terça-feira, 12 de fevereiro de 2019

Lagoalva Azulejo Tinto 2016

A longa tradição da Quinta da Lagoalva como produtora de vinho é atestada em 1888, na Exibição Portuguesa de Indústria, onde esteve presente com 600 cascos de vinho. Os 45 hectares de vinhas da Quinta da Lagoalva estão implantados nos melhores “terroirs” do Tejo e são constituídos pelas castas nacionais e mundiais com melhores aptidões enologicamente comprovadas tais como, nos brancos: Sauvignon Blanc, Alvarinho, Arinto, Fernão Pires, Verdelho, Chardonnay; e nos tintos: Touriga Nacional, Alfrocheiro, Tinta-Roriz, Cabernet Sauvignon, Shyrah, Tannat e Castelão. As vinhas da Quinta da Lagoalva se beneficiam de um moderno sistema de condução, tal como a adega, que conjuga uma vinificação eficaz com grande versatilidade de opções enológicas, baseadas no diálogo entre o modelo do “novo mundo” e opções tradicionais europeias. Pode por isso afirmar-se que os vinhos da Quinta da Lagoalva de Cima são resultado da filosofia do produtor, das características marcantes de castas de vincada personalidade resultante do seu microclima e “terroir”.


Falando especificamente do Lagoalva Azulejo Tinto 2016, podemos ainda dizer que o vinho é um corte das uvas portuguesas Touriga Nacional, Castelão e Touriga Franca com a fermentação malo-láctica ocorrendo em barricas de carvalho Francês e Americano, onde o vinho ainda virá a estagiar durante 6 meses. Vamos as impressões?

Na taça o vinho apresentou coloração violácea de grande intensidade com bom brilho e limpidez. Lágrimas finas, rápidas e com boa coloração também se faziam presentes.

No nariz o vinho apresentou aromas de frutos vermelhos maduros, baunilha e leve toque floral.

Na boca o vinho mostrou corpo médio, boa acidez, taninos redondos e macios. O retrogosto confirma o olfato e o final era de longa duração.

Olha, não costumo elogiar em demasia os vinhos que provo mas este me proporcionou muito prazer no dia em que foi degustado, uma unanimidade na família. Ele é leve, fácil de beber e pede sempre o próximo gole. Foi o fiel escudeiro de uma boa pizza e valeu a prova, eu recomendo.

Até o próximo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário