quinta-feira, 10 de março de 2011

Viu Manent Carmenére Reserva 2008

 Destaque na foto para a Milena, minha namorada, que posou de fundo para a foto.


Desde minha última experiência de um vinho chileno desta uva com costelinhas de porco ao barbecue resolvi fazer um tira teima e verificar se realmente era um casamento perfeito. Mas desta vez acabei por me decepcionar. É bom reforçar que não existe qualquer legislação vigente nos países do novo mundo com relação a inscrição “reserva” no rótulo e que isto não é indicativo de qualidade. Talvez o vinho realmente não tenha a qualidade do degustado anteriormente mas enfim, vamos as impressões deste exemplar, produzido com uvas 100% carmenére do Vale do Colchágua, no Chile.

O vinho apresentou em taça uma cor violácea bem forte, impenetrável e brilhante com quase nenhuma transparência. Lágrimas finas, abundantes e sem qualquer cor.

No nariz o vinho apresentou um aroma químico, que lembrava acetona. No fundo havia um lembrança de frutas vermelhas frescas e ligeiro especiado, lembrando pimentas. Alguma coisa de tostado apareceu depois de um tempo. O vinho parecia estar muito fechado. O álcool (14,5%) também sobressaiu um pouco, dificultando um pouco a identificação aromática. Talvez o vinho precisasse ser decantado/aerado por um período a fim de mostrar todos seus aromas.

No palato o vinho se apresentou um pouco melhor, mostrando mais fruta e extrato. Final com leve tostado aparecendo. Apesar disso, o vinho pareceu deveras ligeiro, com persistência de curta para média. Taninos finos, de boa qualidade e álcool sobrando um pouco também na boca, sensação esta que foi diminuindo com o tempo, talvez comprovando a tese de que a decantação/aeração fizessem bem a este vinho.

Enfim, o vinho não foi o que eu esperava e por isso, espero ter outra oportunidade de prová-lo pois sempre ouvi muita coisa boa a respeito da Viu Manent como uma das principais vinícolas chilenas. Mas desta vez não me agradou. Tentarei uma próxima com mais cuidado, aeração/decantação e vamos ver o que acontece.

Saúde.

Nenhum comentário:

Postar um comentário