terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Erasmo 2007: Muita história e falação por trás de um vinho!

Hoje vamos falar de um vinho que teve muito burburinho ao seu redor quando foi eleito pelo Guia Descorchados em sua edição de 2012 como o melhor vinho chileno. Entretanto, não espere encontrar aqui a confirmação ou negação acerca desta afirmação. Eu não acredito nem estou em condições de julgar se um vinho é o melhor do país e ponto. Aqui iremos ver o que encontramos de informações sobre ele e nossas impressões a respeito de sua degustação. Você já deve estar se perguntando qual é o vinho (mentira, você já leu o nome no título). Bom, só pra constar, falaremos hoje do Erasmo 2007.


O vinho é produzido pela Viña La Reserva de Caliboro, localizada em Loncomilla, Vale do Maule, na região central do Chile. A adega de "La Reserva de Caliboro" foi construída no final do século XIX com o objetivo de produzir vinhos para a propriedade Caliboro e foi usada em sua forma original até o final do século XX. Em 2005, após alguns anos de inatividade e do nascimento de "La Reserva de Caliboro", o conde Francesco Marone Cinzano decidiu reconstruir a impressionante estrutura , com um projeto ambicioso. Ele teve como objetivo resgatar um símbolo emblemático do patrimônio rural chileno, a conservação e a restauração do edifício, combinando elementos antigos e modernos. Francesco partiu da Itália em busca de inovação, passou anos estudando novos terroirs e escolheu o Chile como destino.

O nome Erasmo veio como uma homenagem a um dos trabalhadores da propriedade, um homem do campo, que o ajudou na fundação da vinícola e cuja sabedoria sobre o cultivo de uvas no local ajudou a preparar o solo e plantar as videiras que foram especialmente importadas da Europa para esta finalidade. É um corte bordalês, com Cabernet Sauvignon, Merlot e Cabernet Franc (60%, 30% e 10%), com maturação de 18 meses em barricas francesas e 12 em garrafa. Vamos as impressões?

Na taça o vinho mostrou uma coloração violácea intensa, brilhante e sem transparência. Lágrimas finas, espassadas e coloridas compunham também o aspecto visual.

No nariz o vinho mostrou aromas de frutas negras, especiarias, chocolate e notas mentoladas. É um vinho bem perfumado.

Na boca o vinho se mostrou elegante, de corpo médio para encorpado, taninos macios, sedosos e uma boa acidez. Retrogosto confirma o olfato e o final é longo e persistente.

O vinho acompanhou bem carne de cordeiro com aspargos grelhados. É um bom vinho e, pelo preço pago (cerca de 90 reais), valeu o investimento. Tente a prova, eu recomendo.

Até o próximo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário