quarta-feira, 16 de maio de 2012

Chile: Visita a Vinícola Haras de Pirque

Já entrávamos na fria tarde chilena, e o tempo novamente se tomava de tons acinzentados, talvez compartilhando da tristeza que começava a abater nossos corações com a proximidade do fim do dia tão gostoso que vinhamos tendo e também com o final da viagem, que se aproximava. Foi quando chegamos, mais uma vez atrasados, a Vinícola Haras de Pirque. Ao que tudo indica, nossa escala não havia sido tão bem planejada quanto pensávamos. No final, no entanto, veríamos que tudo daria certo.


Como chegamos fora do horário previsto, fomos direcionados diretamente a sala de degustação dos vinhos, onde nos seriam apresentados 4 vinhos mais alguns petiscos como frutas secas, bolachas e torradinhas. A sala de degustação por si só já é um show a parte, circular, se encontra bem no centro da cave onde os vinhos são envelhecidos. Toda de vidro, da a sensação de que estamos sempre sendo observados. Antes de falar sobre os vinhos, vale dizer que a vinícola tem 3 linhas distintas de vinhos, como segue: Equus (linhas de entrada), Haras Character (vinhos de média gama), Haras Elegance e Albis (vinhos de topo de gama). Pois bem, a degustação começou com o Equus Sauvignon Blanc, um típico exemplar da cepa com aromas de frutas cítricas e maracujá maduro e grama cortada, corpo médio, excelente acidez, enfim, um excelente vinho; passamos ao Haras Character Cabernet Sauvignon/Carmenére, um blend de uvas típicas do Chile onde pudemos sentir frutas negras, especiarias (pimentas em geral) num vinho musculoso, encorpado mas com taninos redondos e prontos pro consumo; o grande personagem da degustação o Haras Elegance Cabernet Sauvignon, como o próprio nome já diz, um vinho que consegue aliar os "músculos" (característica da vinícola) com a elegância de um vinho polido e pronto, com também notas de frutos escuros e muita pimenta, o vinho apresenta ainda notas terrosas e muito corpo aliados a taninos macios, redondos e num final deliciosamente longo.


Terminada a degustação, conversamos um pouco com a menina que nos auxiliou e ela gentilmente disse que se quiséssemos, poderíamos então finalmente fazer o tour pela vinícola e conhecermos um pouco do trabalho deles. Não exitamos e prontamente aceitamos o convite. 

Mesa vibratória para seleção manual de uvas
É interessante ver como a vinícola nasce da união de duas paixões de seus donos: cavalos e vinhos. Tanto é que desde o nome da vinícola, tudo relacionado a ela faz a correlação entre ambos. Vejam por exemplo o formato único do prédio da vinícola: é uma enorme ferradura, e cada etapa da produção do vinho vai passando ali de uma ponta a outra. Existe também o uso de modernas tecnologias, seja na separação das uvas em mesas vibratórias até o emprego da gravidade no transporte do vinho durante as etapas de produção e modernos tanques de aço inoxidável para fermentação e guarda do vinho produzido. Se bem entendi, são 600 hectares de vinhedos entre Syrah, Cabernet Sauvignon, Carmenére, Chardonnay, Sauvignon Blanc, etc, bem distribuidos aos pés da Cordilheira dos Andes. Há ainda a possibilidade de visita ao haras com direito a passeio de cavalo, algo que pelo tempo escasso não pudemos fazer.


Nos despedimos então fazendo a famosa visita a lojinha da vinícola já com o dia começando a se esvair para dar lugar a um belo anoitecer com a certeza de que havíamos cumprido nossas metas da viagem. Aliás, recomendo cada visita destas que fizemos. E que venham as próximas viagens!

"Planta" da vinícola, retirada do próprio site da mesma

Até o próximo!

Um comentário:

  1. Caro Victor, boa tarde!

    Estamos de viagem marcada para o Chile e a vinícola Haras é parte deste passeio.

    É necessário agendar, se possitivo tem o contato ou a forma de fazê-lo?

    Existe algum custo para a visita?

    Vc indica alguma empresa de turusmo que possa fazer o trajeto entre Santiago e o Vale.

    Agradeço seu retorno,

    Atenciosamente,

    Francisco Moreno
    frmoreno@terra.com.br

    ResponderExcluir