quarta-feira, 11 de março de 2009

A Copa dos Campeões da UEFA e a hegemonia inglesa.

Hoje tivemos o fim da rodada de oitavas de final da Copa dos Campeões da UEFA e também a confirmação de uma tendência que vinha se desenhando desde o ano passado: a supremacia dos times ingleses no futebol mundial da atualidade. Avançam para a fase de quartas de final os times do Liverpool, Chelsea, Manchester United e Arsenal, ou seja, 50% dos times da próxima fase são ingleses e a chance de repertimos uma final inglesa como na temporada passada passa a aumentar de probabilidade.

O acontecido nesta rodada da Copa dos Campeões vem de encontro ao que foi dito pelo presidente da FIFA, Joseph Blatter, em entrevista à rede BBC: "Estou preocupado porque o Campeonato Inglês é o melhor campeonato do mundo, num nível em que nenhum outro consegue rivalizar”;e ainda: “Alguma coisa vai mal em Inglaterra. Não há competição dentro do torneio, porque são sempre as mesmas equipas os campeões. O restante dos clubes luta apenas para não ser rebaixado, não joga para ganhar troféus." Mas como explicar tamanho sucesso?
Primeiramente, temos que ter em mente que estamos falando de campeonatos europeus, países desenvolvidos economica e socialmente falando, com grande poder aquisitivo e de nível cultural a anos luz de distância do nosso, país dito emergente.

Posto isso, vale também ressaltar que os clubes ingleses tiveram a ousadia e coragem de peitar a estrutura viciada e corrupta que reinava em seus campeonatos e federações até o ano de 1992, quando houve o rompimento deles com estas federações.
No mesmo período também, um grande trabalho das autoridades inglesas fez com que a violência nos estádios de futebol fosse banida em conjunto com os famosos “hooligans”. As políticas públicas foram de punições severas a leis específicas para tais casos, fazendo com que seja possível ir ao estádio com sua família e se divertir.

Depois, a presença de ricos investidores vindo de países do leste europeu e do oriente médio fez com que fossem montados verdadeiros esquadrões de jogadores, a grande maioria representante de suas seleções nacionais. Podemos citar vários exemplos de jogadores africanos, sul americanos e mesmo europeus que se juntaram aos clubes ingleses com propostas irrecusáveis de fazer seus pés-de-meia.

Ainda, existe uma coisa rara no futebol nos dias de hoje, que é a continuidade dos trabalhos dos técnicos por diversas temporadas (com raras exceções é verdade, como o caso do brasileiro Felipão e a equipe do Chelsea). Estes costumam ficar por anos nos clubes e conseguem criar verdadeiras famílias por onde trabalham e conseguem fazer os jogadores assimilarem suas filosofias de trabalho.

Diante de tais fatos, o que deve ser feito pelos outros países, europeus ou não, para que o futebol em seus países possam rivalizar o mínimo que seja com os clubes ingleses? Poderia se começar imitando grande parte das iniciativas tomadas pelo futebol inglês com relação ao relacionamento dos clubes com as federações locais e o combate a violência nos estádios, sendo este, a meu ver, o pontapé inicial para qualquer país fazer um futebol sério e rentável para os clubes, federações, público em geral e todos envolvidos.

E você, o que acha?

Nenhum comentário:

Postar um comentário