terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Insatisfeitos, 57% dos paulistanos deixariam SP se pudessem, diz pesquisa

Em minhas habituais leituras pelos portais de notícias espalhados pela internet, me deparei com uma matéria a cerca de uma pesquisa que traduz muito bem o que eu vinha sentindo em relação a cidade de São Paulo. Apesar de gostar muito da cidade, dos passeios possíveis, de sua grande movimentação cultural me sinto cada vez menos contente em morar em São Paulo, seja pelo trânsito alucinante, violência em escalada exponencial ou até mesmo pelo desleixo de nossos governantes com a mais importante cidade do Brasil. Até em virtude deste fato aceitei uma proposta de emprego que além de ser muito boa financeira e profissionalmente, me levou a conhecer São José dos Campos, no Vale do Paraíba, e me deixou extremamente satisfeito com o que venho vivenciando deste então. Leiam a notícia completa e tirem suas próprias conclusões.

Arthur Guimarães
Do UOL Notícias
Em São Paulo

Um estudo encomendado pelo Movimento Nossa São Paulo ao Ibope mostra que a falta de qualidade de vida na metrópole está aborrecendo cada vez mais a população paulistana. Como indica a análise, problemas como a palpitante violência, a carência nos serviços públicos e a falta de consciência coletiva transformam a capital em um lugar quase insuportável.

Dentre as informações tabuladas, um dos dados mais chocantes aponta que 57% dos habitantes mudariam de município se pudessem. Divulgada nesta terça-feira (19), a pesquisa por amostragem foi feita em dezembro do ano passado e entrevistou 1.512 pessoas, cobrindo todas as regiões de São Paulo e mesclando perfis variados em relação ao sexo, grau de instrução, cor, estado civil e renda.

Com base em itens referentes à qualidade de vida sugeridos por quase 40 mil pessoas, os entrevistados fizeram um diagnóstico da relação que estabelecem com São Paulo. No geral, em uma escala de 1 a 10, os paulistanos deram, em média, a nota 4,8 para avaliar o grau de satisfação com a capital. Dos 174 temas sondados, apenas 39 tiveram "nota azul".

Para Oded Grajew, membro da secretaria executiva da entidade e um dos responsáveis pelo trabalho, a quadro é alarmante - e totalmente previsível. "A maioria dos nossos governantes é representante de seus financiadores de campanha, que normalmente são grupos ligados à especulação imobiliária, que fazem a cidade crescer sem organização", diz.

Além disso, segundo Grajew, a sobrecarga na infraestrutura, a preferência pelo transporte individual e o abandono dos pobres agravam a sensação de caos urbano. "É um lugar com dois rios enormes e sujos, uma poluição tremenda e uma baita insegurança. Quem quer viver assim?", questiona.

Como ele explica, a pesquisa serve exatamente para mostrar o tamanho do problema e pedir ações práticas das autoridades. "Se depender da prefeitura, não ficamos sabendo o nível em que está a situação. Há inclusive uma lei, a 14.173/06, que obriga a administração municipal a divulgar uma série de dados sobre o funcionamento de São Paulo, como tempo de espera em ônibus e hospitais. Mas nem isso é cumprido", afirma.

Segundo ele, já que não há movimentação por parte dos políticos, a sociedade civil organizada está dando um jeito de refletir sobre o quadro. "Cabe a nós fazer esse alertas. Nosso objetivo é dar instrumentos para a população avaliar se a gestão pública está melhorando ou não a qualidade de vida das pessoas", diz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário