sexta-feira, 4 de maio de 2012

Chile: Visita a Vinícola Concha Y Toro

Eu sei que a primeira coisa que virá a sua cabeça, caro leitor, é que esta é uma visita mais comercial e turística do que qualquer outra coisa, e eu vou concordar com você. Só que pelo fato de você estar a primeira vez no Chile, visitando vinícolas e num domingo, você não terá muita opção e a visita parecerá algo inevitável. Confesso também que não fui com muita expectativa, esperando algo deveras mecânico e pouco simpático àqueles que buscam algo mais em uma visita direta a fonte produtora do vinho. E devo dizer a vocês que estava um pouco errado. Vale lembrar que é bom reservar sua visita com antecedência, pois a procura é muito grande e você pode ser surpreendido, caso vá direto a vinícola.

Chegar a vinícola saindo de Santiago é muito fácil e em determinado momento o caminho se torna muito bem sinalizado, além do que a região tem ruas e avenidas que remetem a vinícola e a sua família fundadora. Já na entrada da vinícola você apresenta sua reserva e em determinados casos, pode ainda optar pelo tour tradicional ou pelo tour Marques da Casa Concha, que conta com uma degustação dos vinhos desta linha ao final, e seleciona a linguagem a qual quer ouvir o tour: espanhol ou inglês. Optamos então pelo tour Marques da Casa Concha, em inglês e mesmo atrasados em 5 minutinhos, não perdemos muito.










O tour se inicia pelos jardins, bosque e os entornos da residência de verão da família Concha, onde nos é passado um pouco da história dos fundadores e de como se deu o início de uma das maiores companhias vinícolas do mundo. Feito isso passamos aos vinhedos da onde saem os vinhos das linhas de entrada da companhia, os Casillero Del Diablo e de onde temos uma bela vista do Vale do Maipo e da Cordilheira dos Andes, mais ao fundo (segundo a guia temos quase que todas as variedades de uvas plantadas aqui). Como ainda existiam uvas que ainda não haviam sido colhidas, nós visitantes fomos convidados então a escolher o varietal que quiséssemos e a provar as uvas diretamente dos pés. Sonho realizado. De lá fomos guiados então a primeira degustação do dia, um Casilleiro Del Diablo Chardonnay 2011, fresco, jovem, aromas de mel, abacaxi e maçã verde. Muita jovialidade e acidez para um vinho recém liberado ao mercado e que somente 35% do vinho passa por barricas, entre 6 e 8 meses. 



É aqui então que o tour tem seu lado mais "sombrio": fomos levados a conhecer as adegas onde os vinhos são envelhecidos nas barricas de carvalho e a famosa adega do Casillero Del Diablo, onde o próprio capeta vem para nos contar a origem da lenda, que segundo ele, fora criada para afugentar quem quisesse roubar o vinho de Dom Melchor. Passado este momento "assustador" somos guiados para a última degustação do tour comum com um Trio,  blend de 70% Merlot, 15% Carmenere e 15% Cabernet Sauvignon. Um vinho mais complexo, frutas vermelhas e escuras, especiarias mas com uma ponta de álcool sobrando. De qualquer forma, um vinho honesto e bom para sua faixa de mercado já sendo inclusive comentado pelo blog (relembrem aqui).


Finalizando a visita, somos acompanhados por uma sommeliére da empresa para a degustação de alguns varietais da linha Marques da Casa Concha: Chardonnay, Carmenére, Syrah e Cabernet Sauvignon  (embora tenha me esquecido de anotar as safras) acompanhados de queijos, pães e torradas para brincadeiras de harmonização. Todos vinhos muito bons, denotam qualidade superior aos demais e bem característicos. O que mais me agradou no final foi o Syrah, cor de tinta quase preto, encorpado, toques de defumado, carne e frutas escuras com boa acidez e taninos bem domados em contrapartida a sua jovialidade. Mas eu recomendo todos os vinhos provados!


E assim terminávamos nossa primeira visita a uma vinícola em terras chilenas. Mas havia muito mais por vir: fizemos uma parada estratégica para um almoço no restaurante/wine bar da Concha Y Toro, que será alvo de um post mais pra frente aqui no blog.

Até lá!

2 comentários:

  1. Estou programando para Agosto a minha viagem e por mais que conheça os vinhos deles também acho inevitável essa visita!

    Bom saber que te agradou e fico ansioso pelo novo post do restaurante. Se não for incômodo, seria possível comentar sobre os valores? Se quiser pode me mandar no e-mail.

    Grato.

    Raphael Baruki.
    http://enoffillo.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Baruki,

      Obrigado pela visita. Realmente o passeio na Concha Y Toro vale a pena e apesar de não me lembrar muito bem os valores, posso dizer que o Tour Marques da Casa Concha tem um bom custo benefício e que os vinhos de todas as linhas até o EPU (minha opinião) valem a pena. Só não sei se compraria Don Melchor e Almaviva pois já comprei o primeiro com valores menores nos EUA, por exemplo.

      Logo escrevo sobre o almoço.

      Abraços!

      Excluir