quarta-feira, 4 de junho de 2014

Sottobosco Rosso di San Gimignano 2007: Vinho Italiano com saudades


É com lágrimas nos olhos e muito sentimento bom de saudades no peito que começo a escrever este post. Explico: este vinho veio na bagagem de minha viagem de lua de mel à Itália, e mais do que isso, é produzido na vinícola na qual celebrei meu casamento em plena Toscana. O Sottobosco Rosso di San Gimignano 2007 só me trás boas recordações e achei que era hora de tira-lo da adega e curtir uma noite com minha esposa e um bom fondue de carne ao vinho, afinal todo dia é dia de celebrar a vida.


Este vinho, conforme comentado acima, é produzido pela gigante italiana Tenute Niccolai em seu braço situado em San Gimignano, na Toscana, a Il Palagetto. A Tenute Niccolai tem seus vinhedos espalhados por diversas regiões da Itália. Falando especificamente deste vinho e da região em que foi produzido, dizem por lá que a Il Palagetto é o "coração" da Tenute Niccolai, também do ponto de vista emocional, sendo a primeira empresa adquirida pelo Comandante Luano Niccolai, fundador da empresa. Em torno da adega moderna, o potencial de produção de 5.000 hectolitros, um moinho e nada menos que 44 hectares de vinhedos plantados com Grenache, Chardonnay, Sauvignon Blanc, Vermentino, Sangiovese, Cabernet Sauvignon, Merlot e Syrah. San Gimignano é conhecida há séculos por seus vinhos brancos, mas sua vocação para os tintos pode ter ligação com sua localização, por estar no coração da Toscana. O "Sottobosco" é a expressão típica: ricos aromas inconfundíveis que só podem vir de sua origem toscana, mas ao mesmo tempo tão peculiar que pode ser ligado apenas a esta área.


Falando um pouco do vinho propriamente dito, o Sottobosco Rosso di San Gimignano, é um corte das uvas Sangiovese, Cabernet Sauvignon e Syrah de vinhas com idade média de 15 anos. Depois do processo de fermentação, passa por 16 meses em barricas de carvalho para afinamento/amadurecimento. Por fim ainda passa um ano em garrafa antes de ser liberado ao mercado. Atinge 14% de graduação alcoólica. Vamos às impressões? 

Na taça o vinho apresentou coloração rubi violácea com reflexos granada e algum brilho. Lágrimas finas, rápidas, em abundância e coloridas complementavam o aspecto visual.

No nariz o vinho se mostrou muito aromático, com frutos vermelhos em primeiro plano, toque de pimenta, animal e algo terroso além de uma leve lembrança de coco.

Na boca o vinho se mostrou muito equilibrado, com taninos macios e redondos, acidez gulosa e bem presente e bem encorpado. Retrogosto confirma o olfato. Final de longa e deliciosa duração.

Um grande vinho sem dúvidas, que trás algumas das melhores lembranças de minha vida. Só confirmou tudo que eu já pensava sobre ele e sobre a vinícola. Eu mais do que recomendo.

Até o próximo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário