esporte foi anunciado de forma oficial na manhã desta quarta-feira. O alemão Michael Schumacher está de volta à Fórmula 1, de acordo com a escuderia alemã Mercedes GP. O heptacampeão, de 40 anos, será companheiro de seu compatriota Nico Rosberg, retorna ao circo da F-1 após três anos de aposentadoria e deve ganhar 7 milhões de euros por três anos de contrato.

Depois de uma tentativa frustrada de retorno pela equipe Ferrari, pela qual conquistou cinco títulos mundiais, em substituição ao brasileiro Felipe Massa, Schumacher passou mais de um mês em negociação com a equipe que adquiriu a Brawn GP, campeã de pilotos e construtores na temporada 2009. As especulações sobre o futuro de Schumi se encerraram nesta quarta-feira, após entrevista do próprio piloto e de dirigentes da escuderia alemã.

“Três anos de ausência me devolveram a energia que sinto neste momento. Eu me sinto pronto para fazer algo sério. Acredito que posso ser totalmente competitivo”, destacou Shumi, que negou que ainda sinta dores no pescoço. "O pescoço não é mais um problema".

O alemão não retornou à Fórmula 1 em 2009 devido às dores no pescoço que foram causadas por um acidente em corrida de motos sofrida no mês de fevereiro. Com isso, acabou dando lugar ao italiano Luca Badoer, posteriormente substituído na Ferrari pelo compatriota Giancarlo Fisichella.

O seu companheiro de equipe para 2010, Nico Rosberg, destacou que Schumacher será bem vindo, mas alertou que os anos de aposentadoria podem pesar. “Não será fácil para ele. Quando você fica longe da Fórmula 1 por muito tempo, demora um pouco para encontrar o ritmo novamente. Não é simples”, completou o alemão.

A Mercedes GP procurava um piloto para dar evidência à marca na temporada 2010. A tentativa com o finlandês Kimi Räikkonen fracassou e o campeão de 2007 foi para as provas de rali. No entanto, Michael Schumacher demonstrou vontade de retornar às pistas e acertar com o time alemão, algo que atraiu os dirigentes da montadora.

A possibilidade do retorno do heptacampeão, que estreou na F-1 em 1991 na Bélgica, assustou a Ferrari. Em entrevista recente, o presidente Luca Di Montezemolo afirmou que não poderia dar um carro para Schumacher em sua equipe que terá o brasileiro Felipe Massa e o espanhol Fernando Alonso na próxima temporada.

O principal trunfo da equipe Mercedes para o retorno de Schumacher foi Ross Brawn, chefe da equipe, que trabalhou com o piloto alemão na Benneton entre 1992 e 1995 e na Ferrari entre 1996 e 2006. Brawn foi o estrategista da escuderia italiana nos principais momentos de Michael Schumacher.

Com o retorno de Schumacher, o grid de 2010 reunirá quatro campeões mundiais. O alemão se junta a Lewis Hamilton, Fernando Alonso e Jenson Button na largada para o GP do Bahrein, em março de 2010, o que quebrará um jejum que durava desde 1999. Naquela temporada, pela última vez, um quarteto de campeões participou da mesma corrida, com a participação do próprio Schumi, além de Damon Hill, Jacques Villeneuve e Mika Hakkinen.

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Último catadão esportivo do ano

O objetivo deste post é tentar resumir um pouco os últimos acontecimentos esportivos deste ano. Futebol e natação serão o foco principal. Atividades dentro e fora do país. Vamos as notícias.

Primeiramente, falemos um pouco do sorteio que selou o destino das oitavas de finais da Champions League. Acho que o grande barato ficou nos confrontos dos times milaneses: Milan x Manchester United e Inter de Milão e Chelsea. Mourinho reencontrará seu ex-time. Será que conseguirá superá-lo? Outros confrontos interessantes também darão o tom desta fase da competição: o Olimpyakos do técnico Zico enfrentará o Bordeaux, da França (melhor time da frase de grupos); outro confronto marcante será entre o Real Madrid e o Lyon. Benzema e Diarra terão a oportunidade de encarar o antigo clube; o Barça, atual campeão da champions e do mundial interclubes (aliás, assunto que será tratado no post mais a seguir) se deu bem e pega os alemães do Stuttgart; os outros confrontos são CSKA Moscou x Sevilla, Porto x Arsenal e Bayern de Munique x Fiorentina. Grandes duelos, os melhores jogadores do mundo em campo, quem vai perder? Os jogos de ida serão 16-17 de fevereiro e 23-24 do mesmo mês. A volta será nos dias 9-10 de março e 16-17 do mesmo mês.

Como já toquei neste assunto no parágrafo acima, mais uma novidade foi que o Barcelona finalmente foi campeão mundial, depois de alguns vice campeonatos. O Estudiantes de La Plata até que tentou, saiu na frente mas não segurou o ímpeto e o melhor preparo físico do time catalão. E quis o destino que um jogador argentino, no caso Lionel Messi, fizesse o gol da vitória do time espanhol frente a seus compatriotas. Isto causou uma onda de aversão a Messi na Argentina, com pichações e palavras de violência contra o mesmo por toda La Plata.

Falando em Messi, não podemos esquecer da eleição do melhor jogador do mundo, feita pela FIFA todo ano. Pela primeira vez na história um jogador argentino, no caso Lionel Messi, ganhou o prêmio e de quebra bateu o recorde com relação a pontuação obtida por ele sobre o segundo colocado. Não creio que ele teve algum adversário este ano porém ele foi o mais regular durante toda a temporada e ainda de quebra ajudou seu time a vencer 6 títulos na temporada. Já no futebol feminino, deu mais uma vez a brasileira Marta (4a vez consecutiva, tá até ficando chato já) como a melhor jogadora de futebol feminino do mundo. E olha que em relação as outras jogadoras ela teve muito menos exposição pois não participou de competições internacionais pela seleção nem nada ao passo que tivemos a Euro Copa feminina e outras competidoras estiveram em evidência então. De qualquer maneira merecidos ambos os prêmios.

E por falar em futebol feminino, parece que o esporte anda em alta aqui pelos lados tupiniquins. Neste mês de dezembro tivemos um torneio de futebol feminino na cidade de São Paulo com a presença das seleções do México, China, Brasil e Chile. Apesar do título ter ficado com a seleção brasileira (merecidamente) a grata surpresa foi a jovem seleção mexicana, que mostrou um futebol muito parecido com a escola americana, historicamente uma das mais fortes no futebol feminino.E a bela final ante ao México juntou 25 mil pessoas no Pacaembú. Imagine agora se o futebol feminino tivesse o mesmo incentivo por aqui hein? Quantos títulos não teríamos? É para se pensar, independentemente de minha opinião, de quem não curte futebol feminino, ele está mais do que consolidado e tem um grande público no Brasil.

E por fim, mudemos um pouco de esporte e vamos para as piscinas. César Cielo, sempre ele, conseguiu uma das poucas coisas que lhe faltavam até aqui: a quebra do record mundial na prova dos 50 m livres, a prova mais rápida da natação. Agora Cielo é detentor dos recordes nos 50 e 100 metros e é o homem mais rápido do mundo nas piscinas. Depois de um ano vencedor, desde as Olimpíadas de Pequim aos campeonatos mundiais, Cielo mais do que nunca fechou o ano com chave de ouro. E que continue assim na nova fase da natação mundial onde não existirão os "super maiôs". Vida longa a natação brasileira!

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Bar Devassa

Sexta feira é dia de happy hour e cerveja com os amigos não é mesmo? Pois foi neste intuito que fui convidado por minha namorada a irmos a uma confraternização de suas amigas e amigos com direito a amigo secreto e bastante risada. O local escolhido era até então desconhecido por mim, apesar de eu já ter manifestado a vontade de visita-lo pois muito me agrada a cerveja por eles elaborada. Bom, sem mais delongas vamos as impressões.

Mas antes de começar, vamos voltar um pouco e contar a história da cervejaria, criada no Rio de Janeiro, que possui 5 versões de cervejas para os diferente gostos: loira (cerveja pilsen típica), ruiva (tipo pale ale), negra (tipo dark ale), índia (tipo India Pale Ale) e Sarará (chope tipo weiss). Aliás, os nomes são alusões a como os cariocas "da gema"costumam apelidar as mulheres pela cor de sua pele/cabelos, nada pejorativo no entanto. Do site da cervejaria, a história de sua fundação: "Em 2001, dois jovens empresários da noite carioca perceberam que havia uma lacuna a ser preenchida: criar uma cerveja especial com alma brasileira e qualidade europeia. Foi então que desenvolveram a Devassa, uma cerveja com nome ousado e sabor refinado. Um galpão localizado no bairro do Santo Cristo, no Rio, serviu de cenário para a idéia. Mas nada seria possível sem a criação dos bares que trouxessem as características da cerveja. O ponto de partida se deu, em 2002, com a primeira loja própria em 2002. A aposta no negócio transformou a cervejaria em um verdadeiro templo de experimentação do produto. Com sucesso retumbante, não demorou muito para nascer uma segunda unidade no início de 2004. No final do mesmo ano,iniciou-se o projeto de franquias que, em 2007, já contava com 11 unidades. Foi nessa época também que se firmou a parceria entre a Devassa e o Grupo Schincariol - segunda maior cervejaria do Brasil - e o resultado disso foi o aperfeiçoamento dos processos de distribuição e logística, mantendo a qualidade artesanal e a comunicação diferenciada da marca."

Pois bem, em sampa o bar fica localizdo na Alameda Lorena, ali no bairro dos Jardins , de fácil acesso e possui um ambiente muito descontraido. Decoração simples, mesas de madeira com direito inclusive a um mesanino compõe a descrição básica do local. Os choppes, como nõ poderia deixar de ser, são o carro chefe da casa, no entanto existem diversos tipos de petiscos e sanduiches com nomes engraçados e sugestivos. Destaques para as porções, que são muito bem preparadas e saborosas, como a de linguiça calabresa e de batatas fritas. Existe ainda um diferencial no serviço do bar, creio que as quintas e sextas, que é uma "cupido" que fica circulando no bar e enviando recadinhos manuscritos numa espécie de correio elegante. E este cúpido é trabalhadora pois está sempre tentando juntar os solteiros para que saiam acompanhados e terminem de curtir a noite juntos. Por último, vale destacar que o bar tem uma pequena lojinha com souvenirs decorados com o tema da cervejaria, ideal para presentear amigos nesta época do ano.

Fica ai a dica então para quem não conhece o bar e é bohemio por natureza, a dar uma passadinha lá e depois deixar a opinião no blog. Bons goles!

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Susto mas no final, a lógica!

De um lado o já classificado Estudiantes de La Plata aguardava ansiosamente o dia de hoje, onde saberia quem seria seu adversário na final do Mundial Interclubes deste ano. E jogo teve suas emoções, mas no final o melhor acabou passando a final.

Logo no início do jogo, o Atlante surpreendeu ao fazer 1 a 0. Após lançamento longo, Rojas penetrou na área, deu um lençol no goleiro Valdés e empurrou a bola para a rede. Em vantagem, o time do Atlante se fechou na defesa e passou a tentar apenas contragolpes esporádicos.

O Barça, por sua vez, passou a valorizar a posse de bola, mas encontrou dificuldades para furar o bloqueio mexicano. Com Messi no banco por conta do problema no tornozelo, o técnico Guardiola optou por uma formação não muito ofensiva, com Pedro e Ibrahimovic e Iniesta na frente.

E não é que aos pouco mais de 8 minutos do segundo tempo, em seu primeiro toque na bola, Messi entrou e virou o jogo para o time catalão? Pois é, o cara realmente é diferenciado. Ainda aos pouco mais de 20 minutos de jogo no segundo tempo, o Barça teve calma e nos pés de Pedro aumentou o placar a seu favor. A partir dai, passou a fazer o que mais sabe: trocar bolas e envolver o adversário até o apito final do arbitro.

Agora aguardemos o sábado para verificarmos quem será o campeão mundial. E você, em quem apostaria? Estudiantes ou Barcelona? Que vença o melhor.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Por isso que eu bebo vinho !!!!

Vinho tinto faz mais bem para a saúde do que o vinho branco; entenda por quê

(Reportagem de Caio Terreran, do portal R7.com)

Bebida escura contém até dez vezes mais substâncias benéficas a pele e coração

O vinho não é exatamente uma poção mágica, mas é um aliado eficaz para eliminar gorduras, manter a pele jovem e prevenir a formação de colesterol e o aparecimento de doenças cardiovasculares. Tudo isso, claro, quando é consumido com moderação – afinal, trata-se de uma bebida alcoólica.

Segundo a nutricionista Eliana Pereira Vellozo, da Universidade Federal de São Paulo, propriedades que beneficiam a saúde estão presentes com abundância na versão tinta da bebida.

- As uvas são importantes fontes de nutrientes antioxidantes. Essas substâncias fazem com que o consumo de vinho tenha efeitos positivos sobre quem o bebe.

Se a versão escura da bebida tem tantas qualidades, o que dizer do vinho branco? De acordo com Eliana, “apesar de [o vinho branco] também fazer bem, o tinto oferece mais benefícios à saúde, incluindo proteção contra câncer”.

- Isso ocorre por uma questão simples: o vinho tinto contém dez vezes mais polifenóis [substâncias químicas que fazem bem ao corpo humano e que são liberadas e potencializadas na mistura com o álcool] do que branco.

Ela explica que o processo de fabricação do vinho tinto, que inclui o aproveitamento de cascas e sementes das uvas na fermentação, favorece a concentração maior de substâncias benéficas nn bebida.

A nutricionista cita pesquisas que mostram que tintos do sul da França e da Sardenha, na Itália, têm os maiores níveis de compostos que fazem bem ao coração. Mas até mesmo o suco de uva concentrado pode ser benéfico.

- A medida ideal de consumo para quem pode beber álcool é de um cálice por dia. Já pessoas abstêmias, como portadores de diabetes e hipertensos, podem beber até 500 ml por dia do suco.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Mais um capítulo da série: por que eu não queria a copa do mundo no Brasil.

DENISE MENCHEN
da Folha de S.Paulo

Nove dos 15 aeroportos situados nas cidades-sede da Copa de 2014 têm mais aviões no solo do que posições de estacionamento no pátio no horário de pico. Os dados constam de um estudo feito por Elton Fernandes, da Coppe/UFRJ e presidente da Sociedade Brasileira de Pesquisa em Transporte Aéreo, com apoio do Snea (sindicato das empresas aéreas).

O pesquisador analisou o número de voos autorizados nos cinco minutos mais críticos de cada aeroporto nas sextas-feiras de outubro. O problema foi maior em Guarulhos, Congonhas e Brasília, que tinham, respectivamente, 12, dez e nove aeronaves a mais do que posições para estacionamento.

Para o diretor técnico do Snea, comandante Ronaldo Jenkins, isso pode travar o desenvolvimento do mercado aéreo nacional, que, até novembro, cresceu 15,6% sobre igual período de 2008. Ele teme que, com os pátios dos aeroportos perto da capacidade máxima, a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) deixe de autorizar novos voos nos horários de maior demanda.

A Anac afirmou que, sempre que recebe um pedido de autorização de novo voo, requisita parecer técnico à Infraero. Disse ainda que, nos aeroportos de Congonhas e de Guarulhos, já há restrição a novos voos. A Infraero não se manifestou.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Conheça como funciona a produção de vinhos espumantes

Aproveitando esta época do ano em que os espumantes são consumidos em grande escala, afinal são bebidas símbolo do natal e da virada do ano, encontrei esta matéria no site Terra e quero compartilhar com vocês, caso ainda não a tenham lido. Créditos da matéria para Carlos Alberto Barbosa (Redação Terra).

Ao longo de dezembro, você certamente vai ouvir falar muito em champanhes, Proseccos, Cavas e espumantes em geral. Caso você já tenha reparado nos rótulos dessas festivas bebidas, muitos possuem inscrições que remetem à última etapa do método de vinificação pelo qual o vinho passou. Normalmente, quando o vinho foi vinificado no método tradicional, também chamado champenoise, essa informação ganha certo destaque na etiqueta da garrafa. Outros produtores informam ainda no rótulo ou no contrarrótulo que o método utilizado foi o charmat, ou ainda o asti, no caso de espumantes doces, normalmente elaborados a partir de uvas do tipo moscatel. Mas o que significa isso para o consumidor final? Bem, de maneira genérica, poderíamos dizer que significa diferenças de preço e qualidade, mas isso não é uma verdade completa.

Os diferentes métodos de vinificação são, basicamente, diferentes formas de fermentar o vinho ou refermentá-lo com o objetivo principal de garantir a formação de bolhas de gases no interior do vinho. As diminutas bolhas de dióxido de carbono que estão presentes no vinho se liberam uma vez que a garrafa é aberta. O vinho é, então, servido em uma taça, e as minúsculas bolhas fazem a mágica de transportar aromas e frescor ao nariz e à boca do feliz bebedor. Mas qual a relação entre esse diversos métodos e a sensação final do consumidor? Quais as diferenças aí presentes?

Em todos eles, o espumante parte de um vinho obtido a partir da fermentação alcoólica, ou primeira fermentação, que transforma o açúcar das uvas em álcool. Findo o processo, chega-se ao chamado vinho base. Os diversos vinhos base de uma vinícola são selecionados e formam um conjunto, uma assemblage ou cuvèe como é chamada na região de Champagne. Esta assemblage passará então por uma segunda fermentação e será nessa etapa que os métodos irão se diferenciar. Claro que não estamos levando em conta as diferentes uvas que entram em cada composição de vinho ou o rigor na seleção dos frutos e leveduras. Estamos falando apenas do processo que envolve a segunda fermentação, responsável pela formação das bolhas nos vinhos espumantes.

Champenoise ou método tradicional
No método champenoise, após a assemblage, o vinho é posto em garrafas de formato tradicional de espumantes, onde também é inoculado o licor de tirage, uma mistura de leveduras e açúcar que irá produzir uma segunda fermentação do vinho. A garrafa, então, é fechada de forma que os gases dessa nova fermentação não possam escapar. A pressão no interior da garrafa chega a 6 atmosferas (aproximadamente cinco vezes maior que a de uma latinha de Coca-Cola gelada), razão pela qual as garrafas de espumantes são produzidas com vidros mais espessos que as garrafas normais, caso contrário, não suportariam a pressão e estourariam espontaneamente.

Após o fim da segunda fermentação, as leveduras se rompem e iniciam um processo de decomposição, formando borras que se precipitam em direção às paredes da garrafa. Nesse momento, inicia-se o que se chama de autólise: as células das leveduras rompidas em contato com o vinho irão alterar seus aromas e sabores, fornecendo à bebida maior complexidade aromática. Muitos defendem que esse processo, longo e custoso, só faz sentido se o vinho permanecer exposto às leveduras por pelo menos 36 meses. Esse contato é que empresta ao espumante aromas de fermento, de tostados e de brioche, como nos champanhes. Depois da fase na qual o vinho fica em contato com as leveduras, a garrafa passa pelo processo de remuage, que consiste em colocá-la de cabeça para baixo em um ângulo de 45º, sofrendo rotações de um quarto de volta em intervalos de tempo regulares por cerca de 30 dias, com o intuito de depositar junto ao gargalo da garrafa as borras que o processo gerou. Passado esse tempo, o gargalo é mergulhado em solução de congelamento rápido para que as borras se solidifiquem, quando então a garrafa é aberta e as borras são expulsas para fora da garrafa pela pressão do dióxido de carbono criado no processo. Na sequência, é inoculado na garrafa o licor de expedição, determinante do grau de açúcar do espumante e, cosequentemente, se ele será um Nature, Extra Brut, Brut, Demi, etc. Só então a garrafa será fechada com sua rolha e capsula definitivas, passando ainda um determinado tempo nas caves antes de sua comercialização.

A grande vantagem do método champenoise é na qualidade final da bebida. O longo período em contato com as leveduras garante maior complexidade de aromas e no paladar. Sua principal desvantagem é o custo. Por esse processo, o vinho obrigatoriamente ficará maior tempo parado na adega, sem gerar receita, além de demandar maior mão¿de-obra ao longo de todo o processo.

Os tipos de espumantes mais conhecidos que se utilizam desse método são, evidentemente, os champanhes, na França, mas também se utilizam do método tradicional os Cavas, na Espanha, os Franciacortas, na Itália e os Cap Classique, na África do Sul.

Charmat
No método charmat, não há a segunda fermentação em garrafa, mas sim em um grande tanque de aço inox, hermeticamente fechado. Após a segunda fermentação nesses tanques, o vinho passa por uma filtragem e é então engarrafado, em geral sem que permaneça longos períodos em contato com as leveduras que ficaram no interior dos tanques.

A principal vantagem desse método é o tempo de elaboração do espumante, que é bem mais curto que no champenoise. A produção em tanques também demanda menor uso de mão-de-obra e, consequentemente, o custo é menor, resultando em espumantes de preço mais acessíveis. Embora, normalmente, esse processo contribua para que o produto final tenha menor complexidade, alguns argumentam que ele pode ressaltar os aromas mais frutados e florais do espumante. Essa seria, por exemplo, uma das razões pela qual a grande maioria dos Proseccos são elaborados pelo método charmat. Existem uns poucos espumantes da uva Prosecco produzidos no método champenoise - um deles, aliás, no Brasil, elaborado pela Casa Valduga.

Do lado das desvantagens desse método, o produto final perde em complexidade e corpo, como já foi dito. Em geral, eles são vinhos mais leves e frescos, que devem ser bebidos jovens, podendo ser apreciados de maneira mais descompromissada, acompanhando entradas e petiscos. Do outro lado, um champanhe, um grande Cava ou ainda um Franciacorta, podem acompanhar uma refeição do início ao fim, devido à sua complexidade e estrutura.

Asti
O método Asti, batizado assim pelo vinho espumante de característica mais adocicada produzido na região de mesmo nome, consiste em uma única fermentação em tanques de aço inox, mas com controle de pressão e de produção de álcool. Os Asti têm sua fermentação interrompida quando atingem um volume alcoólico entre 6 e 9%, permanecendo no mosto do vinho uma boa quantidade de açúcar natural da uva. O vinho é, então, resfriado e filtrado antes de ser engarrafado. A fermentação mais branda e o controle de temperaturas mais baixas ao longo do processo permitem que os aromas florais e frutados da uva Moscato sejam preservados nesse espumante doce. Diferentemente do que muitos pensam, os Asti estão longe de ser vinhos menores. Os grandes Asti são cremosos na boca, delicados e de aromas encantadores.

Talvez agora fique mais fácil de encarar a compra de um merecido espumante para esse final de ano, considerando suas qualidades, desvantagens e também o seu valor.

Liga dos Campeões sem zebras

Do UOL Esporte
Em São Paulo

Depois de o Liverpool ter sido eliminado da Liga dos Campeões ainda na quinta rodada, a sexta jornada da primeira fase confirmou a queda de outro clube europeu de tradição continental: a Juventus, que perdeu a vaga para o Bayern de Munique ao ser goleada por 4 a 1 pelos alemães em pleno estádio Olímpico de Turim. Contudo, o prestigiado torneio continental não deu espaço a azarões no afunilamento para as oitavas de final.

A eliminação da Juventus foi a mais surpreendente nesta sexta rodada da fase de grupos. A equipe dos brasileiros Diego, Felipe Melo e Amauri jogava por um empate em casa contra o Bayern e até chegou a marcar o primeiro gol. Entretanto, os alemães reagiram, emplacaram quatro gols em Turim e tiraram os italianos, duas vezes campeões da Champions League e finalistas em outras cinco ocasiões.

O grupo A, liderado pelo Bordeaux – o atual campeão francês conquistou 16 pontos em 18 possíveis –, terminou com os bávaros na vice-liderança, com 10. A Juventus, que acumulou oito, amargou o terceiro lugar e a vaga na Liga Europa.

A outra surpresa desta primeira fase foi o Liverpool, campeão da edição 2004/05, que sofreu sua primeira eliminação na fase de grupos sob o comando do espanhol Rafael Benítez. Os ingleses, que ainda ficaram com o vice em 2006/07, conquistaram sete pontos na chave E – a Fiorentina liderou com 15, dois a mais que o Olympique de Lyon.

Vexame também passou o Atlético de Madri, que não venceu um jogo sequer pelo grupo D. Os espanhóis conquistaram três pontos e ficaram à frente do APOEL, do Chipre, apenas por terem marcado um gol na casa dos rivais – houve empate entre os dois clubes por 0 a 0 no estádio Vicente Calderón e por 1 a 1 no GSP, em Nicósia.

Porém, a lista dos 16 classificados para as oitavas de final não deu espaço para ‘zebras’, embora alguns clubes de menor prestígio pleiteassem uma vaga até a última rodada. No grupo F, Dynamo de Kiev e Rubin Kazan poderiam eliminar Barcelona e Inter de Milão, mas viram os dois favoritos confirmarem presença com triunfos na última rodada.

Outro azarão era o Unirea, da Romênia, que ostentava a vice-liderança da chave G ao final da quinta rodada. Na partida que decidiria o segundo classificado, porém, o Stuttgart venceu em casa por 3 a 1 e relegou os adversários à Liga Europa.

No grupo B, o atual campeão alemão não conseguiu surpreender em sua estreia na Liga. O Wolfsburg foi derrotado em casa pelo Manchester United por 3 a 1 e perdeu o segundo lugar para o CSKA Moscow, que avança na companhia dos ingleses. Também debutante, o AZ Alkmaar, atual dono do Holandês, amargou a lanterna do grupo H – Arsenal e Olympiacos passaram às oitavas, enquanto o Standard de Liege terminou no terceiro posto.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Resumão futebolístico

Como não tive muita inspiração e vontade postar durante o final de semana, venho aqui hoje colocar um resumo de minhas opiniões sobre alguns acontecimentos importantes desde sexta feira até o domingo.

Primeiramente não poderia de me abster de comentar o resultado do sorteio dos grupos para a Copa do Mundo de Futebol da África a ser realizada no ano que vem, em junho/julho de2010. O Brasil caiu no grupo G, que era de preferência da confederação brasileira de futebol (com letra minúscula mesmo) por ter dois jogos na cidade de Joanesburgo e sem deslocamento muito grande para a terceira partida, juntamente com Coreia do Norte (notória a seleção mais fraca desta copa do mundo), Costa do Marfim e Portugal. Muito vem dizendo que é um grupo muito difícil, que o Brasil tem que abrir o olho e coisas assim. Eu penso, um pouco diferente destas opiniões e depois de analisar melhor o sorteio, que realmente é um grupo forte porém nada muito impossível nem com esforço tão desnorteante como tem sido pintado. Veja, Costa do Marfim tem Drogba, Essien, Eboue e outros grandes jogadores da Europa além de ter se classificado de forma invicta para a Copa, certo? Portugal tem Deco, Pepe, Cristiano Ronaldo e Liédison, não é mesmo? Claro, concordo com tudo isso, mas nós também temos craques que jogam em campeonatos fortíssimos na Europa (Júlio César, Maicon, Kaká, Luis Fabiano entre outros, só pra citar um exemplo de cada setor do campo) e temos uma seleção coesa e que vem mostrando um bom futebol e muita unidade ao decorrer do ano vigente. Portanto, se a nossa seleção jogar como seleção brasileira, não vejo grandes percalços em passar por este grupo. E começa a contagem regressiva para junho de 2010.

Já no último domingo pudemos ver um renascimento do futebol carioca no cenário brasileiro (quase das cinzas assim como a figura mítica da Fênix) com o título do Flamengo na série A, o título do Vasco na série B e a salvação da degola na última rodada para Fluminense e Botafogo. Falando um pouco de série A do brasileiro, fica evidente que o nível técnico deste ano foi um dos mais baixos e que a tão pintada competitividade só se deu em grande parte por falta de competência dos principais aspirantes ao título, onde o maior exemplo é o Palmeiras que por metade do campeonato liderou a tabela mas nem se classificou para a Libertadores na derradeira rodada deste final de semana. Mas nada disso tira o brilho da conquista rubro negra, uma vez que o time fez um segundo turno quase perfeito, tendo arrancado quase das últimas posições e vencido o campeonato nas duas últimas rodadas. Destaques para Petkovic e Adriano, que fizeram de 2009 anos de recuperação muito importantes em suas carreiras. Um último ponto a se destacar também é a campanha do Cruzeiro, que na última rodada beliscou a última vaga para a disputa do campeonato sul americano, a Santander Libertadores.

E que venha 2010 !

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

O alto preço que a fama cobra

Fomos surpreendidos nos últimos dias com a notícia da morte (suicídio?) da atriz Leila Lopes. Isto me fez pensar um pouco sobre como vivem e qual o preço a ser pago pelas pessoas que de alguma fora buscam a fama quase que "a qualquer custo".

Vejamos, Leila Lopes começou sua carreia, aparentemente promissora, como atriz de novelas da Globo. Tudo ia bem mas me parece que depois ela acabou relegada ao ostracismo da tv brasileira, por vezes ingrata com alguns "artistas", e buscou formas "alternativas" para sobreviver no meio (leia-se indústria de entretenimento adulto, vulgo pornografia).

O que dizem os meios de comunicação e outros "famosos" que conheciam a atriz é que ela desde muito nova sonhava e dizia que seria uma atriz famosa, que seu objetivo de vida era se tornar uma super star. Mas depois de algumas décadas, envolta em problemas financeiros e paranóica com a busca da "boa forma"(segundo relatos a atriz se dizia exausta de treinos em academias e dietas a fim de se manter dentro dos padrões estéticos ditados pela tv e a indústria de entretenimento) a mesma se viu em um beco sem saída onde o único meio de fuga seria o suicídio.

Após todo este sacrifício, toda privação e as empreitadas seguidas pela atriz fica em minha cabeça a pergunta: será que tudo isso valeu a pena em busca da fama? O preço pago pode ser considerado justo? Com a palavra, os leitores do blog.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Violência no futebol virou banalidade

Parece que não ficamos cansados de receber/ver notícias sobre violência no futebol de tempos para cá. É verdade que a maioria das vezes esta violência vem das arquibancadas e se encerra em batalhas campais pelas ruas das cidades. Mas ao que tudo indica estamos chegando a um nível onde o profissional que faz o espetáculo, o jogador, não tem o direito de ser bem remunerado pelo que faz (tá certo que existe muito exagero quando falamos de algumas minorias de clubes granes) e não tem mais o direito de exercer sua profissão em paz. Não está entendendo onde quero chegar, certo? Neste post quero discutir um pouco sobre o ocorrido neste início de semana com o atacante Vagner Love, da Sociedade Esportiva Palmeiras. Ele foi agredido verbalmente e fisicamente por três covardes enquanto se dirigia a uma agência bancária nas imediações do Palestra Itália onde iria participar de mais uma série de treinamentos no período da tarde.

Vale lembrar que quem protagonizou esta cena de barbárie se diz "torcedor organizado" do clube, tem livre acesso aos estádios, clube, treinos, etc. e mais do que isso, tem o aval das diretorias do clube para protagonizar tais cenas. Nunca é demais frisar que o envolvimento entre as torcidas organizadas e as diretorias é muito estreito, inclusive com denúncias de utilização dos clubes para financiamento e facilitações para tais indivíduos.

Mas afinal, para que servem as torcidas ditas organizadas? Elas usam cantos e uniformes que exaltam elas mesmas em detrimento dos times, sempre arrumam maneiras de não pagar ingresso, geralmente fazem arruaças e criam situações que ameaçam a integridade física de jogadores, dirigentes e demais torcedores.

É preciso que as autoridades discutam seriamente punições mais severas para este tipo de comportamento, afinal estamos vislumbrando ainda a realização de um mundial de futebol no país. Não temos ao menos explicações e investigações convincentes em todos os episódios que cercam estes bandos uniformizados. É claro que existem exceções, mas a cada dia que passa estas estão se tornando mais e mais raras. É triste ver que nosso futebol acaba por se tornar refém deste tipo de situação. Precisamos dar um basta nestes episódios e acabar com a confusão que se faz entre facções criminosas e torcidas organizadas.

Vamos ver quais serão as cenas dos próximos capítulos..

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Imagem do Brasil lá fora

Ontem vimos milhares de notícias/postagens em blogs/notas e afins a cerca da polêmica declaração do ator Robin Willians no programa de entrevistas americano David Letterman Show sobre como o Rio de Janeiro conseguiu as Olimpíadas de 2016. Segundo palavras de Robin: “Chicago enviou a Oprah Winfrey e a Michelle Obama. O Brasil mandou 50 strippers e meio quilo de pó. Não foi uma competição justa.” Claro que a piada foi de um humor negro sem um pingo de graça mas revela a nós, se é que já não havíamos percebido, qual é a imagem do país lá fora.

Mas por que pó? Porque no Brasil está cheio, e os filmes brasileiros que chegam lá fora falam exatamente de tráfico, favelas e tal, além é claro das últimas imagens que passamos pra eles, quando traficantes do Rio de Janeiro derrubaram um helicóptero da polícia com artilharia pesada anti aérea. Mas e por que cinquenta strippers? Ora, porque nossas mulheres têm fama de bonitas, e porque de fato está cheio de stripper brasileira nos EUA. Além disso não é nada incomum quando alguma celebridade/autoridade ou similar vem de fora para cá e é recebida por mulheres seminuas dançando samba e criando a imagem de que aqui o negócio é mulher pelada e carnaval o ano todo. Enfim, nós passamos a imagem e depois nos indignamos.

Será que daqui pra frente aprenderemos com os erros cometidos, buscaremos uma melhora na imagem e investiremos o dinheiro certo no local certo? Eu ainda duvido muito. É esperar pelos próximos capítulos e verificar quem te ma razão. Eu particularmente não vejo tanta polêmica e choro com a declaração. Temos é que ter vergonha na cara e começar a buscar outros motivos para nos orgulharmos. E viva la republica das bananas...

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Será que a FIFA vai finalmente evoluir?

Nos últimos tempos fomos bombardeados com problemas relacionados a erros de arbitragem, seja no nosso futebol, seja na Europa ou em jogos de seleções nacionais. Agora parece que a FIFA se deu conta da situação e como entidade máxima do futebol no mundo, pretende se mexer e fazer algo a respeito após o erro gritante que possivelmente excluiu a Irlanda da Copa da África: irá começar a discutir mudanças nas regras do futebol como a inclusão de mais dois auxiliares nas linhas de fundo do campo ou mesmo a utilização de arbitragem eletrônica (leia-se replays televisivos, sensores, etc.).

Eu particularmente não tenho a plena convicção de que em um esporte dinâmico como é o futebol, que tem dois tempos de 45 minutos sem intervalos ou paradas nestes (salvo faltas, atendimentos médicos e afins) terá uma fácil adaptação ao sistema de arbitragem eletrônica e mais, se os problemas relacionados a arbitragem serão sanados desta forma. A meu ver deveria-se pensar primeiro na inclusão de mais auxiliares em campo para que só depois pensassemos em uso de tecnologia.

Em primeiro lugar é preciso que se pense em o quanto os arbitros deste esporte estarão preparados e serão instruidos com estas novas regras, sejam estas de inclusão de mais auxiliares ou de dispositivos eletrônicos para monitorar lances ditos duvidosos. Depois é necessário que se tenha certeza da lisura da pessoas envolvidas com o jogo: arbitros, dirigentes, jogadores, enfim os personagens que fazem o espetáculo devem estar acima de qualquer suspeita. Há ainda de se tomar exemplos utilizados nos outros esportes, tais como volei, futebol americano, basquete, que a meu ver evoluiram muito e deixaram o espetáculo muito melhor ao longo do tempo com a utilização de diversos arbitros auxiliares no local onde o jogo é realizado.

Resta saber agora o que virá provavelmente para o mundial do Brasil, em 2014, uma vez que já foi anunciado que para 2010 nada muda. Espero sinceramente que mudanças ocorram e que a evolução do futebol venha a tempo de salvar a integridade do nosso esporte bretão, pois ultimamente esta tem sido manchada por escandalos e erros grosseiros de arbitragem, principalmente em nosso país.