quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Degustando Bodega Sottano na Vino & Sapore

Ah se toda segunda feira fosse assim, se toda semana começasse desta maneira! Fui convidado pelo grande João Filipe, dono da Vino&Sapore e blogueiro de vinhos para participar de um encontro promovido por ele em conjunto com o pessoal da MaxBrands, uma espécie de embate entre as uvas Cabernet Sauvignon e Malbec, com os vinhos da Bodega Sottano, de Mendoza, na Argentina. O João tem uma opinião de que a tempos os vinhos feitos com a uva Cabernet Sauvignon na Argentina tem superado e muito os famosos Malbecs da região. E a idéia do encontro era de compararmos, linha por linha, os varietais de cada uma delas e elegermos o que mais agradava a maioria. Foram convidados basicamente o pessoal que participa de blogs na internet, muitos dos quais me serviram de inspiração para a criação deste espaço, e por isso mesmo não poderia deixar de comparecer. Além disso, outro motivo para o encontro seria brindar o nosso amigo Deco Rossi, do blog Enodeco, por sua nova realização: ele será o "embaixador" da Wines of Argentina no Brasil, participando e planejando todas as ações envolvendo a entidade em terras brasilis. Uma pena que no final das contas ele não pode comparecer, mas deixo aqui mais uma vez meus parabéns e votos de sucesso na nova empreitada.

Para aquecermos as papilas gustativas, fomos recepcionados com o espumante italiano Batasiolo Millesimè 2006, um belo espumante muito aromático (flores, frutos, mel, panificação) feito pelo método clássico lá no Piemonte com 75% de Chardonnay e 25% de Pinot Noir, com um perlage persistente, uma bonita cor amarelo palha com tendencias ao dourado e muito fresco no paladar. Não poderíamos ter começado de maneira melhor.


Passamos então a linha de entrada da Bodega Sottano, chamada de Clássica, com vinhos feitos com 100% das uvas descritas em seus rótulos e com passagem de 8 meses em carvalho. Nesta linha, sinceramente a madeira sobressai sobre a fruta e deixa a sensação de que falta alguma coisa. Além disso, o álcool se mostra presente na boca (teores ao redor de 14,5%) e também se nota uma falta de acidez, o que deixa os vinhos cansativos. A presença de um leve amargor final prejudica também. Com preços girando em torno de 47 dinheiros, sinceramente não compensam o investimento.



Na sequência vieram os vinhos da linha Reserva, também com vinhos 100% Cabernet Sauvignon e 100% Malbec, com passagem de 12 meses em carvalho. Nesta linha começamos a diferenciar um pouco mais a fruta, com boa vantagem para o Cabernet Sauvignon, que apesar de apresentar toques herbáceos e balsâmicos, mostra um pouco mais de extrato. O que salva também o Cabernet é um pouco mais de acidez, ao contrário do Malbec, que continua um pouco cansativo. Madeira em excesso também aparece em ambos vinhos. Esta linha gira em torno dos 70 dinheiros, e talvez valha o investimento no Cabernet.


Finalizando o embate chegamos a linha Reserva da Família, onde ai sim, a brincadeira ficou mais séria. Mais uma vez nos deparamos com varietais 100% e com 12 meses de passagem por carvalho. Aqui os vinhos apresentaram maior equilíbrio, fruta se contrapondo a madeira, tostados e outros aromas mais secundários/terciários aliados a bom corpo e taninos domados. Ainda assim o Cabernet Sauvignon me pareceu mais pronto e mais equilibrado, com a acidez levanta Se não me engano esta linha ronda os 100 dinheiros, e talvez seja interessante pra se conhecer.


Depois do embate finalizado, era hora de provar a estrela da noite: Judas 2007, um vinho 100% Malbec top da Bodega Sottano. Esse passa por 18 meses em carvalho de primeiro uso. Um vinho equilibrado, macio, bastante fruta contraposta com camadas animais, tabaco, especiarias, muita complexidade num vinho de corpo médio/encorpado, pronto pra beber, taninos domados e redondos, enfim, como um vinho top deve ser. Porém, seu preço pode assustar. De qualquer maneira, vale conhecer.

Mas se achávamos que a noite acabaria aqui, nos enganamos. Ainda passamos muito tempo trocando idéias, contando histórias e apreciando a famosa pizza Obelix, que é feita com linguiça de javali e é realmente um espetáculo! Afinal, mais do que agradar o paladar, o vinho serve de agregador e como tempero de muitas amizades! Era um início de semana mais do que especial!

E que venham outros encontros!

2 comentários:

  1. Boa tarde Victor!
    Participei de uma degustação da Sotano aqui em nossa cidade(Santa Rosa-RS) e tive impressão similar a tua a respeito dos vinhos desta vinícola. Minha cidade é próxima da Argentina- 42 km até a fronteira- e temos facilidade em adquirir vinhos em Oberá ou Possadas. Mesmo na Argentina, com o câmbio extremamente favorável aos brasileiros (1 peso = R$ 0,38) o Top da Sotano, apesar de ser muito bom, é um pouco caro, comparando com outros vinhos argentinos de primeira linha.Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde Angelo!

      Obrigado pela visita. Fico contente que tenha corroborado com minhas idéias sobre os vinhos. Não que sejam ruins, mas acho que mal posicionados no quesito preço.

      Abraço!

      Excluir