quarta-feira, 17 de julho de 2019

Torre Zambra Villamagna 2015

Foi em 1910 que Vincenzo foi a Nápoles para concluir a negociação que o levou a comprar um pedaço de terra de cerca de 20 hectares, onde havia uma torre de vigia. A terra era de propriedade da família Zambra, e essa torre era conhecida como "Torre Zambra". Foi nesse terreno ao redor da torre que o genro de Vincenzo, Laurentino De Cerchio, cultivou os primeiros vinhedos de Montepulciano e Trebbiano, o que o levou, em 1961, a fundar uma das vinícolas que escreveu a história da viticultura de Abruzzo, então chamada de Torre Zambra. As colinas de Villamagna desfrutam de um microclima único que as torna entre as mais adequadas no mundo para o cultivo de uvas. A proximidade extrema com o mar e as montanhas significa que há mudanças bruscas de temperatura entre o dia e a noite e entre as diferentes estações do ano. Estas características climáticas particulares permitem que os diferentes aromas das uvas se apresentem na sua melhor expressão, aumentando a sua intensidade e realçando as suas cores. As colinas onde as vinhas da adega são cultivadas estão em perfeita exposição a sudeste, entre 150 e 300 metros de altitude. Os solos são calcários-argilosos, ricos em húmus e nutrientes.


Falando agora sobre o Torre Zambra Villamagna 2015, podemos ainda dizer que o vinho é feito com uvas 100% Montepulciano de vinhedos em Villamagna, considerado o melhor terroir de Abruzzo, limitado a um total de 85 hectares entre três aldeias (em comparação com um total de 30.000 hectares em toda a região), sendo ainda uma DOC bem recente, datando de 2011. Passa ainda por envelhecimento em cimento vitrificado por 12 meses e em garrafa por 6 meses. Vamos as impressões?

Na taça o vinho apresentou coloração violácea de grande intensidade com bom brilho e limpidez. Lágrimas finas, coloridas e de média velocidade também se faziam notar.

No nariz o vinho apresentou aromas de frutos vermelhos, chocolate, couro e algo de especiarias. 

Na boca o vinho se mostrou encorpado com taninos macios aliados a uma boa acidez. O retrogosto confirma o olfato e o final era longo e saboroso.

Um belíssimo vinho italiano provado por aqui. Mais um vinho apresentado pelo clube de vinhos da Winelands, o clube que eu assino e recomendo.

Até o próximo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário