segunda-feira, 22 de junho de 2009

O fim da empáfia tricolor?!


Nos últimos anos, quando se falava em futebol brasileiro organizado, competente e planejado logo vinha a imagem do time do São Paulo Futebol Clube. Afinal de contas, era o atual tri-campeão brasileiro (2006-07-08), em 2005 havia ainda conquistado o tri da libertadores e o tri mundial, ou seja, vinha colecionando títulos expressivos ao longo destes anos. Muitos diziam que era exemplo de planejamento, organizado financeiramente, tinham o melhor técnico e elenco do Brasil e por ai afora. E não é que de repente tudo mudou?!

Após mais uma eliminação da libertadores da América, contra times brasileiros, a alta cúpula tricolor resolveu apontar culpados e escolheu o então técnico Muricy como bode espiatório e o demitiu numa reunião que não durou mais de dez minutos na calada da noite, mais precisamente de uma sexta feira a noite. E como por milagre já tinham anunciado o novo técnico na manhã seguinte. Para onde haviam ido o tal falado planejamento tricolor? Não era o melhor técnico do Brasil no momento? E o plantel, não era de longe o melhor e mais equilibrado entre as equipes brasileiras. Não é bem assim que as coisas funcionavam pelos lados da casa rosada do Morumbi. As conquistas conseguidas muitas vezes com escandalosos auxílios de arbitragem em muito amoitaram os problemas que o clube vinha colecionando ao longo deste período.

É público e notório que o São Paulo colecionou inimigos ao longo deste período quando se trata de negociações nebulosas com jogadores, uma vez que o clube sempre alardeou aos ventos que nunca gastava um centavo por suas contratações, coisa que não corresponde a realidade, pois em muitos casos disputou jogadores com outros clubes e ofereceu vantagens e compensações financeiras a estes jogadores além de colecionar diversas acusações de assédio e aliciação de jogadores que ainda tinha vínculo contratual com outros clubes.

A diretoria são paulina é conhecida ainda por sua soberba e neste ano colecionou desafetos com os clubes grandes paulistas com a mudança nos critérios de divisão de ingressos entre as torcidas, acordada a longa data entre eles, para os clássicas paulistas no Morumbi. Como consequência, viu seu estádio ficar as moscas e sem apoio político-esportivo as vésperas da escolha das sedes para a Copa de 2014 no Brasil e começou a pesar no bolso tal escolha, com prejuízos pelo pouco uso do mesmo.

No campo esportivo propriamente dito, de elenco mais forte do Brasil a time considerado mediano pela crônica esportiva foi um pulo. Com os seguidos insucessos no ano vigente com as eliminações no Campeonato Paulista e Libertadores e má campanha no início do Brasileirão, viu sua principal opção de fazer caixa, a venda de ao menos um jogador ao exterior, ir por água abaixo tomando-se como exemplo a queda brusca de rendimento da maior aposta tricolor para a janela européia de transferências de agosto: Hernanes. Ainda neste campo, Muricy até então considerado um dos melhores, se não o melhor, técnico brasileiro de futebol colecionou encrencas com os jogadores que vinham discutindo sua autoridade e desaprovando publicamente substituições e opções táticas do então técnico tricolor. Soma-se a isso a aposta em um técnico substituto que estava a 4 anos fora do futebol brasileiro e que assumiu publicamente ter assistido a apenas uma partida do time este ano e cujo principal título em sua carreira como treinador uma Copa da França com o PSG.

Existem ainda agravantes como o presidente aumentando ilegalmente seu mandato via alteração no estatuto do clube sem a devida votação, boatos não confirmados de racha no elenco, lista de dispensas, de ao menos dois meses de salários atrasados no clube e muitos outros. Seria então hora do time do Jardim Leonor repensar suas atitudes e palavras e começar a assumir que não é diferente dos demais clubes brasileiros, que sofre dos mesmos problemas que o futebol brasileiro possui. E a imprensa dita imparcial, que sempre elevou o SPFC ao todo do pedestal, quais desculpas irá usar agora? Sinal dos tempos...

Um comentário:

  1. Luiz F. G. Beltrami22 de junho de 2009 14:29

    O que os são-paulinos devem entender é que não dá para ficar por cima sempre e uma hora ou outra, alguma mudança teria que ocorrer e para isso, é preciso saber perder. Mas o que importa é que o todo poderoso timõa voltou.

    ResponderExcluir