sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Nomad Cabernet Sauvignon 2012

O vinho em questão é produzido por Domeniile Sahateni, vinícola romena de propriedade de Aurelia Visinescu, uma respeitável enóloga romena, e seu sócio. A vinícola é baseada na região Dealu Mare, onde o "terroir" provou que vinhos excepcionais podem ser alcançados, sendo composta por 70 ha de videiras. Investimentos da ordem de até 5 milhões de Euros foram feitos e dedicados ao plantio e replantio de vinhas, modernização da adega, ampliação de capacidade e outros. A capacidade total de produção é de 1.000.000 garrafas por temporada. Uma parte dos vinhos é envelhecido em barricas de carvalho romeno e também envelhecidos em garrafa na adega. As principais variedades de uvas são: Feteasca Neagra, Merlot, Cabernet Sauvignon, Pinot Noir - para os vinhos tintos e Feteasca Alba, Chardonnay, Riesling, Sauvignon Blanc, Tamăioasă Romaneasca e Muscat Ottonel para os vinhos brancos. O que vemos aqui é a utilização de castas internacionais mas também um grande uso de uvas autóctones romenas e pouco conhecidas por nós brasileiros, o que torna provar o vinho por si só já uma descoberta. São 3 linhas de vinhos: Nomad, Artisan e Anima. A primeira (Nomad), segundo a enóloga é focada em vinhos mais ao estilo novo mundo e visa àqueles que gostam se aventurar por tal estilo; já a segunda (Artisan) é uma linha mais dedicada às uvas autóctones romenas e a região de Dealu Mare; por fim, a terceira linha (Anima) é a linha de vinhos exclusivos, considerados os tops da vinícola.


Já sobre o Nomad Cabernet Sauvignon 2012 podemos ainda acrescentar que é um vinho 100% feito a partir de uvas Cabernet Sauvignon com alguma passagem por madeira. Vamos as impressões?

Na taça o vinho apresentou coloração rubi violácea de média para grande intensidade com bom brilho e limpidez. Lágrimas finas, rápidas e ligeiramente coloridas também se faziam notar.

No nariz o vinho apresentou aromas de frutos escuros, especiarias, baunilha, toques florais e de tosta. 

Na boca o vinho apresentou corpo médio, acidez correta e taninos macios. O retrogosto confirma o olfato e o final era de média para longa duração.

Um bom Cabernet Sauvignon vindo de uma região até certo ponto desconhecida por aqui em nosso mercado mas que tende a agradar os paladares por não contar com aqueles aromas/sabores mais herbáceos/verdes que tanto incomodam. Eu recomendo a prova. Este é mais um vinho que tive acesso através do Winelands Clube do Vinho, o clube de vinhos que eu assino e recomendo. 

Até o próximo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário