segunda-feira, 6 de junho de 2016

Finca Las Moras Black Label Cabernet - Cabernet 2012 para a #CBE

Chegamos ao dia da #CBE - Confraria Brasileira de Enoblogs aqui no Balaio, com certo atraso é verdade, mas com a sensação de missão cumprida. O tema do mês foi passado pelo confrade Deco Rossi, que foi: "vinho de corte, com 50% ou mais de cabernet franc". O tema foi desafiador e demorei mais do que o esperado para encontrar um vinho que se encaixasse no perfil, mas acho que consegui. Aqui no Balaio fomos de Finca Las Moras Black Label Cabernet - Cabernet 2012. Vamos ver o que descobrimos sobre a vinícola e sobre o vinho?


Criada em 1992 como uma vinícola experimental, a Finca Las Moras, após anos de estudos e experimentos, se transformou no primeiro produtor de vinhos de alta qualidade da região de San Juan, localizado ao norte de Mendoza, na Argentina. Seu nome provém de árvores que produzem um fruto chamado "mora" e que cercam a região da vinícola. Liderados pelo enólogo Eduardo Casademont e com uma proposta inovadora de redescobrir essa região, essa vinícola premiada como a melhor da Argentina em 2013 pela IWSC (International Wine & Spirit Competition), tem como objetivo produzir vinhos de qualidade e estilo internacional respeitando a natureza e aplicando práticas sustentáveis.


Falando agora sobre o Finca Las Moras Black Label Cabernet - Cabernet 2012, podemos acrescentar a nossa discussão que é um vinho feito com 50% Cabernet Franc (vinhas de 40 anos) e 50% Cabernet Sauvignon (vinhas 20 anos) oriundas das regiões do Vale de Pedernal (1.350 m.s.n.m.) e do Vale de Tulum (650 m.s.n.m.), ambos em San Juan, na Argentina. O vinho passa ainda por 15 meses em barricas novas de carvalho francês para afinamento. Vamos então as impressões?

Na taça o vinho apresentou coloração rubi violácea de grande intensidade com bom brilho e boa limpidez. Lágrimas ligeiramente mais lentas e gordinhas, além de coloridas, também se faziam notar,

No nariz o vinho apresentou aromas de frutos vermelhos e negros, especiarias, eucalipto, mentolado, baunilha e côco. 

Na boca o vinho se mostrou encorpado com boa acidez, taninos finos e macios. O retrogosto confirma o olfato e o final era longo.


Mais um bom vinho argentino degustado por aqui, cumprindo a missão da #CBE. Para acompanhar resolvemos fazer um jantarzinho especial e fomos de picanha assada e risoto de queijo brie com crispies de alho poró. O casamento ficou muito bom, o vinho suportou bem todos os temperos da carne (marinada em vinho tinto com chimichurri e algumas especiarias) e a cremosidade e força do risoto de brie. Eu recomendo a prova.

Até o próximo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário