sexta-feira, 22 de julho de 2011

A indústria da rolha corre com programas de pesquisa em busca de alternativas

Em época de muito movimento em torno de processos de produção sustentáveis, de muita preocupação com o meio ambiente em que vivemos, de aplicação de técnicas biológicas/biodinâmicas nas culturas agronômicas, é a vez da indústria da rolha de cortiça tradicional também se movimenta para desenvolver matérias primas alternativas ã cortiça para a criação de maneiras sustentáveis/ambientalmente amigáveis para a vedação de garrafas de vinho e ainda para favorecer o envelhecimento de vinhos de guarda. E Laura Ivill nos brinda com um excelente artigo a respeito desta indústria e o panorama do mercado atual. A matéria foi traduzida e adaptada por mim, caso tenham interesse sugiro ler a coluna original no site da revista.

Como a colheita da cortiça começa na floresta de Montado na região do Alentejo no centro de Portugal, a indústria da cortiça está a emergir de uma década de crises com uma bateria de medidas de investigação destinada a enfrentar os desafios de vedantes alternativos.

A ascensão inexorável de screwcaps e vedantes sintéticos nos últimos dez anos tem sido seguido da crise bancária global e, em Portugal, o colapso da economia.

Várias médias empresas da cortiça faliram, e a indústria tem visto uma boa dose de consolidação. "Mais de cinco dúzias de empresas de cortiça  foram adquiridas ou fecharam nos últimos anos," disse Carlos de Jesus na Associação Portuguesa de Cortiça (Apcor).

"Entre as últimas, a maior empresa a sucumbir foi a Vinocor, com empresas de médio porte tais como a FOC e ACT também passando por processos de falência."

Amorim, o maior produtor de cortiça do país, insiste que teve seu melhor ano em 2010 enquanto Ana Cristina Mesquita, Gerente de R & D  da Cork Supply Portugal, disse que embora tenha havido falências, "estamos crescendo de 20-25%. É uma indústria tradicional, mas podemos inovar em muitas maneiras."

A indústria corticeira portuguesa aumentou as exportações em 8% no ano de 2010 e em 7% no primeiro trimestre de 2011, de Jesus acrescentou, atribuindo este crescimento ao grande investimento em pesquisa e desenvolvimento.

Parte deste processo, Amorim diz, é um objetivo declarado de testes '100% '- isto é, a triagem de cortiça para cada TCA (o composto que produz' sabores rolha ou mofo no vinho).

Amorim desenvolveu uma máquina que eles estão chamando o GC TCA Detector , capaz de analisar as rolhas individuais para TCA. Ele está sendo testado de setembro a dezembro deste ano - os resultados dos ensaios sendo positivos -25 máquinas serão lançadas em todas as suas fábricas de produção.

Outra pesquisa envolve a investigação de produção de rolhas técnicas - aquelas feitas de terra e granulado reconstituído  de cortiça natural - com preços diferentes e examinar se e por que têm vantagens sobre as rolhas vedantes alternativas em termos de permeabilidade.

De Jesus diz que a indústria da cortiça moderna enfrenta desafios sem precedentes e está convencido de que o caminho a seguir é convencer produtores de vinho que a cortiça é confiável.

"Nós nunca vamos voltar aos dias acolhedores da década de 1980", diz de Jesus. "Mas não é uma rolha de plástico rosa que me mantém acordado durante a noite - o que a indústria da cortiça necessita é de uma maior consistência média."

Nenhum comentário:

Postar um comentário