quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Susana Balbo e seus belíssimos vinhos

Ainda repassando os eventos passados que participei nestes últimos tempos, hoje venho falar de um evento que ocorreu no mês de julho passado e que também trouxe muita coisa boa, nova e também repaginadas. Estou falando de um um encontro com a Susana Balbo, que esteve em São Paulo e conduziu uma degustação com rótulos novíssimos de sua vinícola, além de seus já consagrados vinhos premium. Além disso, mostrou que o vinho não precisa ter essa cara sisuda com o qual é normalmente apresentado. Susana Balbo é a primeira enóloga mulher da Argentina e recebeu inúmeros prêmios devido à qualidade internacional de seus vinhos. Deste evento, trago alguns destaques nas linhas abaixo.


O primeiro destaque é a renovação dos rótulos e de toda comunicação visual da linha Crios, linha de entrada da Susana Balbo que definitivamente é a mais conhecida no nosso mercado brasileiro. Os vinhos desta linha são conhecidos por seu estilo frutado característico, descomplicado e para o dia a dia. Agora os rótulos da linha passam a ostentar um visual mais "vintage-moderno" buscando uma maior conexão com um público mais jovem e "descolado". O símbolo da linha Crios, a famosa mão espalmada, foi mantido, porém numa dimensão menor e ao lado de outras informações valiosas para "novatos" no mundo do vinho tais como breve descrição do vinho, notas de degustação e dicas de harmonização. Além disso, a vasta gama de uvas e blends faz com que o consumidor consiga descobrir características típicas de cada casta além de se aventurar em vinhos que transmitem certa segurança e excelente custo benefício. Dentre os destaques, um Torrontés fresco e bem com a cara do calor característico do nosso país e um Malbec distinto, menos opulento e potente, buscando muito frescor e a facilidade de se beber. Vale ressaltar que a entrada da nova geração da família de Susana, mais especificamente sua filha Ana Lucía Lovaglio, tem muita responsabilidade também nestas mudanças.


Em segundo lugar, gostaria de destacar também um lançamento feito na época do evento, que é o Susana Balbo Signature Rosé, ainda não disponível no mercado (tinha uma previsão de chegada de até 90 dias) mas que se mostrou um vinho delicioso e também com cara de Brasil. Um blend de Malbec e Pinot Noir com muito frescor, bom corpo e estrutura, muita fruta vermelha e cítrica, toques florais e minerais, daqueles vinhos que lembram uma boa piscina com amigos e familiares ou até um encontro com uma pessoa especial, por que não? O problema? O preço um pouco salgado que poderá afastar o público: será comercializado por cerca de 190 reais. De qualquer maneira vale conhecer, eu que não sou fã de rosés achei este vinho incrível.


Falando agora da linha considerada super premium, o destaque fica por conta do vinhaço BenMarco Expressivo, um blend das uvas Malbec, Cabernet Franc e Cabernet Sauvignon do terroir de Gualtallary, com estagio de 14 meses em barricas de primeiro uso. Um vinho que trás aromas de frutos escuros e vermelhos, chocolate, especiarias e que é opulento, suculento com taninos macios e redondinhos. Não é exatamente um lançamento, mas vale sempre provar este vinho. Eu o interpretei como o melhor da noite, mais pronto para o consumo mas que mesmo assim me parece ter ainda uma boa estimativa de guarda.


Por fim não poderia deixar de fora o vinho ultra premium e top do finíssimo Nosotros Francis, um belo blend das uvas Malbec, Cabernet Sauvignon, Cabernet Franc e Tannat oriundas do Vale do Uco com estágio de 15 meses em barricas de carvalho francesas de primeiro uso. Como resultado um vinhaço suculento, opulento, encorpado mas extremamente macio e saboroso, trazendo muita fruta vermelha e escura madura, especiarias, alcaçuz, baunilha e toques florais. Muita complexidade também é seu carro chefe. Como todo vinho top, seu preço é salgado mas vale para uma ocasião mais especial. Eu recomendo muitíssimo a prova, ao menos uma vez deste vinhão.

Vale lembrar que os vinhos da Susana Balbo são trazidos ao Brasil pela Cantu Importadora, que foi a organizadora deste belíssimo evento.Um evento ousado, descomplicado e que mostra como estamos atrasados em relação ao consumo de vinhos no Brasil. De qualquer maneira, precisamos de mais incentivos como estes. 

Até o próximo!

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Bancal Del Bosc 2012: A Espanha muito bem representada!

A Espanha enquanto país produtor de vinhos tem me surpreendido positivamente nos últimos tempos pois tenho provado muita coisa boa vinda de lá. E isso tem me animado a arriscar sempre e conhecer mais e mais a respeito dos vinhos oriundos de lá. O vinho que trago hoje aqui é um prova disso. O post de hoje será sobre o Bancal Del Bosc 2012. Vamos ver o que podemos falar sobre ele e sobre seu produtor?


O vinho é produzido pela Vynes Domènech, cuja família fundadora e que empresta nome a empresa (Domènech) vem de Falset, na Espanha, e desde 2002 são os proprietários de um dos vinhedos mais antigos de Capçanes, localizado ao sul do Priorato, dentro da D.O. Montsant. A uma altitude entre 450 a 500 metros acima do nível do mar, aninhada entre duas montanhas (Llaberia e Montalt), esta área protegida de conservação montanhosa, rodeada por exuberantes florestas e subsolos, se beneficia de um microclima único, muitos solos diferentes e vinhas muito velhas de uvas Garnacha (Grenache ou Garnatxa). Um terroir único para a produção de vinhos de qualidade, sem sombras de dúvidas.

Já sobre o Bancal Del Bosc 2012, podemos ainda acrescentar que é um vinho feito a partir das uvas Grenache, Cabernet Sauvignon e Syrah (60% da primeira e 20% de cada uma das outras duas). Após fermentação, o vinho passa ainda por 6 meses em barricas de carvalho francês e americano. Vamos então as impressões sobre o vinho?

Na taça o vinho apresentou coloração rubi violácea de grande intensidade com algum brilho e boa limpidez. Lágrimas finas, de média velocidade e em boa quantidade se faziam presentes.

No nariz o vinho apresentou aromas de frutos vermelhos e escuros maduros, notas balsâmicas, especiarias, toques minerais e defumados.

Na boca o vinho se mostrou encorpado com uma boa acidez e taninos aveludados. O retrogosto confirma o olfato e o final era longo e saboroso.

Um belíssimo vinho espanhol sem sombra de dúvidas, vindo de uma área ainda considerada "cult" por lá e, até pelos altos preços que encontramos por aqui, pouco explorada no nosso mercado. De qualquer maneira, eu recomendo a prova, vocês não irão se arrepender.

Até o próximo!

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Montes Selección Limitada Cabernet Sauvignon Carmenére 2013

A história da Viña Montes começou em 1987, quando seus dois fundadores originais, Aurelio Montes e Douglas Murray, ambos profissionais do vinho altamente experientes, quiseram realizar seu sonho de produzir vinhos chilenos com qualidade muito superior aos padrões da época. Em 1988, eles se juntaram aos outros dois fundadores, Alfredo Vidaurre e Pedro Grand, que trouxeram suas próprias habilidades e experiências complementares para o empreendimento. E assim nasceu a Viña Montes, primeiramente com o nome de Discover Wine. Seu vinho mais emblemático, o Montes Alpha Cabernet Sauvignon, foi o primeiro grande vinho tinto chileno, recebendo enorme reconhecimento internacional. A versão de 1987 desse Cabernet Sauvignon foi o primeiro vinho ‘premium’ a ser exportado pelo Chile, abrindo rapidamente oportunidades para a Viña Montes e para outras empresas do Chile. A Viña Montes foi não só a precursora dos vinhos de alta qualidade no Chile, servindo como um divisor de águas na história da viticultura chilena, como também inaugurou uma profunda transição da 'quantidade' para a 'qualidade' em todo o cenário vinícola do país.


Falando especificamente sobre o Montes Selección Limitada Cabernet Sauvignon Carmenére 2013, podemos acrescentar que é um vinho feito a partir de uvas Cabernet Sauvignon (70%) e Carmenére (30%) oriundas de vinhedos chamados Apalta e Marchigüe, localizados no Vale do Colchágua. Cerca de 47% do vinho passa por 10 meses em barricas de carvalho francês de primeiro uso para envelhecimento/afinamento. Vamos as impressões?

Na taça o vinho apresentou coloração violácea de grande intensidade com bom brilho e limpidez. Lágrimas de velocidade moderada, mais gordinhas, coloridas e espassadas também se faziam notar.

No nariz o vinho apresentou aromas de frutos vermelhos em compota, especiarias doces, baunilha e leve toque tostado ao fundo da taça.

Na boca o vinho se mostrou encorpado, com boa acidez e taninos macios. O retrogosto confirma o olfato e o final era longo e saboroso.

Um bom vinho chileno, best buy e super conhecido no nosso mercado. Eu recomendo a prova.

Até o próximo!

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Já se imaginou fazendo seu próprio espumante?

É isso mesmo que vocês leram no título deste post. A vinícola nacional Casa Valduga ensina os seus hóspedes a elaborar espumante personalizado, com pacotes exclusivos que proporcionam experiência única para os visitantes, pacote este chamado de “My Exclusive Champenoise”.


A Casa Valduga preparou um pacote exclusivo para os apreciadores de espumantes. A partir de setembro, os hóspedes que escolheram a vinícola como destino, poderão vivenciar a experiência única do “My Exclusive Champenoise”. O pacote oferece uma uma programação inesquecível, permitindo que os hóspedes elaborem seu próprio espumante, criando um rótulo personalizado.

Além de visitar a região do Vale dos Vinhedos, em Bento Gonçalves, e apreciar as belezas do lugar, e a excelente gastronomia, os hóspedes que optarem por esse pacote, também terão direito a degustação às cegas de rótulos da Casa Valduga, almoço e jantar harmonizados nos restaurantes dos Complexo Enoturístico e uma visita guiada até a Domno do Brasil.

Durante a programação de três dias, os participantes do “My Exclusive Champenoise”, terão a oportunidade de acompanhar todo o processo de produção dos espumantes, realizando cortes para a escolha do espumante e ainda uma rotulagem simbólica.

O My Exclusive Champanoise será realizado de 15 a 18 de setembro e inclui 18 garrafas do espumante elaborado, com rótulo personalizado para cada casal e entregues no endereço indicado pelos participantes. O pacote de três diárias ainda dá direito a almoço e jantar harmonizado com os melhores rótulos da vinícola, especialmente selecionados pelo sommelier da Casa Valduga e degustações.

O valor do pacote para o casal é de R$6.490,00. Confira a programação completa do My Exclusive Champenoise:

 15/09
Quinta
14h
Check in

Brinde no apartamento
18h
Welcome Drink
20h
Jantar receptivo


 16/09
Sexta
9h
Recepção dos participantes
9h15
Minicurso de elaboração de espumante
10h15
Degustação às cegas
12h
Almoço Restaurante Casa Madeira
14h
Visita a Domno do Brasil
20h
Jantar com bebidas inclusas


 17/09
Sábado
9h
Definição dos cortes para elaboração do espumante após remuage
13h
Almoço Restaurante Maria Valduga
14h
Degorge do produto escolhido
20h
Jantar harmonizado


 18/09
Domingo
12h
Check out

Para mais informações e reservas, entre em contato pelo telefone: (54)2105-3158 ou envie um e-mail para eventos@villavalduga.com.br.

O que acham da oportunidade? Eu achei uma idéia incrível!

Até o próximo.

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Quercus Pinot Bianco 2013: o melhor amigo da comida japonesa

Dia desses resolvemos que iríamos comer em um restaurante japonês que costumamos frequentar próximo de nossa casa e, como de costume também, aproveitei pra levar um vinho para acompanhar a refeição uma vez que a taxa de rolha do restaurante eu considero justa. E para minha surpresa descobri um excelente parceiro para este tipo de culinária, que foi o Quercus Pinot Bianco 2013. 


O vinho é produzido pela Vinícola "Vinska Klet Goriška Brda", um dos produtores de vinho esloveno mais renomados e importantes, continuando e melhorando a tradição da produção de vinhos de séculos com sucesso. A "Vinska Klet Goriška Brda" foi fundada em 1957 como uma cooperativa e ainda hoje é completamente propriedade de seus membros. Desde o seu início a vinícola teve um grande impacto sobre o desenvolvimento econômico da região e do estilo de vida do povo local. A "Vinska Klet Goriška Brda" possui 1.000 hectares de vinhas que se espalham a meio caminho entre o mar Adriático e os Alpes. Em média, cada viticultor cooperado cultiva menos de 2 hectares e, portanto, cuida de cada videira com devoção. A marca Quercus, que empresta o nome a este vinho, tenta satisfazer o gosto internacional para o vinho e, ao mesmo tempo que carrega uma marca pronunciada da região de Goriška Brda, onde as uvas amadureceram, e outra da Vinícola Goriška Brda, onde foi produzido. Quercus é uma linha de produtos frescos, frutados e vinhos mais leves.

Falando do Quercus Pinot Bianco 2013, podemos acrescentar que é um vinho feito com 100% de uvas Pinot Bianco da região de Brda, oriundas de vinhedos de idades entre 10 e 30 anos e com alturas que variam entre 80 a 200 metros acima do nivel do mar. A fermentação acontece em tanques de aço inox onde permanece por 6 meses sur lie para afinamento. Vamos as impressões?


Na taça o vinho apresentou uma bonita coloração amarelo palha brilhante, límpido e com alguns reflexos dourados.

No nariz o vinho apresentou aromas de frutos cítricos, tropicais e toques florais.

Na boca o vinho apresentou certa untuosidade, mostrando corpo médio para encorpado e uma excelente acidez. O retrogosto confirma o olfato e o final era fresco, longo e saboroso.

Um bom vinho branco para o dia a dia, principalmente quando quisermos fugir do comum. Me parece que vai bem sozinho, só com um bom papo ou uma boa companhia (ou mesmo ambos). Mas sem dúvidas nenhuma, fez um belo par com uma boa comida japonesa. Eu acho que vocês deveriam provar. Mais um vinho do clube de vinhos da Winelands, o clube que eu assino e recomendo.

Até o próximo!