segunda-feira, 27 de maio de 2013

Chianti Leonardo 2010

Em mais uma orgia enogastronômica de finais de semana, resolvemos almoçar em uma cantina que já estamos acostumados e gostamos muito, principalmente pelo preço justo pago pelas refeições. Ainda sob o efeito "Itália" em minha cabeça, resolvi arriscar em mais um vinho italiano, afinal harmonizações regionais são sempre muito bacanas e normalmente tiro e queda. Vamos ver qual o resultado no post de hoje?


A Cantina Leonardo da Vinci (produtora do vinho em questão) é uma espécie de cooperativa, que nasceu da união de cerca de 30 fazendeiros que tomaram esta decisão buscando enfrentar de forma mais racional e conjunta os problemas que passavam nos anos 60. A partir daí o que se viu foi o crescimento da cooperativa e a busca pela qualidade e foco em vinhos de mais alta gama. A cooperativa possui diversos vinhedos na região da Toscana sendo que a sede operacional da mesma se encontra nos arredores de Vinci, onde o famoso inventor italiano Leonardo da Vinci nasceu (dai o nome em sua homenagem). Sobre o vinho, um corte de 85% de Sangiovese seguido por 10% de Merlot e o restante de outras uvas tintas não descritas pelo produtor. Não passa por madeira, segundo ficha técnica, envelhecendo apenas em tanques com temperatura controlada até março/abril do ano seguinte a colheita. Vamos as impressões.

Na taça uma bonita cor rubi violácea de média intensidade, com bom brilho e alguma transparência. Lágrimas finas, rápidas e levemente coloridas compunham também o aspecto visual. 

No nariz aromas de frutas vermelhas, notadamente cerejas e toques de especiarias, bem discretos e leves.

E o vinho vinha bem, até que na boca, a surpresa. Taninos macios e finos: confirma. Corpo de leve para médio: confirma. Mas e a acidez? Cade a acidez? Praticamente inexistente. Uma das características mais marcantes do vinhos de Chianti simplesmente estava muito abaixo do esperado. Não sei se em função da garrafa, safra, armazenamento, enfim, confesso que me decepcionei um pouco. Retrogosto essencialmente frutado, num final de média duração.

Não foi o esperado, não agradou muito nem a mim nem a minha esposa mas pretendo revisitá-lo para tirar a prova. Ainda acho que havia algo de errado com a garrafa, mas como não consegui assertivamente chegar a uma conclusão, fiquei por isso mesmo desta vez.

Até o próximo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário