quarta-feira, 17 de abril de 2019

The Velvet Devil Merlot 2016

Hoje falaremos de um vinho que pode ser considerado inusitado, partindo do seu pai, Charles Smith, até o rótulo "chamativo", cujos conceitos sugerem sabor e combinação de vinhos, e cada obra original é uma colaboração de Charles e seu amigo de longa data, o artista Rikke Korff. Além disso, é oriundo de uma região que pouco falamos por aqui, Washington State, nos Estados Unidos. Vamos ver o que podemos falar sobre ambos, o vinho e seu produtor?


Poucos produtores de vinho têm uma história parecida com Charles Smith. Embora ele tenha nascido e crescido a uma hora de Napa Valley, CA, Charles não descobriu seu amor pelo vinho até se mudar para a Europa. Enquanto vivia no exterior, ele agenciou várias bandas de rock, incluindo a famosa dupla dinamarquesa The Raveonettes. E foi exatamente esta vida "rock n'roll" de estrada e muitos jantares regados a vinho que nele despertou esta paixão. Em 1999, durante uma viagem a Walla Walla, WA, Charles conheceu um produtor de vinhos que o convenceu a começar a fazer seu próprio vinho, fiel à sua própria história e visão. E em 2001, Charles criou a Charles Smith Wines e lançou 330 caixas de sua primeira safra. Oito anos depois, ele seria nomeado Enólogo do Ano pela revista Food & Wine e novamente em 2014, pela Wine Enthusiast. O conhecimento e o respeito de Charles pelas técnicas de vinificação do velho mundo, juntamente com seu compromisso com a forma como as pessoas realmente bebem vinho, são o que tornam seus vinhos tão únicos. Seus tintos são submetidos a longas macerações de 30 dias ou mais nas peles. Para os brancos, ele abdica da battonage, e eles são filtrados por estabilidade.

Falando agora do The Velvet Devil Merlot 2016, podemos ainda acrescentar que o vinho tem em sua composição 89% de Merlot, 10% de Cabernet Sauvignon e 1% Malbec, todas uvas provenientes de Washington State. Não encontrei informações sobre passagem por madeira mas suas características, que serão descritas a seguir, sugerem que houve tal passagem. Vamos as impressões?

Na taça o vinho apresentou uma bonita coloração violácea de média para grande intensidade com bom brilho e limpidez. Lágrimas finas, rápidas e com alguma cor também se faziam presentes.

No nariz o vinho apresentou aromas de frutos escuros, tabaco, cassis, chocolate amargo e toques de mineralidade (algo entre grafite e cedro).

Na boca o vinho apresentou corpo médio, boa acidez e taninos aveludados. O retrogosto confirma o olfato e o final era de média para longa duração.

Um ótimo vinho que tem tudo pra acompanhar carnes, hambúrgueres e pratos "típicos" americanos. Diz a lenda que Charles Smith resolveu apostar neste vinho e principalmente na casta Merlot em contrapartida ao sentimento negativo que o filme "Sideways"gerou sobre a casta. Verdade ou não, recomendo a prova.

Até a próxima!

terça-feira, 16 de abril de 2019

Karakter Sauvignon Blanc 2017

O vinho de hoje é produzido por Domeniile Sahateni, vinícola romena de propriedade de Aurelia Visinescu, uma respeitável enóloga romena, e seu sócio. A vinícola é baseada na região Dealu Mare, onde o "terroir" provou que vinhos excepcionais podem ser alcançados, sendo composta por 70 ha de videiras. Investimentos da ordem de até 5 milhões de Euros foram feitos e dedicados ao plantio e replantio de vinhas, modernização da adega, ampliação de capacidade e outros. A capacidade total de produção é de 1.000.000 garrafas por temporada. Uma parte dos vinhos é envelhecido em barricas de carvalho romeno e também envelhecidos em garrafa na adega. As principais variedades de uvas são: Feteasca Neagra, Merlot, Cabernet Sauvignon, Pinot Noir - para os vinhos tintos e Feteasca Alba, Chardonnay, Riesling, Sauvignon Blanc, Tamăioasă Romaneasca e Muscat Ottonel para os vinhos brancos. O que vemos aqui é a utilização de castas internacionais mas também um grande uso de uvas autóctones romenas e pouco conhecidas por nós brasileiros, o que torna provar o vinho por si só já uma descoberta. Inicialmente eram 3 linhas de vinhos: Nomad, Artisan e Anima. A primeira (Nomad), segundo a enóloga é focada em vinhos mais ao estilo novo mundo e visa àqueles que gostam se aventurar por tal estilo; já a segunda (Artisan) é uma linha mais dedicada às uvas autóctones romenas e a região de Dealu Mare; por fim, a terceira linha (Anima) é a linha de vinhos exclusivos, considerados os tops da vinícola.


Falando sobre o Karakter Sauvignon Blanc 2017, podemos ainda dizer que o vinho é feito 100% por uvas Sauvignon Blanc oriundas de Dealu Mare, na Romenia sem qualquer passagem por madeira. Vamos as descrições?

Na taça o vinho apresentou uma belíssima coloração amarelo palha com reflexos dourados de ótimo brilho e limpidez.

No nariz o vinho apresentou aromas de frutos tropicais e cítricos, bem maduros e suculentos com leve toque mineral. Ao fundo, notas florais também se fazem notar.

Na boca o vinho mostrou corpo leve para médio com uma boa acidez (mas sem se tornar "elétrico" como alguns irmão chilenos, a meu ver se tornando mais agradável). O retrogosto confirma o olfato e o final era de média para longa duração.

Mais um bom vinho romeno provado por aqui, este que é mais um vinho que me foi apresentado pelo Winelands Clube do Vinho, o clube que eu assino e recomendo. Foi o fiel escudeiro de um dos muitos dias muito quentes que sentimos por aqui na ocasião do nosso verão.

Até o próximo!

segunda-feira, 15 de abril de 2019

El Contrabandista Banda de los Tres Sucios Petit Verdot 2016

Parafraseando grandes escritores, redatores e afins (ficando bem claro que não me enquadro em quaisquer destas categorias), me sinto com um misto de bloqueio criativo e falta de tempo (talvez seja uma desculpa que eu tento associar ao primeiro item) para colocar em palavras tudo que eu tenho tido o prazer de degustar, vivenciar ou mesmo perceber. E sei que com isso, ando decepcionando quem gosta do meu trabalho aqui. Tenho feito esforços para voltar, e pretendo que isso continue ao longo do tempo. Por isso não irei mais me desculpar pois entendo que meus leitores já devem estar cheios de desculpas e vamos ao que interessa, os vinhos. O vinho de hoje é um argentino que veio na mala diretamente da capital portenha e que, segundo o vendedor, é de um pequeno produtor que faz excelentes caldos. Estou falando do El Contrabandista Banda de los Tres Sucios Petit Verdot 2016.


Focando primeiramente no produtor, pude descobrir que a família Vicentin, responsável pelo vinho de hoje, é uma família com uma visão de progresso e trabalho que há mais de um século constrói o futuro em suas plantações na Argentina. O primeiro passo é a seleção dos vinhedos, alcançando a singularidade através das diferentes latitudes e longitudes da província de Mendoza e arredores . O segundo segredo é a tradição da família, uma visão e compromisso com o futuro. Embarcaram nesta viagem com amigos e grandes artistas que convertem e criam o néctar essencial do vinho, conseguem abrir uma garrafa vivendo um momento incomparável.

Finalmente falando do El Contrabandista Banda de los Tres Sucios Petit Verdot 2016, podemos ainda acrescentar que é um vinho feito com uvas 100% Petit Verdot oriundas de Vista Flores, Los Chacayes, Tunuyan e Vale de Uco com cerca de 1120 metros acima do nível do mar. Ao término da fermentação, o vinho passa por 12 meses em barricas de carvalho francês. Vamos as impressões?

Na taça o vinho apresentou coloração violácea de grande intensidade com bom brilho e limpidez. Lágrimas finas, rápidas e ligeiramente coloridas também se faziam notar.

No nariz o vinho apresentou aromas de frutos escuros, tabaco, fumaça, alcaçuz e algo de grafite.

Na boca o vinho apresentou corpo médio para encorpado, boa acidez e taninos macios. O retrogosto confirma o olfato e o final era de longa duração.

Uma baita descoberta e um baita vinho este varietal. Eu curto muito varietais argentinos que fogem dos já batidos Malbecs e Cabernets. Se tiverem a chance, recomendo a prova.

Até o próximo!

terça-feira, 19 de fevereiro de 2019

Casa Marin Miramar Vineyard Riesling 2008

Ontem tive uma experiência muito legal com um vinho e não poderia deixar de compartilha-la aqui com vocês. Nós enófilos sempre compramos mais vinhos do que consumimos e, vez ou outra, esquecemos uma garrafa no fundo da adega por algum tempo e quando os reencontramos, sempre bate aquele medo de que o vinho já tenha passado do ponto. Mas para nossa felicidade, o exemplo que trago aqui é de uma grata surpresa. Hoje falaremos do Casa Marin Miramar Vineyard Riesling 2008.


Antes, falemos um pouco sobre o produtor para relembrar. A famosa vinícola chilena Casa Marin na Provincia de San Antonio, com vinhedos muitos próximos ao oceano pacífico. A história da vinícola começa com o sonho de sua fundadora, proprietária e enóloga: María Luz Marín. Nada descreve melhor a vinícola do que a história desta mulher que lutou arduamente para criar uma vinha inovadora que expressa nos seus vinhos finos e exclusivos o único terroir de Lo Abarca. Marilú sempre quis estabelecer sua vinícola em Lo Abarca, mas teve que enfrentar muitos desafios antes de ser capaz de alcançá-lo devido ao clima extremo, falta de água e às dúvidas de seus pares no setor. Apesar de todas essas dificuldades, em 2000, Marilú tornou-se a única mulher a ser a proprietária fundadora e enóloga de um vinhedo na América do Sul. Conseguindo isso, criando uma empresa cujos vinhos foram reconhecidos e premiados internacionalmente, ajudando a posicionar o Chile como produtor de vinhos finos de alta qualidade e alto valor de mercado.

Falando novamente sobre o Casa Marin Miramar Vineyard Riesling 2008, podemos ainda acrescentar que o mesmo é feito com uvas 100% Riesling colhidas no vinhedo chamado Miramar, no Vale do Santo Antonio no Chile. Possui 12,5% de grau alcoólico e não passa por madeira. Vamos as impressões?

Na taça o vinho apresentou uma coloração amarelo palha com reflexos dourados de média intensidade. Lágrimas finas, rápidas e incolores também fazem parte do aspecto visual.

No nariz o vinho apresentou aromas lembrando parafina, flores brancas e frutos de polpa branca bem maduros. Toques de manteiga também se faziam notar com mais tempo na taça. Todos estes aromas muito bem misturados e se alternando na taça. Um verdadeiro perfume engarrafado.

Na boca foi onde o vinho mais me surpreendeu. No alto dos seus 11 anos de idade, manteve uma acidez deliciosa e que fazia salivar a cada gole, muito viva e acachapante. Corpo médio. O retrogosto confirma o olfato e o final era longo e saboroso.

Como o mundo do vinho é delicioso, não acham? Eu não esperava que um vinho branco fosse se apresentar tão bem com 11 anos. Se tiverem uma garrafa por ai, provem e depois se puderem, compartilhem suas impressões comigo, eu ficarei imensamente grato. Eu recomendo a prova.

Até o próximo!

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019

Fiano di Avellino Campore Terredora 2009

A Terredora é considerada uma das melhores produtoras de vinho italianas, obtendo prêmios e mais prêmios de prestígio ao longo dos anos. Desde 1978 é a protagonista indiscutível do renascimento do vinho na Campania Italiana. Combinando experiência e tradição, introduziu o cultivo das uvas nativas milenares, inovações modernas, conhecimento técnico e implantes para melhorar o futuro, promovendo o retorno da viticultura à sua tradição mais antiga e mais qualificada.


Falando sobre o vinho de hoje, o Fiano di Avellino Campore Terredora 2009, podemos complementar que o vinho é feito com 100% de uvas Fiano de um vinhedo chamado Campore, na Itália. As uvas são colhidas bem maduras, quase como um "late harvest" seguida de cuidadosa vinificação com fermentação em baricas e cuidadoso envelhecimento "sur lie" por pelo menos 6 meses e posterior refino em garrafa por pelo menos 24 meses. Vamos as impressões?

Na taça o vinho apresentou coloração dourada com bom brilho e limpidez. 

No nariz o vinho apresentou aromas de mel, frutas tropicais maduras, flores brancas e baunilha.

Na boca o vinho se mostrou gordo e, a despeito dos seus já 10 anos, uma acidez gostosa e que estimulava o próximo gole. O retrogosto confirma o olfato e o final era de longa duração.


Um belíssimo vinho branco italiano, de uma uva e região pouco conhecidas de minha parte mas que agradou demais a despeito de já ser um senhor. Foi o fiel escudeiro de uma bela massa com camarões. Mais um vinho apresentado pelo clube de vinhos da Winelands, o clube que eu assino e recomendo.

Até o próximo!