segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Neragora Ares Merlot & Mavrud 2013

E não é que a onda biodinâmica chega também aos países menos conhecidos por aqui em relação a sua produção vinícola? E veja, não estou desdenhando ou fazendo pouco caso deste tipo de produção mas eu questiono um pouco é todo o alarido que tem se feito em torno da mesma. Minha opinião é de que o vinho é bom, basta, sendo ele biodinâmico, orgânico ou mesmo tradicional. Hoje trago ao blog um vinho biodinâmico da Bulgária, deste país do Leste Europeu com qual mantenho alguma relação, uma vez que parte da família de meu avô materno veio de lá em fuga das guerras que assolavam o continente na época. Enfim, sem muita delonga vamos ao que interessa, não é mesmo?


A vinícola Neragora nasce de duas almas e uma ótima visão, a partir da paixão da família Azzolini pela vinificação, vinhas e vinícolas, combinada com a dedicação e habilidades de enólogos e agrônomos italianos. A visão do empresário italiano Massimo Azzolini, que, com uma rica experiência no campo da agricultura orgânica, em 2002 foi para a Bulgária e descobriu o lado escondido da terra de Chernogorovo. Uma pequena extensão de terra de natureza crua, robusta, mas rica em beleza e potencial, atraiu a curiosidade de Massimo, levando-o a redefinir os contornos de uma paisagem que desapareceu. Uma curiosidade que rapidamente se transformou em um projeto ambicioso. Um projeto que agora está se concretizando, trazendo vida às almas gêmeas de um lugar com expressão de criatividade e excelência. A família Azzolini decidiu trazer alguns dos principais especialistas italianos - enólogos e agrônomos de renome internacional no campo da agricultura orgânica. O objetivo era claro - fazer vinhos de excelência em Chernogorovo. O nome Chernogorovo vem da palavra búlgara para "floresta negra". As colinas que são o lar dessas vinhas, "as colinas de ouro", foram famosas pelo cultivo de vinhas desde tempos imemoriais. Uma terra intocada cheia de vitalidade. 

Falando um pouco agora mais especificamente do Neragora Ares Merlot & Mavrud 2013, podemos dizer que o vinho é feito então com as uvas citadas a pouco (Merlot e Mavrud) vindas da região de Chernogorovo, no coração do Thracian Valley, região central da Bulgária sem maiores intervenções e/ou uso de madeira. A curiosidade é que O nome de Ares deriva do antigo Deus Trácio, mais tarde adotado pela mitologia grega como uma divindade da guerra. Sem mais delongas, vamos as impressões?

Na taça o vinho apresentou coloração violácea de grande intensidade com bom brilho e limpidez. Lágrimas finas, ligeiramente mais lentas e com alguma cor também se faziam presentes.

No nariz o vinho apresentou aromas de frutas vermelhas, especiarias doces, chocolate amargo e toques florais.

Na boca o vinho apresentou corpo médio, boa acidez e taninos macios. O retrogosto confirma o olfato e o final era de longa duração.

Mais um belo caldo búlgaro que provamos por aqui. Mais um vinho apresentado pelo clube de vinhos da Winelands, o clube que eu assino e recomendo.

Até o próximo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário