quinta-feira, 9 de julho de 2015

Familia Cassone Obra Prima Corte Reserva 2013: Provado e aprovado!

Depois de ter divulgado o lançamento deste vinho no mercado brasileiro (aqui), consegui finalmente prova-lo e trago aqui minhas impressões a respeito. E confesso que, valeu a espera para a prova, pois mais uma vez o vinho não decepcionou. Mas eu nem duvidava do vinho, afinal o amor e dedicação com que a Familia Cassone trabalha, só gera frutos positivos.


A Bodega Familia Cassone foi criada em 1998 por seu patriarca, Eduardo Cassone, sua esposa mais seus três filhos. E esta veia pelo negócio vitivinícola se deu em Eduardo em consequência do empreendedorismo de seu pai, que começou a elaborar vinhos ainda em meados dos anos 50. E grande parte desta tradição veio ainda de seus antepassados, que chegaram na Argentina em meados do século XIX, vindos do Piemonte e arredores (Itália). Todos estes fatores em conjunto somados ainda a muito trabalho e dedicação colocaram esta bodega familiar no hall das mais importantes da Argentina. A Bodega Familia Cassone esta localizada no departamento de Luján de Cuyo e segue os padrões da região, sem deixar de lado entretanto os cuidados com o meio ambiente.
 
O Obra Prima Corte Reserva foi elaborado com por 65 % de Malbec proveniente de vinhedos próprios de 103 anos, 20% de Cabernet Sauvignon de vinhedos de 85 anos, 15% de Cabernet Franc de vinhedos jovens. Passa ainda por 13 meses de envelhecimento em barricas novas de carvalho francês. Vamos as impressões?

Na taça o vinho apresentou uma coloração violácea de grande intensidade, bom brilho e limpidez. Lágrimas finas, lentas, em grande quantidade e coloridas também se faziam notar.

No nariz o vinho apresentou aromas de frutos vermelhos e escuros, especiarias, toques florais, animais e de chocolate.

Na boca o vinho se mostrou encorpado, de acidez perfeita e taninos quase mastigáveis. O retrogosto confirmou o olfato e o final era de longa duração.

E a expectativa se confirmou! Um baita vinho argentino sem dúvidas. Macio, redondo e pronto, sem se tornar cansativo ou pesado. E é claro que, para a brincadeira ficar completa, fizemos uma comidinha mais bacana, um belo medalhão de filé mignon com batatas rústicas. E o casamento foi muito bom, ambos o vinho e o prato se deram bem, sem competições. Eu recomendo.

Até o próximo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário