terça-feira, 13 de novembro de 2018

Foxglove Chardonnay 2016

No centro da Foxglove está Bob Varner, também enólogo da Varner Wines. Começando com sua primeira colheita em 1991, Bob adquire o vinho de vários lugares, todos no Edna Valley. O vinho resultante tem o preço de denominação da Costa Central e é repleto de sabores de frutas complexos pelos quais a denominação do Edna Valley é conhecida, uma denominação relativamente pequena, que tem cultivada principalmente Chardonnay em cerca de 1000 acres. Toda a área é rigidamente controlada por alguns proprietários que empregam as práticas de vinhas mais atualizadas que dão ao vale uma uniformidade impressionante. Localizado ao sul de San Luis Obispo, seus vinhedos são alguns dos mais próximos da Califórnia ao Oceano Pacífico. Os invernos amenos, o verão frio e nebuloso e os solos franco-argilosos produzem uma combinação de sabores que foram descritos como "livro Central Coast".


Falando agora do Foxglove Chardonnay 2016, podemos ainda acrescentar que o vinho é feito a partir de uvas 100% Chardonnay da região de Central Coast, na Califórnia, EUA. O vinho é engarrafado sem passar pela fermentação maloláctica e não tem carvalho nele, apresentando um perfil muito limpo e varietal. Vamos as impressões?

Na taça o vinho apresentou coloração amarelo palha com reflexos dourados, muito límpido e brilhante. Lágrimas finas, rápidas e sem cor também se faziam presentes.

No nariz o vinho apresentou aromas de frutos tropicais, pedra molhada com leve toque de baunilha.

Na boca o vinho mostrou corpo leve para médio aliado a uma ótima acidez. O retrogosto confirma o olfato e o final era de longa duração.

Um belo exemplar de Chardonnay californiano que, a contrapartida de seus compatriotas, não vem carregado de madeira, tornando-o mais leve e saboroso, trazendo aquela sensação do quero mais a cada gole. Eu recomendo a prova.

Até o próximo!

segunda-feira, 12 de novembro de 2018

Château Noaillac Cru Bourgeois 2014

Famoso Cru Bourgeois, o Château Noaillac é propriedade da família Pages desde o ano de 1983. Essa experiente família também é dona do ótimo Château La Tour de By, também na região do Médoc. Contando com 41 hectares de vinhedos localizados no estuário do Gironde, essa estrela em ascensão produz um dos mais confiáveis vinhos do Médoc. Atualmente o trabalho da adega está na terceira geração, a cargo de Damien Pages, que elabora este ótimo vinho a partir de vinhas com 20 a 25 anos de idade. Faz parte do seleto grupo dos Cru Bourgeois, classificação criada em 1932 para contemplar os melhores vinhos de Bordeaux, logo depois dos Grands Crus Classés


Falando agora um pouco mais do Château Noaillac Cru Bourgeois 2014, podemos dizer que o vinho é feito a partir de 55% Merlot, 40% Cabernet Sauvignon e 5% Petit Verdot com passagem por 12 meses em barricas de carvalho. Vamos as impressões?

Na taça o vinho apresentou uma bonita cor rubi violácea de média para grande intensidade com bom brilho e limpidez. Lágrimas finas, de média velocidade e ligeiramente coloridas também se faziam notar.

No nariz o vinho apresentou aromas de frutas negras e vermelhas bem maduras, especiarias, tabaco, couro, café e baunilha. Bastante complexidade olfativa.

Na boca o vinho apresentou corpo médio para encorpado aliado a taninos finos, marcados e com uma boa acidez. O retrogosto basicamente confirma o olfato com um toque mineral. O final era de longa duração.

Um ótimo Bordeaux que provamos por aqui, apesar de não ser muito a minha especialidade, achei um baita vinho. Recomendo bastante a prova.

Até o próximo!

quarta-feira, 7 de novembro de 2018

Palácio da Bacalhôa 2013

A Bacalhôa Vinho de Portugal, produtora do vinho de hoje, dispensa muitas apresentações. É uma das gigantes do mundo do vinho, conhecida e presente no mundo todo com belos caldos, desde os mais simples até seus vinhos premium. De qualquer maneira, é sempre bom darmos uma injeção de ânimo na nossa memória e trazer um pouco da história de sucesso desta empresa aqui para os leitores do blog. A Bacalhôa Vinhos de Portugal existe desde 1922, inicialmente sob a designação de João Pires & Filhos, tendo se desenvolvido ao longo dos anos com uma vasta gama de vinhos que lhe granjeou uma sólida reputação e a preferência de consumidores nacionais e internacionais. Ganhou um grande impulso com a parceria com o Grupo Francês Lafitte Rothschild e a aquisição de propriedades como a Quinta do Carmo, por exemplo. Está presente em 7 regiões vitícolas portuguesas (Alentejo, Península de Setúbal (Azeitão), Lisboa, Bairrada, Dão e Douro), com um total de 1200ha de vinhas, 40 quintas, 40 castas diferentes e 4 centros vínicos (adegas), a empresa distingue-se no mercado pela sua dimensão e pela autonomia em 70% na produção própria. Com uma capacidade total de 20 milhões de litros e 15.000 barricas de carvalho, a Bacalhôa Vinhos de Portugal prossegue a sua aposta na inovação no setor, tendo em vista a criação de vinhos que proporcionem experiências únicas e surpreendentes, com uma elevada qualidade e consistência.


Falando agora do Palácio da Bacalhôa 2013, podemos afirmar que o vinho é feito a partir das uvas Cabernet Sauvignon, Merlot e Petit Verdot oriundas da região da Península de Setúbal sendo que 12% do mosto fermentou e estagiou 4 meses em barricas novas de carvalho francês. Vamos as impressões?

Na taça o vinho apresentou uma profunda cor violácea, muita intensidade, bom brilho e limpidez. Lágrimas finas, mais lentas e coloridas também se faziam notar.

No nariz o vinho apresentou aromas de frutos vermelhos maduros, baunilha, café, especiarias, mentolado e leve tostado.

Na boca o  vinho se mostrou encorpado, com boa acidez e taninos redondos. O retrogosto confirma o olfato e o final era de longa duração.

Um baita vinho português ora pois, delicioso, complexo, guloso, enfim, nem da pra falar muito. Recomendo a prova.

Até o próximo!

terça-feira, 6 de novembro de 2018

Divulgação: Vinho & Sabores de Portugal em São Paulo

O Vinho & Sabores de Portugal, evento itinerante que traz ao Brasil os melhores expositores de produtos e vinhos portugueses, chega à sua sétima edição e promove em São Paulo (13 e 14 de novembro) e Curitiba (16 de novembro) uma programação repleta de atividades para curtir um fim de semana diferente com os amigos e com a família.


O festival conta mais de 40 expositores de vinhos, azeites, queijos, embutidos; além de degustações, masterclasses sobre diversas regiões de Portugal, uma aula show com o estrelado chef português Hélio Loureiro e muita música para animar os convidados.

Entre os expositores de vinhos dessa edição estão confirmados Adega São Mamede, Adega Cadaval, Adega Vermelha, Casa Santos Lima, Mastervitoria, Vidigal, Quinta dos Termos, Vinhos Almeida Garret, Adega do Fundão, Adega de Castelo Rodrigo, Quinta da Caldeirinha, Adega de Valpaços, Quinta do Sobreiró, Francisco Antonio Gomes Gonçalves, Real Companhia Velha, Vallegre, Manuel Costa e Filhos, Grande Porto e Casa Santa Vitória. Entre os azeites estão Azeites Casa Santo Amaro e entre os queijos e embutidos estão Lacto-Serra Queijos, alheira, bolinho de bacalhau , Embutidos Bísaro e Conservas Ramirez.

Os ingressos custam R$70 por dia (incluso uma taça) ou R$100 (passaporte para os dois dias incluindo taça) e podem ser adquiridos pelo sites:




Confira a programação completa:

São Paulo (13 e 14 de novembro) e Curitiba (16 de novembro)
14h – Abertura ao Público
15h – Masterclass 1 – Vinhos da região de Lisboa
16h30 - Masterclass 2- Vinhos da região da Beira Interior
18h – Masterclass 3 – Vinhos da região de Trás Montes, Vinhos Verdes, Vinhos do Douro e Alentejo
18h30 – Showcooking de gastronomia portuguesa com Chef Helio Loureiro
20h – Encerramento

Para conhecer todos os expositores, basta acessar o site do evento http://www.vinhoesabores.com.br

SERVIÇO

Vinhos e Sabores de Portugal - São Paulo
Data: 13 e 14 de novembro
Horário: 14h às 20h 
Local: Casa da Fazenda do Morumbi 
Endereço: Avenida Morumbi 5594-São Paulo

Vinhos e Sabores de Portugal - Curitiba
Data: 16 de novembro
Horário: 14h às 20h 
Local: Pestana Hotel Curitiba 
Endereço: R. Comendador Araújo, 499 – Centro
Curitiba

segunda-feira, 5 de novembro de 2018

Tahuan Siesta en el Tahuantinsuyu Bonarda 2013

Ernesto Catena, dono da Ernesto Catena Vineyards na Argentina, é o filho mais velho de Nicolás Catena de Catena Zapata. Um enólogo da 4ª geração, Ernesto viajou e viveu em todo o mundo, e ao longo do caminho ganhou um diploma de bacharel em Ciências da Computação e Economia, um mestrado em Design em Milão e uma licenciatura em história em Londres. Definido por muitos como o lado "boêmio" da família Catena, Ernesto é um leitor incansável e ávido, pintor, colecionador de arte, cavaleiro, polo e arqueiro. Enquanto presidente da Bodegas Escorihuela, Ernesto sentiu a necessidade de produzir vinhos que refletissem suas crenças básicas: alta qualidade, um estilo diferente da maioria dos vinhos produzidos na época, volumes menores e um forte conceito de marca. Em 2002, a Ernesto Catena Vineyards foi criada para expressar essas crenças.


Falando mais especificamente do Tahuan Siesta en el Tahuantinsuyu Bonarda 2013, podemos ainda acrescentar que o vinho é feito com uvas 100% Bonarda da região de La Vendimia, em Rivadavia, Mendoza. O vinho tem passagem de oito meses por carvalho francês e americano (meio a meio), sendo que destes 30% novos, 40% segundo e terceiros usos. Vamos as impressões?

Na taça o vinho apresentou coloração rubi violácea de média para grande intensidade com bom brilho e limpidez. Lágrimas finas, rápidas e ligeiramente coloridas também se faziam notar.

No nariz o vinho mostrou aromas de frutos escuros, couro, mentolado, folhas secas e leve toque de baunilha.

Na boca o vinho mostrou corpo médio, boa acidez e taninos macios. O retrogosto confirma o olfato e o final era de média para longa duração.

Uma boa opção de vinho argentino, que pode e deve contrapor aos já manjados Malbecs/Cabernets e afins. Eu recomendo a prova.

Até o próximo!