segunda-feira, 12 de agosto de 2019

Produção de vinho teve uma reviravolta massiva em 2018

2017 foi o pior ano que a OIV já havia monitorado; 2018 foi um dos melhores.


Qualquer um que não acredite que o clima pode impactar drasticamente a produção de vinho não precisa ir além de 2017 e 2018. A Organização Internacional da Vinha e do Vinho (OIV) divulgou recentemente seu relatório anual sobre o mercado mundial de vitivinicultura e a mudança nos últimos dois anos é o mais dramático que eles já viram desde que começaram a rastrear esses dados em 2000.

Em 2017, a produção mundial de vinho foi de apenas 249 milhões de hectolitros, o menor total já relatado pela OIV, graças ao que o grupo chamou de um ano “marcado por condições climáticas muito difíceis que afetaram a produção em muitos países”. No entanto, passe a 2018 e a produção mundial aumentou em 17%, para 292 milhões de hectolitros, o segundo maior nível de produção, que remonta a 2000, e o melhor ano desde 2004.

A grande reviravolta foi impulsionada por aumentos significativos na produção nos três principais países produtores de vinho do mundo: a Itália, a França e a Espanha produziram 55 milhões, 49 milhões e 44 milhões de hectolitros cada. Para a Itália e a Espanha, 2018 foi um dos seus melhores anos de registro, e na França, a produção foi a mais alta desde 2011. Ao contrário dos outros dois, a França tem visto sua produção tendendo para baixo. Os Estados Unidos foi o quarto colocado na produção do ano passado, mantendo-se estável em 24 milhões de hectolitros. Fechando a lista dos principais países produtores seguem Argentina (15 milhões), Chile (13 milhões), Austrália (13 milhões), Alemanha (10 milhões), África do Sul (9 milhões), China (9 milhões), Portugal (6 milhões) milhões) e Rússia (6 milhões).

Então, como está 2019? A maior notícia do tempo na Europa até agora foi a enorme onda de calor de junho que trouxe temperaturas recordes para a França. Mas, embora o calor na hora errada possa significar um desastre, a AFP informa que a onda de calor deste ano atingiu precisamente a hora certa. "Dois dos três dias de ondas de calor em Bordeaux neste momento é mágico!", Disse Philippe Bardet, chefe do Conselho de Vinhos de Bordeaux. Aparentemente, uma explosão de altas temperaturas pode queimar o mofo o que Bardet disse ser “muito, muito bom para a qualidade”. Obviamente, ainda temos muitas semanas da estação de crescimento, mas neste ponto, até agora, tudo  vai indo bem.


Matéria original em www.foodandwine.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário