quarta-feira, 8 de abril de 2020

A pandemia e a saúde mental

Enquanto o coronavírus fecha restaurantes em todo o mundo, muitos trabalhadores da área de serviços e hospitalidade ficam em estado de estresse, depressão, isolamento e ansiedade. Em qualquer dia anterior à pandemia de coronavírus, a indústria de restaurantes estava numa crise de saúde mental. Existem muitas razões para isso: as pessoas que lidam com problemas de saúde mental e dependência são atraídas para este trabalho, porque sempre foi um paraíso para as pessoas que existem à margem; os empregos em restaurantes têm horas brutais e geralmente pagam muito pouco e não oferecem assistência médica; existe fácil acesso ao álcool e substâncias ilícitas; e os trabalhadores são tradicionalmente recompensados ​​por seu masoquismo - cale a boca e cozinhe. As questões de saúde mental são parte integrante da cultura dos restaurantes, mas apenas nos últimos anos a indústria em geral começou a questionar abertamente por que isso foi tão prontamente aceito e a discutir os danos causados ​​por se varrer este assunto para debaixo do tapete.


A morte de Anthony Bourdain por suicídio em junho de 2018 foi um alerta para a indústria da hospitalidade. Essa perda inimaginável uniu indivíduos e comunidades para formar grupos de apoio e ter conversas desconfortáveis, mas necessárias, com colegas e amigos além de totalmente desconhecidos, e afastar parte do estigma em torno da saúde mental e do vício que iguala vulnerabilidade a fraqueza. Ainda havia um tremendo caminho a percorrer, mas a comunidade estava ao menos tropeçando juntos na direção certa desta estrada sem volta.

E então, no decorrer de alguns dias, tudo mudou. As medidas governamentais adotadas para impedir a propagação do COVID-19 forçaram os restaurantes a se adaptarem rapidamente. Dependendo do estado e da região, os bares que não servem comida foram obrigados a fechar, e inúmeros restaurantes rapidamente se movimentaram para oferecer entrega e coleta para evitar a transmissão do vírus. Centenas de milhares de funcionários de restaurantes e bares perderam seus empregos temporária ou permanentemente, muitos dos quais não se qualificam para receber benefícios de desemprego. Não há fim à vista e o futuro da indústria de restaurantes é um vasto desconhecido.

Não há ninguém que não esteja sofrendo e assustado no momento, e essa crise emocional coletiva pode cair especialmente sobre os trabalhadores da hospitalidade, que costumam estar na linha de frente de qualquer emergência. Quando ocorre um desastre natural ou causado pelo homem, os funcionários do restaurante são alguns dos primeiros a avançar. Eles descobrem uma maneira de alimentar as pessoas e oferecer sustento e consolo, porque é o que eles fazem e quem são. Na ausência da capacidade de fazer isso, e em uma posição de necessidade, cozinheiros, barmen, garçons e outros funcionários de restaurantes estão em crise no momento. Mesmo se não for uma pessoa propensa a problemas de saúde mental ou abuso de substâncias, isso não significa que depressão, ansiedade, obsessão, pensamentos de auto-mutilação e o desejo de automedicar ou quebrar a sobriedade possam aparecer.

Como Steve Palmer mencionou em um recente podcast da Communal Table, "o isolamento é inimigo da sobriedade e da saúde mental" - mas só porque as pessoas não podem estar fisicamente juntas não significa que elas não podem ser uma comunidade. Como uma pessoa com muitos anos de sobriedade, e enfrentando as mesmas tensões e incertezas que o resto da indústria enfrenta, ele pede que as pessoas se conectem da maneira que puderem - textos, telefonemas, videoconferências, DMs, e-mails e tipos de reuniões de recuperação. Se você está checando alguém porque acha que ela precisa ou se é para seu próprio bem-estar, essas conexões são vitais para nossa existência e nos lembram que somos importantes, mesmo que as coisas pareçam inúteis no momento.

A mensagem principal que fica é: você ainda é um chef, um barman, um cozinheiro de linha, um garçom. Mesmo que seu restaurante ou bar tenha sido fechado, você ainda é a pessoa com essas habilidades e essa experiência. Quando a indústria de restaurantes se reconstruir - e eu tenho que acreditar que isso vai acontecer - você ainda será essa pessoa, com esse valor, com esse coração e as mãos que possui. Por enquanto se segure, tenha fé e lembre-se de quem você é. Ninguém nunca disse que seria fácil. Mas nós vamos superar mais essa.
Adaptado de www.foodandwine.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário