quinta-feira, 27 de março de 2014

Cave de Pedra Winery: Volta ao passado!


Passada a hora do almoço, saímos de Faria Lemos e pegamos a estrada de volta ao Vale dos Vinhedos, prontos para nossa próxima parada. Embora ainda não estivesse com 100% de certeza de qual seria a próxima visita a ser feita, ao passar na porta da Cave de Pedra Winery não tinha mais dúvidas: seria lá. Confesso que a visita à vinícola estava na minha lista de afazeres, mas não sabia em que momento isso aconteceria.


A Cave de Pedra Winery é toda construída em pedra basalto (rocha matriz da região do Vale dos Vinhedos), com arquitetura que lembra os castelos medievais, daí o nome da vinícola e o título do post. E foi construída assim pois os proprietários, além do gosto pessoal pela época e por tal arquitetura, pensaram também em uma maneira ecológica e mais barata para favorecer a manutenção de temperaturas amenas, necessárias para o amadurecimento e envelhecimento dos vinhos. A vinícola tem produção limitada de vinhos e espumantes, mantendo assim a tipicidade do terroir do Vale dos Vinhedos. Sua especialidade é a elaboração de espumantes pelo processo tradicional (segunda fermentação em garrafa). Possuí diversas linhas e estilos de vinificação, produção esta que está contida em cerca 45.000 garrafas anuais, que ainda pode variar de safra para safra, dependendo da qualidade das uvas. Tem como principal meio de vendas o varejo da própria vinícola. Conta ainda com um vinhedo "didático" na entrada da sede da vinícola para fins de visitação e degustação de uvas diretamente do pé (uma deliciosa brincadeira, diga-se de passagem), além de espaços que podem ser utilizados para eventos e degustações para grupos de até 300 pessoas, senão me engano.


Caminhar pelo interior das construções da vinícola é literalmente se transportar para uma época em que tínhamos homens sobre cavalos empunhando espadas, disputas por princesas, moedas de ouro como dinheiro vigente e por ai vai. A medida que passamos para os locais mais internos, a temperatura realmente cai de maneira rápida. Caves de envelhecimento, racks para remuage, tudo isso está presente no interior do "castelo". Depois desta viagem no tempo, era hora de fazermos o que de melhor fizemos em todas as visitas, degustar. Como existiam diversas linhas de vinhos, focarei em dois que foram nossos preferidos, como já de costume por aqui no blog. Vamos a eles.


O primeiro deles, um vinho espumante, é o Cave de Pedra Extra Brut. O vinho em questão é um espumante "blanc de noir", ou seja, um espumante feito com uvas tintas (no caso a Pinot Noir) só que vinificada em base para espumante branca (deixando o contato do mosto com as cascas e substâncias coloríficas o menor possível). As uvas para o espumante são todas de vinhedos próprios localizados no Vale dos Vinhedos. Como dito anteriormente, o espumante é feito pelo método Champenoise. De coloração amarelo dourada, tem uma perlage fina, persistente e elegante. Aromas de frutos secos, panificação e toque de nozes ao final. Bom corpo e bastante cremosidade. Acidez pronunciada. Retrogosto confirmando o olfato num final de longa duração. Belo espumante sem dúvidas.


Por fim, o segundo vinho destacado aqui é o Adaga Marselan. Feito a partir desta casta italiana, este vinho é um deleite. Boa estrutura, acidez, taninos e corpo em harmonia. Cor violácea de média intensidade com ótimo brilho, lágrimas finas, rápidas e ligeiramente coloridas. Aromas de frutas, pimenta e toques terrosos. Na boca bom corpo, boa acidez, taninos macios e prontos pra ser consumido. Final de longa duração. Me pareceu um vinho bem gastronômico. Interessante e com uma casta não muito comum por aqui.

E chegávamos ao fim de mais uma visita incrível. Um lugar fantástico esse tal de Vale dos Vinhedos não? Difícil não se encantar. Mas o mais difícil era se despedir, algo que já começávamos a pensar. 

Até o próximo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário