sexta-feira, 6 de setembro de 2013

O consumo moderado de vinho pode prevenir a depressão?

Em mais um novo estudo referente a saúde e o consumo de vinho, foi constatado que o consumo moderado de álcool (vinho de preferência) pode reduzir a incidência de doenças mentais nos indivíduos, tais como a depressão. O número de pessoas que consomem álcool está crescendo. A depressão é a perturbação mental mais notória no mundo, com um sensível aumento no número de diagnósticos nos últimos tempos. Mas estariam estes dois números intrinsecamente ligados? Segundo um novo estudo, as pessoas que bebem vinho com moderação podem realmente sofrer menos casos de depressão.

O estudo, realizado por uma equipe dos melhores médicos preventivos e clínicos da Espanha, observa que a presença simultânea de problemas relacionados ao álcool e a depressão é comum. Mas uma pesquisa anterior também desta equipe mostra que os consumidores de vinho tendem a ser mais saudáveis. Os cientistas queriam testar se tais benefícios à saúde podem afetar também o bem-estar mental. Por exemplo, doenças cardiovasculares e a depressão compartilham algumas características fisiológicas, e o vinho é tido como um auxiliar da saúde do coração de forma bem estabelecida.

Para testar suas idéias, a equipe puxou dados de saúde a partir de 5505 homens e mulheres que participaram de um estudo maior chamado PREDIMED, que analisa o impacto da dieta mediterrânea em doenças do coração. Nenhum dos participantes relataram depressão, problemas com álcool ou outras doenças notáveis ​​quando se juntaram ao estudo. Depois de um acompanhamento de sete anos, os pesquisadores notaram quantos indivíduos foram clinicamente diagnosticados com depressão e analisaram seus hábitos de consumo de álcool . Eles descobriram que o consumo moderado de álcool, dentro do intervalo de 5 a 15 gramas por dia, ou cerca de uma porção, está associado com uma possibilidade de 28 por cento inferior de incidência de casos de depressão. E o consumo de vinho na gama de 2 a 7 taças por semana foi associado a uma taxa de 32 por cento inferior de incidência de casos de depressão. Ainda segundo este estudo, o consumo do álcool e do vinho propriamente dito só viria a ajudar pessoas que ainda não se encontram em um estado depressivo, sendo pouco ou nada efetivo no caso de pessoas que já se encontram em depressão. Finalizando ainda este estudo, os médicos responsáveis dizem que os resultados podem ser extrapolados para fora da Espanha.

Nem todos concordam com as conclusões. Em uma revisão dos resultados, um hematologista do Centro Médico da Universidade de Boston, disse que ele não há como traçar um paralelo fisiológico entre doença cardiovascular e depressão em relação ao consumo de álcool. "Beber é muitas vezes um sintoma de depressão, provavelmente uma tentativa de auto-medicação, e desenhar um significado mais profundo a partir da fusão dos dois parece-me insustentável ", disse ele.

Os cientistas espanhóis têm algumas teorias para seus resultados. É possível que as pessoas que bebem vinho desfrutem de uma saúde mental melhor, por razões de estilo de vida não relacionados. Além disso, o resveratrol, composto encontrado comumente no vinho tinto é teorizado por possuir propriedades neuro protetoras. "Neuro proteção aplicada ao hipocampo pode impedir que consumidores moderados de vinho desenvolvam depressão", diz o estudo. Investigações anteriores sugerem que o hipocampo pode desempenhar um papel no desenvolvimento da depressão grave. 

No entanto, o estudo observa que a incidência da depressão pode ser avaliada de forma imprecisa. "Se os consumidores pesados ​​eram menos propensos a procurar cuidados médicos, isso poderia resultar porcentagens subestimadas de depressão entre estes consumidores, por exemplo​​", concluíram os estudos.


Reportagem origialmente publicada em www.winespectator.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário