sexta-feira, 27 de setembro de 2013

A difícil relação entre o consumidor brasileiro e o vinho nacional

Ultimamente tenho visto muita coisa sendo publicada em mídia especializada, blogs e outros, sobre os vinhos nacionais e o "sucesso" que os mesmos vem obtendo em premiações mundo a fora e sendo muito citados por críticos de renome fora do país. Eu, como consumidor costumeiro de vinhos (sejam estes nacionais ou não) venho aqui dar meu pitaco sobre o assunto. Veja, jamais fui contra o consumo do vinho nacional. Só ainda os acho fora de prumo com relação aos preços praticados no mercado interno. Além é claro de constatar a falta de uma política de popularização e acesso ao vinho e sua mídia, fracos a meu ver.


O primeiro ponto que eu questiono e a quantidade de premiações que existem mundo a fora durante o ano todo, as vezes repetitivamente no mesmo local. É evidente que hora ou outra um vinho nacional abocanhará um premio, dentre tantos distribuídos. Além disso, é preciso também verificar quem julga os vinhos em cada evento, a lisura de todo o processo, quem esta efetivamente participando do concurso e assim por diante. Não estou acusando nada nem ninguém, só quero iniciar um questionamento e reflexão sobre o assunto.

Depois, por que o foco somente no mercado de exportação sendo que o mercado interno nacional é enorme e pouco explorado? E falo por experiência própria. Explico, vivo em São Paulo, maior centro do Brasil e onde todo e qualquer produto é facilmente encontrado, não é mesmo? Em se tratando de vinhos nacionais, uma meia verdade. Pois até aqui é um pouco mais difícil encontrar determinados vinhos nacionais em restaurante ou redes maiores de supermercados, por exemplo. 

Uma coisa que me preocupa em demasia é: por que o vinho nacional é tão caro no mercado interno? Veja, impostos os vinhos importados também o pagam, em seu país de origem e aqui também. Sei que existem também muitos outros custos envolvidos em todo o processo, mas pagar o preço de determinados vinhos nacionais no mercado interno chega a parecer roubo. Além disso, em outros países, vinho é tratado como alimento, aqui como bebida alcoólica. Tendo esta distorção enraizada no nosso mercado faz com que o vinho encareça enquanto produto, tornando o acesso ainda mais difícil.

Ainda lendo as respectivas publicações que "divulgam" o vinho nacional, me parece que mais do que dizer sobre qualidade, o produto brasileiro ainda é tratado com espanto e novidade, como se dissessem ser praticamente impossível que o nosso país produza algo com o mínimo de qualidade. Mesmo por que quando vemos algum vinho nacional exposto fora do país (tive algumas oportunidades de vê-los), o mesmo fica mofando na prateleira pois as pessoas nem olhar para os mesmos olham. 

E por ultimo um dos pontos que considero o pior de todos: o preconceito enraizado no próprio brasileiro com relação ao vinho feito por aqui. Quando existe equiparação de preço e qualidade de um vinho nacional x vinho importado, o próprio consumidor procura o importado pois cria status, elitiza. 

Enfim, eu sempre que posso e vejo um vinho nacional a preço justo, não exito e consumo. Alguns de meus preferidos por exemplo são o Tannat da Casa Venturini e o Pequenas Partilhas Cabernet Franc, da Aurora. Ambos imbatíveis em sua faixa de preços (faixa dos 40 paus, salvo ledo engano). Mas e você, prezado leitor, o que acha a respeito do assunto?

Até o próximo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário