quarta-feira, 24 de abril de 2019

The 7 Deadly Zins 2016

Michael, David e a região de Lodi, na Califórnia tem uma relação de longa data; é considerado a casa de ambos a seis gerações e a Michael David Winery, ainda de gestão familiar, continua comprometida com a terra, a comunidade e o espírito de sua cidade natal. A família cultiva este solo desde 1850 e cultiva uvas para vinho desde o início do século XX. São os produtores de uva da 5ª geração que criaram suas famílias nas vinhas, e agora a 6ª geração se juntou à equipe, o filho de Mike, Kevin e a filha Melissa. Sua coleção não convencional de vinhos é cultivada com responsabilidade, de acordo com as Regras de Lodi, um conjunto de mais de 100 padrões que explicam todos os aspectos da produção de vinho de qualidade de maneira sustentável: ambiental, social e econômica. Seu legado familiar e amor por Lodi direcionam o foco para a sustentabilidade.


Falando um pouco mais detalhadamente do The 7 Deadly Zins 2016, podemos afirmar que o vinho é feito com uvas Zinfandel de vinhas velhas da região de Lodi, na Califórnia e um pequeno toque de Petite Sirah. Vamos as impressões?

Na taça o vinho apresentou coloração violácea de grande intensidade com algum brilho e limpidez. Lágrimas mais gordinhas, lentas e bem coloridas estavam fazendo a festa também.

No nariz o vinho apresentou aromas de frutos vermelhos e negros, especiarias, chocolate e toques de fumaça. 

Na boca o vinho apresentou corpo médio, boa acidez e taninos macios. O retrogosto confirma o olfato e o final era de longa duração.

Provavelmente vocês já estavam sentindo falta de um Zinfandel por aqui, afinal, eu tenho uma afeição especial por esta casta/estes vinhos. Ai está, veio na mala, diretamente do país do Tio Sam e vou dizer, é uma delicinha. Eu recomendo a prova.

Até o próximo!

terça-feira, 23 de abril de 2019

Convento de Tomar Reserva 2013

A Herdade dos Templários é uma quinta vitivinícola familiar que se dedica à produção e comercialização de vinhos de qualidade desde 1989 em Valdonas, Tomar, na região do Tejo em Portugal. As vinhas estão plantadas em solo profundo de origem xistosa e argilo-calcária, seco à superfície e rico em água na transição para o subsolo. Dotadas de rega gotejamento, para controlar o nível de stress hídrico, as vinhas apresentam sistemas de condução que garantem a exposição solar e arejamento necessários para maturações mais equilibradas e uvas de alta qualidade assentes numa seleção das melhores castas regionais, nacionais e internacionais. Uma perfeita conjugação entre a tradição, a tecnologia e o know-how aliados a uma rigorosa seleção de castas e à arte de vinificar na própria adega as suas próprias uvas, sob o controle de uma experiente equipa técnica liderada pelo enólogo Hernâni Canavarro, tem permitido produzir em pequena escala, grandes vinhos. As medalhas e distinções obtidas nos mais conceituados concursos e revistas nacionais e internacionais corroboram perante o mercado a qualidade e consistência de seu néctares.


Falando sobre o Convento de Tomar Reserva 2013, podemos ainda acrescentar que o vinho é um corte de uvas típicas de Portugal e internacionais, a saber: Touriga Nacional (50%), Cabernet Sauvignon (25%) e Syrah (25%). Tem passagem de 6 meses em barricas de carvalho (novas e usadas) para afinamento. Vamos as impressões?

Na taça o vinho apresentou coloração rubi violácea de média para grande intensidade com bom brilho e limpidez. Lágrimas finas, rápidas e coloridas também se faziam presentes.

No nariz o vinho apresentou aromas de frutos negros, especiarias e flores. Ao fundo, algo de defumado também se fazia notar.

Na boca o vinho apresentou corpo médio, boa acidez e taninos redondinhos. O retrogosto confirma o olfato e o final era de média para longa duração.

Mais um vinho da terrinha provado e aprovado por aqui, ó pá! Esse vinho me foi apresentado pelo Winelands Clube do Vinho, o clube que eu assino e recomendo.

Até o próximo!

quarta-feira, 17 de abril de 2019

The Velvet Devil Merlot 2016

Hoje falaremos de um vinho que pode ser considerado inusitado, partindo do seu pai, Charles Smith, até o rótulo "chamativo", cujos conceitos sugerem sabor e combinação de vinhos, e cada obra original é uma colaboração de Charles e seu amigo de longa data, o artista Rikke Korff. Além disso, é oriundo de uma região que pouco falamos por aqui, Washington State, nos Estados Unidos. Vamos ver o que podemos falar sobre ambos, o vinho e seu produtor?


Poucos produtores de vinho têm uma história parecida com Charles Smith. Embora ele tenha nascido e crescido a uma hora de Napa Valley, CA, Charles não descobriu seu amor pelo vinho até se mudar para a Europa. Enquanto vivia no exterior, ele agenciou várias bandas de rock, incluindo a famosa dupla dinamarquesa The Raveonettes. E foi exatamente esta vida "rock n'roll" de estrada e muitos jantares regados a vinho que nele despertou esta paixão. Em 1999, durante uma viagem a Walla Walla, WA, Charles conheceu um produtor de vinhos que o convenceu a começar a fazer seu próprio vinho, fiel à sua própria história e visão. E em 2001, Charles criou a Charles Smith Wines e lançou 330 caixas de sua primeira safra. Oito anos depois, ele seria nomeado Enólogo do Ano pela revista Food & Wine e novamente em 2014, pela Wine Enthusiast. O conhecimento e o respeito de Charles pelas técnicas de vinificação do velho mundo, juntamente com seu compromisso com a forma como as pessoas realmente bebem vinho, são o que tornam seus vinhos tão únicos. Seus tintos são submetidos a longas macerações de 30 dias ou mais nas peles. Para os brancos, ele abdica da battonage, e eles são filtrados por estabilidade.

Falando agora do The Velvet Devil Merlot 2016, podemos ainda acrescentar que o vinho tem em sua composição 89% de Merlot, 10% de Cabernet Sauvignon e 1% Malbec, todas uvas provenientes de Washington State. Não encontrei informações sobre passagem por madeira mas suas características, que serão descritas a seguir, sugerem que houve tal passagem. Vamos as impressões?

Na taça o vinho apresentou uma bonita coloração violácea de média para grande intensidade com bom brilho e limpidez. Lágrimas finas, rápidas e com alguma cor também se faziam presentes.

No nariz o vinho apresentou aromas de frutos escuros, tabaco, cassis, chocolate amargo e toques de mineralidade (algo entre grafite e cedro).

Na boca o vinho apresentou corpo médio, boa acidez e taninos aveludados. O retrogosto confirma o olfato e o final era de média para longa duração.

Um ótimo vinho que tem tudo pra acompanhar carnes, hambúrgueres e pratos "típicos" americanos. Diz a lenda que Charles Smith resolveu apostar neste vinho e principalmente na casta Merlot em contrapartida ao sentimento negativo que o filme "Sideways"gerou sobre a casta. Verdade ou não, recomendo a prova.

Até a próxima!

terça-feira, 16 de abril de 2019

Karakter Sauvignon Blanc 2017

O vinho de hoje é produzido por Domeniile Sahateni, vinícola romena de propriedade de Aurelia Visinescu, uma respeitável enóloga romena, e seu sócio. A vinícola é baseada na região Dealu Mare, onde o "terroir" provou que vinhos excepcionais podem ser alcançados, sendo composta por 70 ha de videiras. Investimentos da ordem de até 5 milhões de Euros foram feitos e dedicados ao plantio e replantio de vinhas, modernização da adega, ampliação de capacidade e outros. A capacidade total de produção é de 1.000.000 garrafas por temporada. Uma parte dos vinhos é envelhecido em barricas de carvalho romeno e também envelhecidos em garrafa na adega. As principais variedades de uvas são: Feteasca Neagra, Merlot, Cabernet Sauvignon, Pinot Noir - para os vinhos tintos e Feteasca Alba, Chardonnay, Riesling, Sauvignon Blanc, Tamăioasă Romaneasca e Muscat Ottonel para os vinhos brancos. O que vemos aqui é a utilização de castas internacionais mas também um grande uso de uvas autóctones romenas e pouco conhecidas por nós brasileiros, o que torna provar o vinho por si só já uma descoberta. Inicialmente eram 3 linhas de vinhos: Nomad, Artisan e Anima. A primeira (Nomad), segundo a enóloga é focada em vinhos mais ao estilo novo mundo e visa àqueles que gostam se aventurar por tal estilo; já a segunda (Artisan) é uma linha mais dedicada às uvas autóctones romenas e a região de Dealu Mare; por fim, a terceira linha (Anima) é a linha de vinhos exclusivos, considerados os tops da vinícola.


Falando sobre o Karakter Sauvignon Blanc 2017, podemos ainda dizer que o vinho é feito 100% por uvas Sauvignon Blanc oriundas de Dealu Mare, na Romenia sem qualquer passagem por madeira. Vamos as descrições?

Na taça o vinho apresentou uma belíssima coloração amarelo palha com reflexos dourados de ótimo brilho e limpidez.

No nariz o vinho apresentou aromas de frutos tropicais e cítricos, bem maduros e suculentos com leve toque mineral. Ao fundo, notas florais também se fazem notar.

Na boca o vinho mostrou corpo leve para médio com uma boa acidez (mas sem se tornar "elétrico" como alguns irmão chilenos, a meu ver se tornando mais agradável). O retrogosto confirma o olfato e o final era de média para longa duração.

Mais um bom vinho romeno provado por aqui, este que é mais um vinho que me foi apresentado pelo Winelands Clube do Vinho, o clube que eu assino e recomendo. Foi o fiel escudeiro de um dos muitos dias muito quentes que sentimos por aqui na ocasião do nosso verão.

Até o próximo!

segunda-feira, 15 de abril de 2019

El Contrabandista Banda de los Tres Sucios Petit Verdot 2016

Parafraseando grandes escritores, redatores e afins (ficando bem claro que não me enquadro em quaisquer destas categorias), me sinto com um misto de bloqueio criativo e falta de tempo (talvez seja uma desculpa que eu tento associar ao primeiro item) para colocar em palavras tudo que eu tenho tido o prazer de degustar, vivenciar ou mesmo perceber. E sei que com isso, ando decepcionando quem gosta do meu trabalho aqui. Tenho feito esforços para voltar, e pretendo que isso continue ao longo do tempo. Por isso não irei mais me desculpar pois entendo que meus leitores já devem estar cheios de desculpas e vamos ao que interessa, os vinhos. O vinho de hoje é um argentino que veio na mala diretamente da capital portenha e que, segundo o vendedor, é de um pequeno produtor que faz excelentes caldos. Estou falando do El Contrabandista Banda de los Tres Sucios Petit Verdot 2016.


Focando primeiramente no produtor, pude descobrir que a família Vicentin, responsável pelo vinho de hoje, é uma família com uma visão de progresso e trabalho que há mais de um século constrói o futuro em suas plantações na Argentina. O primeiro passo é a seleção dos vinhedos, alcançando a singularidade através das diferentes latitudes e longitudes da província de Mendoza e arredores . O segundo segredo é a tradição da família, uma visão e compromisso com o futuro. Embarcaram nesta viagem com amigos e grandes artistas que convertem e criam o néctar essencial do vinho, conseguem abrir uma garrafa vivendo um momento incomparável.

Finalmente falando do El Contrabandista Banda de los Tres Sucios Petit Verdot 2016, podemos ainda acrescentar que é um vinho feito com uvas 100% Petit Verdot oriundas de Vista Flores, Los Chacayes, Tunuyan e Vale de Uco com cerca de 1120 metros acima do nível do mar. Ao término da fermentação, o vinho passa por 12 meses em barricas de carvalho francês. Vamos as impressões?

Na taça o vinho apresentou coloração violácea de grande intensidade com bom brilho e limpidez. Lágrimas finas, rápidas e ligeiramente coloridas também se faziam notar.

No nariz o vinho apresentou aromas de frutos escuros, tabaco, fumaça, alcaçuz e algo de grafite.

Na boca o vinho apresentou corpo médio para encorpado, boa acidez e taninos macios. O retrogosto confirma o olfato e o final era de longa duração.

Uma baita descoberta e um baita vinho este varietal. Eu curto muito varietais argentinos que fogem dos já batidos Malbecs e Cabernets. Se tiverem a chance, recomendo a prova.

Até o próximo!