terça-feira, 31 de agosto de 2010

Amanhã é o dia do Corínthians!

Sem palavras, as vezes, a imagem fala mais:

E a abertura da Copa vai para: Itaquera!!

Pois bem senhoras e senhores, muito pensei antes de decidir escrever sobre o assunto. Como a maioria já sabe, sou Corinthiano fanático que sorri e chora, que acompanha o time nos bons e maus momentos. Muito cético, cansei de ser feito de idiota por dirigentes sem escrúpulos com suas promessas infundadas para times dos sonhos, títulos, estádios, etc. Mas diante dos fatos que se formaram nos últimos dias com a indicação da CBF de que o futuro estádio a ser construido pelo Corínthians deverá ser a sede brasileira para abertura da Copa do Mundo de 2014, resolvi me pronunciar sobre o assunto mais uma vez, na esperança de que esta seja a derradeira.

Muita polêmica já se levantou sobre a escolha de tal projeto para a copa. De uma lado, dirigentes de clubes rivais cobram, e até com certa razão, maior clareza dos órgãos envolvidos neste processo de escolha (leia-se CBF, prefeitura, governo do estado, etc.). É verdade que um projeto desta magnitude não nasceu e se desenvolveu em apenas 3-4 dias, mas como ja era anunciado inclusive pelo presidente corinthiano, o estádio não tinha como alvo a Copa do Mundo (até por que a capacidade inicial prevista é de aproximadamente 48 mil pessoas). É claro que o apoio massivo da CBF, FIFA e governo/prefeitura acelerará todo o processo que seria muito mais moroso e talvez nem saísse daqui a dois anos, conforme prometido. Mas me estranha que na reta final dos prazos estabelecidos pela FIFA que tal projeto tenha se tornado a escolha do país sem ao menos uma vista sobre o projeto.

Já a impressa esportiva medíocre que temos neste país (leia-se pessoas como o Sr. Pretzel da rádio Bandeirantes, o sr. Juca Kfouri, o Sr. Cosme Rímoli, entre muitos outros) se mantém viva por falar mal, menosprezar e tripudiar sobre tudo que acontece com o Corínthians, seja bom ou ruim, para o clube, torcida, etc. Não sei se por inveja ou por pura necessidade de Ibope (afinal o clube da segunda maior torcida do país, a maior no estado e por ai vai realmente gera um Ibope acima do comum) mas a verdade é que estes pseudo jornalistas vivem e se nutrem de falar sempre do Corínthians, dizendo-se inclusive imparciais por força profissional (o que é a mais pura mentira, é claro).

A verdade é que, doa a quem doer, este estádio deve sair desta vez, mesmo que a fórceps, pois é a última esperança de que a maior cidade do país e quiçá da américa latina (não me refiro a tamanho físico, mas a poderia sócio-econômico) possa sediar a abertura de um evento da magnitude de uma Copa do Mundo, impulsionando a economia local e criando uma espectativa de deixar um bom legado para as gerações futuras.

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

O que se tornou a política no Brasil

Sim, este será um post um pouco diferente dos que tenho feito aqui no blog e diferente também da proposta do mesmo. Mas é que diante do que venho vendo no Brasil com a proximidade das eleições, não consigo mais me calar. Primeiramente peço que compreendam que entendo pouco de política, pouco mesmo, ma o pouco que entendo tem me deixado bem enojado. A poucos dias tivemos a notícia de que os programas humorísticos/humoristas foram proibidos de interagir ou fazer menção aos políticos nesta época de eleições. Pra mim isso nada mais quer dizer do que CENSURA explícita. Para um país onde seu presidente bate no peito e se diz democrático, me causa estranheza.

Por outro lado, com o recente início das propagandas político-partidárias na tv e no rádio, o que nós estamos vendo é uma enxurrada de candidatos que quase nem sabem ler e escrever minimamente de forma correta e que nunca tiveram qualquer ligação com política, isto é, leia-se ex-BBBs, atores, cantores, ex-atletas e por ai vai nos mostra que não há qualquer intenção de se moralizar a política nacional. O que mais me causa repulsa em tudo isso é que se podemos ter um candidato a deputado federal como o Tiririca, por exemplo, por que os "políticos" não podem contar com charges, imitações, brincadeiras e programas humorísticos? Censura, é claro. E também medo de serem mais desmoralizados do que já são perante grande parte da opinião pública.

O que me causa preocupação também é que esta informação da censura velada aos programas humorísticos/humoristas já se tornou notícia em diversos lugares do mundo, manchando mais uma vez a imagem do país ante a opinião estrangeira. Mídias como a CNN, BBC e outros jornais impressos mostraram sua estranheza com relação a tal medida aqui no Brasil. Mais seriedade e confiança do que estas mídias passam, imposível.

Com candidatos de alto nível como o Brasil vem tendo nos últimos anos, não podemos regredir ao ponto do coronelismo, voto de cabresto e ignorância política. Hoje em dia temos na internet uma grande ferramenta de disseminação de informação (nem sempre correta), troca de opiniões e o caminho mais simples de mobilização perante causas comuns. Devemos usar esta força para mostrar o quanto tal medida é errada e o quanto os brasileiros que se importam com os rumos que o país vai tomar nos próximos anos, são contra a medida.

E que venham os próximos capítulos.

sábado, 14 de agosto de 2010

TAM anuncia fusão com a chilena LAN

Duas grandes empresas da América Latina cada qual em seu nicho de mercado. Uma líder do mercado brasileiro a mais de 4 anos e a outra reina sozinha no mercado chileno. Assim nasce uma gigante aérea na América Latina. Ainda não digeri bem a situação e não entendi bem como irão funcionar as atividades de cada empresa, mas segue a notícia:

São Paulo, 13 - A TAM anunciou há pouco que firmou com a chilena Lan Airlines um memorando de entendimentos "com a finalidade de regular os termos e condições para a negociação da combinação das atividades das companhias". Conforme o fato relevante encaminhado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), o grupo formado por meio da operação oferecerá serviços de transporte aéreo de passageiros para mais de 115 destinos em 23 países, e serviços de transporte aéreo de carga para toda a América Latina e para o mundo, "contando com mais de 40 mil funcionários, colaborando para um maior crescimento das companhias, o que representa a valorização dos investimentos feitos por seus acionistas e um importante progresso para a aviação na América Latina".

De acordo com a TAM, o memorando de entendimentos estabelece que os acionistas controladores LAN mantenham o controle da LAN e que o acionista controlador TAM manterá o controle da TAM, "preservando em suas mãos a titularidade de 80% do capital votante da TAM, além de uma participação na LAN". A operação culminará com a realização de uma oferta pública de permuta para cancelamento de registro de companhia aberta da TAM, envolvendo ações preferenciais em circulação (incluindo as ações preferenciais detidas pelo acionista controlador TAM) e das ações ordinárias em circulação (excluindo aquelas detidas indiretamente pelo acionista controlador TAM).

De acordo com o fato relevante, por meio da OPA da TAM, os acionistas da companhia brasileira receberão pelas suas ações um número determinado de ações de uma empresa holding que será incorporada pela LAN. "Em razão desta incorporação, os acionistas receberão ações de emissão da LAN em forma de Brazilian Depositary Receipts - BDRs, de modo a que, ao aceitar a OPA TAM, os acionistas se tornarão acionistas da LAN, observada a seguinte relação de troca: cada ação da TAM corresponderá a 0,90 ação/BDR da LAN", diz o comunicado. Ou seja, cada ação preferencial sem direito e voto e cada ação ordinária com direito a voto da TAM equivalerá a 0,90 de ação ordinária com direito a voto de emissão da LAN, em forma de BDRs.

Segundo o fato relevante, a relação de troca das ações da TAM por ações em forma de BDRs da LAN será igual para o acionista controlador TAM e para os outros acionistas que não fazem parte do grupo de controle, "de forma a garantir o tratamento igualitário dos acionistas". "A OPA da TAM será efetivada, entre outras condições usuais em ofertas desta natureza, apenas caso haja adesão de acionistas que representem, no mínimo, 95% do capital total da TAM", acrescenta. Ainda conforme o comunicado, a TAM deixará de ter suas ações listadas e negociadas na BM&FBovespa e seus ADRs na Bolsa de Nova York, e a LAN passará a ter BDRs listados e negociados na BM&FBovespa, além das ações já listadas e negociadas na Bolsa de Valores de Chile e dos ADRs já listados e negociados na NYSE. Após a efetivação da OPA, a TAM poderá realizar o resgate das ações de sua emissão remanescentes.

A LAN terá sua denominação social alterada para LATAM Airlines Group S.A., mas as marcas TAM e LAN Airlines serão mantidas, já que cada companhia continuará a atuar com sua respectiva marca. 
 
Deverei voltar outras vez ao assunto quanto tiver mais informações, mas como tenho um grande carinho pela empresa TAM, desejo sorte e sucesso a ela e a seus funcionários, que vestem com tanto orgulho a camiseta vermelha!

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

E alguém sentiu saudades do Dunga ou do Felipe Mello?

Ontem foi um dia de estréias para a seleção brasileira de futebol. Do técnico a aproximadamente 10 jogadores que nunca estiveram com a camisa amarelinha. E olha que pelo pouco que pude acompanhar, culpa da emissora de TV que comprou os direitos de transmissão do jogo mas simplesmente resolveu que só iria transmitir em seus canais por assinatura, foi uma estréia de gala assim podemos dizer.

Este novo ciclo da seleção nacional teve início com uma bela vitória por 2 x 0 diante de uma bem postada e entrosada seleção americana. A nossa seleção, depois de um início um tanto quanto nervoso, mostrou um bom futebol, jogadas rápidas pelas pontas e muita alegria em jogar futebol, alegria esta que parecia perdida no ciclo anterior que culminaria com a elminição nas quartas de finais de copa do mundo diante de uma pragmática Holanda.Grande parte disso se deu devido a utilização do trio entrosado e inspirado formado por Paulo Henrique Ganso, Neymar e Robinho (jogaram juntos no Santos) juntamente com o "intruso" Pato. Além disso a grata surpresa do zagueiro David Luiz , do sempre regular André Santos na lateral esquerda além da sempre segura atuação de Thiago Silva completaram o "pacote".

É claro que o jogo foi apenas um amistoso e muito pouco para julgar o início de trabalho de Mano Menezes a frente da seleção brasileira, com o primeiro grande desafio já com data marcada: Copa América de 2011 na Argentina. Mas é bom saber que o futebol brasileiro é muito mais do que foi apresentado durante a Copa da África durante os meses de junho e julho ultimos. Mas é notória a mudança de filosofia e de trabalho aplicados por Mano Menezes. No final das contas, uma única crítica que se pode e deve ser feita é quanto ao desperdício de diversas oportunidades sobretudo no segundo tempo, onde o Brasil poderia ter saído com uma goleada expressiva. De qualquer maneira, o futuro parece muito promissor.

É ver para crer!

domingo, 8 de agosto de 2010

Onde Vivem os Monstros

Mais um final de semana com muito frio o que me fez ficar entocado em casa sem a mínima vontade por o nariz pra fora me deixou com a oportunidade de ver mais um filme que me fez pensar. Desta vez o eleito da semana foi " Onde Vivem os Monstros", do diretor Spike Jonze baseado em um livro infantil. Spike é conhecido pela dramaticidade e esquisitice em seus filmes, o que não fugiu a regra nesta película.

Como é de praxe por aqui, eis a sinopse retirada do site CinePop: "O clássico livro de Maurice Sendak, 'Onde Vivem os Monstros', chega às telas do cinema em um conto para todas as gerações, com direção do inovador cineasta Spike Jonze. Onde Vivem os Monstros segue as aventuras de Max, um garoto travesso que é mandado de castigo para seu quarto depois de desobedecer a mãe. Porém, a imaginação de Max está livre para voar, e logo o transporta para um reino desconhecido. Encantado, Max parte para a terra dos Monstros Selvagens, onde as travessuras são lei, e Max é o rei".

Visualmente o filme é incrível e a fotografia e as paisagens mostradas no decorrer do longa são de perder o folego. O visual caricato dos monstros os aproxima dos expectadores ao mesmo tempo que nos deixa apreensivos sobre suas reais intenções (eles devorariam mesmo os "reis" anteriores a Max?). As expressões utilizadas nos monstros são também responsáveis por grande parte da carga emocional do filme.

Mais do que se basear no livro infantil, o filme consegue traçar paralelos entre o suposto reino de max e o seu dia a dia, o filme nos mostra como é quando uma criança passa pela difícil provação de vivenciar a ausência de um de seus pais ( no caso do filme, o pai, sem maiores explicações sobre o que ocorrera) e os traumas que esta ausência pode trazer para sua vida, sendo o isolamento e rebeldia consequências naturais. É neste ambiente em que conhecemos um pouco de Max, o garoto protagonista do filme. Ainda nesta linha é que Max acaba conhecendo alguns "monstros" de seu reino onde cada um tem uma personalidade distinta e mais do que isso, acabam por aflorar as maneiras de ser do próprio Max, soando muitas vezes como espelhos dele mesmo. É só atentarmos aos casos da rebeldia/ira de Judith, a carência do bode Alexander, a criatividade e bondade de Ira e assim por diante.

No final das contas o filme pode soar esquisito e ser de difícil interpretação, mas afinal isso é cinema. Não o vejo como um filme infantil mas serviria de lição/aprendizado para muitos pais por ai a construir as relações com seus filhos de uma maneira mais sã, fazendo com que a criança não tenha traumas e possa desenvolver-se de maneira tranquila e normal. De qualquer maneira, para quem gosta de um bom filme de vez em quando, eu recomendo.

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

A polêmica do video do time do Santos

Estive observando na internet a repercussão do video divulgado no twitter na noite de domingo pelos jogadores do Santos, após a última rodada do campeonato brasileiro. Confesso que fiquei enojado e pouco me importa as desculpas, se sou ou não torcedor do time e mais, se as ofensas foram pra mim ou não. A questão é que as ofensas e as frases evacuadas (sim, pois da maneira como aconteceu e o que foi falado ficou semelhante a defecar) serviram de carapuça pra mim e com certeza para muitos outros torcedores fanáticos de futebol. Ou vocês acham que é somente do goleiro Felipe a idéia de que eles ganham muito mais dinheiro que nós simples mortais e por isso podem fazer o que bem entendem, inclusive destratar os torcedores em redes sociais na internet?

A questão é que existe um claro descolamento do que estes jovens pensam e vivem do que é a realidade do país em que vivem. É mais do que evidente que eles não tem nenhuma estrutura ou formação para que possam lidar com este tipo de coisa, uma vez que enriquecem muito cedo sem ter o mínimo de instrução para lidarem com tanto. A badalação em cima destes garotos, toda a mídia que o time atraiu principalmente no primeiro semestre fez com que mais do que nunca se tornassem prepotentes e arrogantes. A muito tempo inclusive os adversários tem reclamado que, mais do que jogar um futebol bonito (e isso fizeram com muita propriedade no primeiro semestre) o que os "meninos da vila" querem mesmo é humilhar, desdenhar, enfim tudo menos futebol.

É triste ver que as pessoas que deveriam zelar por estes meninos (pais, empresários, presidente do clube, etc.) se calam e simplesmente passam a mão em suas cabeças dizendo que é coisa de moleque, que tudo não passou de brincadeira e coisas do gênero. Já é notório que o time do Santos está sem comando e desrespeita a sua torcida (vide a final do paulista quando Ganso se recusou a sair, o episódio Madson/Neymar/André e seu atraso, cobrança de pênalti com cavadinha em final de campeonato, etc.) e as coisas tendem somente a piorar.

É preciso portanto rever a condução das categorias de base nos clubes brasileiros e já passa da hora dos clubes adotarem profissionais da psicologia com o intuito de guiar e fazer com que estes jovens possam então diferenciar o que é realidade do que o dinheiro pode comprar. É preciso faze-los entender que a carreira é curta e que o dinheiro deve ser melhor aplicado para garantir-lhes seu futuro. É preciso dar-lhes a base necessária para que eles possam conduzir suas vidas dai pra frente...

Boa notícias aos viajantes vorazes por compras no exterior

Celular, câmera e relógio não precisarão mais ser declarados na alfândega

Plantão | Publicada em 31/07/2010 às 19h39m
O Globo

BRASÍLIA - A partir de segunda-feira o viajante que trouxer do exterior um relógio de pulso, uma câmera fotográfica ou um celular não precisará mais declará-los à Receita Federal quando entrar no país, como acontece atualmente. Esses objetos passam a fazer parte da chamada cota de bens de uso pessoal e não pagarão impostos. Além disso, roupas, acessórios e produtos de higiene pessoal também entram nesse mesmo quesito e ficam isentos de impostos.

A medida, que será implementada por meio de uma portaria do ministro da Fazenda, Guido Mantega, não vale, no entanto, para laptops e filmadoras. Esses itens ainda necessitam de ser declarados e podem ter de pagar impostos caso o valor ultrapasse US$ 500, limite de compras no exterior para quem utilizou transporte aéreo, ou US$ 300, no caso de viagem marítima.

Na terça-feira, a Receita Federal deverá baixar instrução normativa com detalhamento das novas regras para compras no exterior. Também serão fixados limites no que antes era avaliado apenas pelo juízo do auditor. Por exemplo: a partir de segunda-feira, o viajante poderá trazer, no máximo, doze garrafas de bebidas alcoólicas, dez maços de cigarros com vinte unidades cada, 25 unidades de charutos ou cigarrilhas e 250 gramas de fumo. Até então, como não havia essa medida, a liberação do bem dependia do fiscal. Se ele achasse que duas garrafas já excediam a cota, o viajante era tributado.

Outra facilidade, que vai evitar a burocracia: a partir de segunda-feira, não será mais obrigatório declarar à Receita, antes de embarcar, produtos estrangeiros que está levando, como, por exemplo, laptops e câmeras fotográficas ou filmadoras fabricados em outros países. A Receita passou a entender que esse formulário, chamado de Declaração de Saída Temporária, apenas aumentava a burocracia.

domingo, 1 de agosto de 2010

Sideways e as crises de meia idade

Final de semana normalmente é dia de descanso, de sair, enfim, de espairecer do dia a dia tenso de trabalho e de tudo em geral. É o dia universal também de se alugar um bom filme, coisa que eu não fazia a muito tempo. Motivado por uma conversa com meu irmão no último final de semana em que estivemos visitando sua nova nem tão nova assim casa em Atibaia, resolvi alugar um filme que uniria bem alguns assuntos que tenho tido interesse ultimamente: vinhos e as crises da meia idade do homem (afinal cheguei a meus 30 anos). E o filme do qual irei falar hoje é Sideways, do diretor e roteirista Alexandre Payne e que conta com Paul Giamatti e Thomas Haden Church como protagonistas.

A história é bem simples. O diretor nos convida a conhecer de perto dois amigos com personalidades totalmente distintas: o amargurado degustador de vinhos Miles (interpretação impecável de Paul Giamatti, que injustamente não foi indicado ao Oscar de melhor ator) e o ator boa-vida Jack (interpretado muito bem por Thomas Haden Church, que foi indicado ao Oscar de coadjuvante pelo papel). Miles é o típico divorciado inconformado, depressivo e que nem ao menos consegue implacar um livro no qual vem trabalhando nos últimos 3 anos de sua vida, enquanto Jack está prestes a se casar e em uma semana saí em viagem com Miles pra comemorar uma despedida de solteiros. A partir dai, a viagem foge um pouco do planejado e diversas novas situações vão aparecendo que em conjunto com os vinhos vão criando metáforas para a vida de uma forma geral.

É verdade que as aparêcias enganam e que o ator interpretador por Church não é assim tão famoso e teve apenas algumas participações em seriados televisivos mas mesmo assim ele se usa deste fato para tentar conquistar toda e qualquer mulher disponível no pedaço (mesmo estando as vias de se casar). Estaria ele em dúvida quanto a seus sentimentos e/ou ao ato que irá consumar após a viagem? Da mesma forma que Giamatti e seu amargurado personagem que não consegue superar o divórcio recente (bem, me parece que 2 anos não é algo assim tão recente) e não consegue se portar a frente de outras mulheres e usa o vinho para fugir da realidade e lidar com suas crises de meia idade. Afinal de contas, seu personagem se acha um fracassado por estes motivos e ainda mais por ser apenas um professor ginasial que teria disperdiçado 3 anos de sua vida em um livro que não irá ser publicado. 

Os cenários do filme são um show a parte e a viagem enológica por algumas vinícolas californianas é de dar inveja a enófilos de plantão. Aliás, um adendo a parte é que todo e qualquer enófilo deveria ter este filme em sua estante pois além de tudo a paixão com que o personagem de Giamatti fala dos vinhos nos faz ficar embasbacados e é uma aula para os que assim como eu, estão se iniciando no mundo dos vinhos. No final o vinho acaba ainda inclusive por ligar Giamatti a seu interesse por Maya, uma até então garçonete em um restaurante em que Giamatti custama degustar seus vinhos com frequência.

É um filme bem estruturado, balanceado e, assim como o vinho, pode ser degustado de várias maneiras. Pegue sua taça, ligue seu aparelho de DVD e não perca esta oportunidade pois serão duas horas de muito entretenimento, reflexão sobre a vida onde você poderá facilmente se identificar com os personagens e as situações que aparecem no dia a dia.

Saúde!