segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

Morgado da Vila Vinho Verde 2013: Para combater o calor e para a #CBE

E chegamos àquele dia que sempre esperamos com entusiasmo todos os meses, que é o dia do mês quando os membros da #CBE - Confraria Brasileira de Enoblogs - numa gostosa brincadeira, postam todos sobre um mesmo tema, relacionado ao vinho evidentemente. Neste mês o primeiro tema para 2016 foi escolha do confrade Daniel Perches, o pai do Antônio e editor do blog Vinhos de Corte. Ele levou em conta o calor bravo e indicou: "Vinho Verde, de qualquer preço". Por aqui fomos de Morgado da Vila Vinho Verde 2013


O vinho em questão é produzido pela vinícola Quinta da Lixa, que é o testemunho vivo da paixão que a Família Meireles sempre teve pelos Vinhos Verdes. Presente em diversas áreas do mundo empresarial, esta família que já era proprietária de vinhedos localizados ao redor da pequena Vila da Lixa, decide em 1986 criar uma pequena empresa que viria a se tornar naquela que é hoje a Quinta da Lixa - Sociedade Agrícola, Ltda. O vinho produzido era inicialmente vendido a granel mas rapidamente se percebeu que a sua qualidade e aceitação eram tais que o engarrafamento na propriedade era imperativo. Devido ao aumento de produção, torna-se necessário a construção de novas instalações que viessem substituir a primitiva adega onde já não era possível a manutenção do padrão de qualidade que caracterizava os vinhos da Empresa. Em 1999 a Quinta da Lixa compra uma nova propriedade, a Quinta de Sanguinhedo com 30 hectares dos quais 20 vieram a ser ocupados com vinha. Neste momento a Empresa tem um total de 105 hectares de vinha distribuídos pelas seguintes Quintas: Quinta da Lixa, Quinta da Corredoura, Quinta do Souto, Quinta Nova, Quinta de Sanguinhedo e Quinta dos Lagareiros. Com novas vinhas, no início do século, a empresa aposta fortemente na diversificação dos seus vinhos, colocando no mercado vários Vinhos Varietais e Espumantes de Vinho Verde.

Sobre o Morgado da Vila Vinho Verde 2013 pouco podemos acrescentar que não sua composição, sendo este feito com duas uvas tradicionais da região, Loureiro e Trajadura, que não passa por madeira e que em apenas 11,5% de teor alcoólico. Vamos as impressões?

Na taça o vinho apresentou coloração amarelo palha bem clara, tendendo até a uma cor parecida com um prateado e com pequena formação de borbulhas contra as paredes da taça. 

No nariz o vinho apresentou aromas de frutos cítricos em evidência, seguido de aromas de frutos tropicais, flores brancas e um que de ervas aromáticas.

Na boca o vinho tinha corpo de leve para médio e uma excelente acidez. O retrogosto confirma o olfato e o final era de média duração.

O fiel escudeiro do nosso vinho, Ora Pois, não poderia ser outra opção do que o bom e velho bacalhau. Veja bem, só digo que não poderia ser outra opção por que em casa somos completamente fissurados pelo bacalhau. Mas me parece que o vinho vai bem com saladas, pratos bem leves a base de frutos do mar ou mesmo sozinho, numa boa conversa e boa companhia.

Um bom vinho verde degustado por aqui, que após terminar o post, vislumbrei que degustei/postei pouquíssimo sobre estes vinhos por aqui. Falha que pretendo corrigir. Eu recomendo a prova. O Morgado da Vila Vinho Verde 2013 é mais um vinho do clube de vinhos da Winelands, o clube que eu assino e recomendo. E assim concluímos mais uma tarefa para a #CBE - Confraria Brasileira de Enoblogs.

Até o próximo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário