segunda-feira, 20 de julho de 2009

Mais do mesmo

O futebol brasileiro seria triste, se não fosse cômico. A dança das cadeiras que existe no cargo de técnico de futebol nos chamados times grandes da maioria dos estados brasileiros beira o ridículo. Time A dirigido por fulano perde 3 jogos seguidos e manda fulano embora. Cicrano já vinha mal das pernas no time B e eis que a mágica é feita: Cicrano vai pro time A e fulano assume o time B. Eu me pergunto: se fulano não servia para o time A, pq serviria para o time B? E vice versa.

Conjecturas a parte, tivemos mais um episódio da série mais do que mesmo , desta vez no futebol paulista: Vanderlei Luxemburgo, que havia sido demitido a pouco mais de 3 semanas do comando do Palmeiras, assina nesta segunda feira com o Santos que a pouco mais de 2 semanas demitiu o então treinador Vagner Mancini.

Será então a quarta passagem de Vanderlei pelo time da Vila Belmiro, que neste final de semana sofreu mais uma derrota na campeonato, e vem enfrentando uma crise e grandes pressões sobre o elenco e diretoria. O treinador possui uma certa identificação com o clube praieiro uma vez que, em suas passagens anteriores colecionou alguns títulos: Rio-São Paulo de 1997, Campeonato Brasileiro de 2004 e o bicampeonato paulista de 2006 e 2007.

No entanto, o treinador colecionou desafetos e crises nos últimos clubes que passou (vide o próprio Santos e o Palmeiras, por exemplo). Acusado em grande parte por se preocupar com assuntos extra campo, o técnico vê no Santos a possibilidade de redenção: o time vai mal da pernas, inevitavelmente passará por uma reformulação no elenco e, segundo dizem por ai, o treinador trará também ao clube praieiro uma parceria para a obtenção de reforços. Ou seja, não existe maneira de piorar a situação pré existente e Vanderlei pode ser coroado caso faça o time jogar um pouco de futebol e subir na tabela, nada muito difícil, convenhamos.

Realmente muito me espanta a aposta em um técnico que, apesar de entender muito bem do riscado, não tem obitido resultados convincentes e expressivos no futebol nos últimos anos, e mais, tem deixado os times por onde passa normalmente terra de ninguém. Além disso, é um ténico caro e que quer, além de mandar no time dentro das 4 linhas, poder para fazer e desfazer no time como uma espécie de manager, se envolvendo em negociacões e tudo mais. Entendo que a fase de Vanderlei ja passou e que a aposta da diretoria em não tirar alguns laranjas podres de seu elenco (sim, estou falando de Fábio Costa) pode custar caro no final, mas como diriam os pensadores do mundo esportivo: O futebol é uma caixinha de supresas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário