segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

O adeus de um ídolo

Antes de mais nada eu sei que este post irá provocar diversas reações, positivas e negativas, mas eu não consigo me manter isento. Embargado numa emoção muito forte, tristeza mesmo, eu tento de alguma maneira neste momento acompanhar um pouco sobre o final de uma era no futebol brasileiro: a aposentadoria de Ronaldo, eterno fenômeno do futebol brasileiro. Corinthiano ou não, a questão é que como fanático por futebol cresci vendo Ronaldo jogando e tive o privilégio de dizer que um dia ele vestiu a camisa do meu time, com seus altos e baixos. Gols históricos, títulos, muita história em pouco mais de dois anos. Lendo trechos de sua entrevista (não consegui assistir e ainda não existe um video completo da mesma na net) sinto um mix de emoções . Talvez duas delcarações em especial me deixaram muito tocado: a de que o jogador sofre de hipotiroidismo a quase 4 anos e a de que nunca viveu tão intensamente a relação com um clube e sua torcida como no Corínthians.

Sobre sua história, pouco eu teria a acrescentar dentre um turbilhão de notas/notícias relacionadas ao fenômeno na midia de um modo geral. Mas em poucas linhas podemos dizer que Ronaldo é o maior artilheiro em Copas do Mundo, conseguiu ser amado por torcidas rivais em vários países, tem títulos por todos os clubes que defendeu, escolhido o melhor do mundo em três oportunidades são apenas alguns de seus feitos. Mas também tem o lado trágico da história com sua extensa lista de contusões graves que de certa maneira ajudaram a encurtar sua carreira, entre elas as “famosas” contusões no joelho com imagens que comoveram o mundo esportivo na época em que aconteceram. 

Mas a história mesmo que eu quero apenas agradecer é aquela que ele desenvolveu no Corínthians, lutando pra jogar, marcando gols inesquecíveis, conquistando títulos e como sempre honrando a camisa que vestia. A emoção de ve-lo em campo desde a sua estréia no clássico contra o Palmeiras é indescritivel. A cada arrancada, a cada gol, a cada adversário superado era algo mágico e impenssável até pouco tempo atrás mas era verdadeiro: Ronaldo fenômeno jogou seu último lampejo de carreira no maior time do Brasil. E eu pude ve-lo ao vivo, no campo, tive a oportunidade de vibrar com seus gols e torcer muito por suas inúmeras recuperações. Mais do que isso eu queria dizer que eu pude ve-lo ser o maior artilheiro em copas, eu pude ve-lo fazer fila nos zagueiros  holandeses/espanhóis/italianos e brasileiros enquanto esteve em campo. Mesmo pesado e fora de forma, decorrência de sua doença somente hoje revelada, Ronaldo fez o que muitos achavam impossível: ganhou na corrida de muitos zagueiros e volantes em sua volta ao Brasil e fez gols antológicos, como por exemplo a cavadinha em cima de Fábio Costa em plena Vila Belmiro. Mas a partir de hoje isto não existirá, por um bom motivo, mas a tristeza que invade nossos corações corinthianos é imensa. Ficará um imenso vazio que eu não sei se um dia será preenchido de novo. Ficará a saudade. Ficará a tristeza.

Obrigado Ronaldo por ter feito mais esta pessoa que escreve esta singela homenagem feliz e agora descanse e aproveite sua vida pois você merece!  Valeu!!!!

#PRASEMPREFENOMENO

Nenhum comentário:

Postar um comentário