quinta-feira, 30 de abril de 2020

Resgate: Netflix traz ação e luta como antigamente

Mais uma pausa nos vinhos para falar de algo que, assim como o anterior, também tem feito parte da minha vida ultimamente mais do que nunca: filmes e séries. Não que eu já não fosse um grande fã do meio, mas acho que a pandemia e a quarentena me aproximou ainda mais dessa paixão. Queria compartilhar com vocês hoje minha impressão sobre o filme Resgate, novo thriller de ação do serviço de streaming Netflix.


Resgate acerta em cheio ao, já me desculpando pelo trocadilho pobre, resgatar o gênero de ação em sua mais pura forma: ação frenética, lutas e tiroteios de tirar o fôlego unidos a um bom roteiro para amarrar tudo. Não que a premissa seja original nem nada disso, é apenas bem pensada e executada a perfeição. Tudo isso é premiado com um final que, se não é dúbio, deixa a imaginação da audiência a trabalhar e criar, como de praxe, diversas teorias sobre como o personagem principal termina o filme assim como a possibilidade de uma continuação.

O filme trata de um ex-militar, Tyler Rake, então vivido pelo astro do universo cinematográfico da Marvel Chris Hemsworth (Thor, Vingadores, etc.), que hoje em dia ganha a vida como mercenário. Em seu próximo trabalho, Tyler é contratado para resgatar o filho de um chefão do crime indiano, sequestrado por uma gangue rival. Falando assim tudo parece muito simples, mas a trama criada e o desenvolvimento da relação entre o menino e Hemsworth ajudam a amarrar a trama e abrem espaço para as longas cenas de perseguição, tiroteios e lutas sem entretanto deixar o filme cansativo e maçante. Tal relação serve também de redenção para o personagem principal, dados os fantasmas de seu passado e seus relacionamentos familiares.

Além disso, o longa chama atenção para uma realidade que pode até ser trazida para próximo de nós brasileiros, se pensarmos nas cidades mais pobres e periferias de grandes centros urbanos: como é a vida, principalmente para crianças, nestes locais onde existe uma grande desigualdade social, pobreza acentuada com domínio do tráfico de drogas e o crime organizado. Neste cenário as crianças acabam se tornando soldados destes impérios criminosos, sendo manipuladas e usadas como linha de frente numa guerra que invariavelmente não tem vencedores.

No fim, Resgate funciona com sua história simples deixando a ação como principal núcleo e centro das atenções. Depois do desfile de punhos, facas e armas de tiro, a redenção de Tyler parece inevitável. Se você é fã do gênero, tenho certeza que vai curtir.

Até o próximo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário