terça-feira, 15 de agosto de 2017

Quinta das Carvalhas Douro Tinto 2013

A Real Companhia Velha, grupo ao qual pertence o produtor deste vinho (em conjunto com a rede televisiva portuguesa SIC, em homenagem a uma novela feita por eles), é a mais antiga e emblemática empresa de vinhos de Portugal, tendo celebrado 258 anos de existência e de atividade ininterrupta ao serviço do Vinho do Porto. Para trás, fica o registo de uma história fabulosa e de um passado glorioso. Para o futuro, permanece a vontade de manter um elevado padrão de qualidade dos seus vinhos e a confiança numa Companhia onde o rigor e a visão de fazer ainda mais história são uma preocupação constante. Desde a sua instituição por Alvará Regio de El-Rei D. José I, em 10 de Setembro de 1756, a importância desta Ex-Majestática Companhia ficou bem patente através dos valiosos serviços prestados à comunidade. Proprietária de algumas das melhores quintas do Douro, a Real Companhia Velha tem sabido preservar e honrar a sua tradição, apostando no futuro, através de um constante processo de modernização e experimentação na Região Demarcada do Douro.


A Quinta das Carvalhas é uma propriedade de grande beleza, com uma posição predominante na encosta da margem esquerda do Rio Douro no Pinhão, que se estende pelas encostas da margem direita do afluente Rio Torto. As mais antigas referências escritas sobre a Quinta remontam a 1759, estando as suas magníficas Vinhas Velhas, de plantação pós-filoxerica, a atingir a respeitável idade de um século. A propriedade atinge os 600 hectares de superfície, que integram 120 hectares de vinha intercalados por belíssimas florestas, matos mediterrânicos e olivais centenários. A sua privilegiada localização proporciona deslumbrantes vistas da região, dispondo ainda de uma estrada privada panorâmica com acesso ao cume da montanha onde se localiza a famosa Casa Redonda. 

Sobre o Quinta das Carvalhas Douro Tinto 2013 podemos ainda acrescentar que o vinho é um corte das uvas típicas da região do Douro com enfase na Touriga Nacional com passagem por madeira para amadurecimento. Vamos as impressões?

Na taça o vinho apresentou coloração rubi violácea de média para grande intensidade com algum brilho e boa limpidez. 

No nariz o vinho apresentou aromas de frutos vermelhos, flores, especiarias e toques de baunilha. 

Na boca o vinho mostrou corpo médio, boa acidez e taninos marcados mas de boa qualidade. O retrogosto confirma o olfato e o final era de média para longa duração.

Mais um bom vinho português provado por aqui, este trazido com exclusividade pela rede Pão de Açúcar de supermercados e me cativou pela excelente relação custo benefício. Eu recomendo a prova.

Até o próximo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário