terça-feira, 6 de agosto de 2019

Napa Valley se junta ao protocolo do Porto de combate as mudanças climáticas

O aquecimento global é uma questão especialmente vital no mundo da vinicultura, uma vez que o clima desempenha um papel significativo no processo. As vinhas dependem de um clima consistente ano a ano para produzir safras fortes e, embora as mudanças de longo prazo possam beneficiar algumas regiões emergentes como a Inglaterra, elas também ameaçam destruir a tradição de regiões de longa data como Bordeaux, Borgonha e Chateauneuf-du- Pape.


Como uma das mais antigas e notáveis ​​regiões vinícolas da América, o Napa Valley compreende bem esta última questão. E com tanta coisa em jogo, o Napa também é líder nos Estados Unidos quando se trata de combater a mudança climática. Além disso, nesta semana, a associação comercial Napa Valley Vintners (NVV) anunciou que se tornou o primeiro grupo comercial norte-americano a assinar o Protocolo do Porto - um conjunto de princípios que encoraja empresas de todos os setores a fazer mais para combater aquecimento global. A iniciativa foi lançada no ano passado por Adrian Bridge, da marca de vinhos Taylor's Port, e conta com muitos assinantes de dentro da indústria, mas também apresenta grandes nomes como Toyota e PWC.

“Como novos signatários do Protocolo do Porto, a NVV ampliou ainda mais seu compromisso com a gestão ambiental”, disse Robin Lail, que é a representante americana do Protocolo do Porto e é uma vinícola multigeracional de Napa Valley. “Assim como a ambiciosa meta da NVV de ter todos os seus membros elegíveis no programa Napa Green até o final de 2020, o Protocolo do Porto é outro passo importante no tratamento da mudança climática.”

O programa de certificação de sustentabilidade Napa Green foi estabelecido pelo NVV em 2015 para reduzir as emissões de gases de efeito estufa. Atualmente, mais de 70% dos membros do grupo aderiram ao programa. A esperança é que todos os membros elegíveis sejam envolvidos até 2020.

"Estou muito contente que o NVV tenha aderido ao Protocolo do Porto, uma vez que é uma organização que sempre teve uma visão perspicaz das questões ambientais", acrescentou Adrian Bridge. “O Protocolo do Porto serve como uma plataforma para compartilhar as melhores práticas na mitigação da mudança climática. Os membros da NVV têm muito a compartilhar com outros viticultores em todo o mundo e estou ansioso para que suas experiências ajudem a acelerar a velocidade com que a indústria global do vinho combate as questões da mudança climática. ”


matéria originalmente veiculada em https://www.foodandwine.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário