terça-feira, 12 de julho de 2011

Rotulagem: Varietal versus Apelações

Retirado de um artigo retirado da revista Wine Enthusiast, trago uma discussão antiga no mundo do vinho mas que pode ajudar você iniciante a entender um pouco melhor os rótulos de vinhos quando se deparar de frente com as milhares de garrafas presentes em uma estante da sessão de vinhos dos supermercados. Com vocês, o artigo:

Em toda a Europa, os vinhos são classificados por aldeia, vinha e/ou região onde são feitos. Este sistema de denominação é baseada em regiões vinícolas precisamente definidas, algumas tão pequenas quanto um único vinhedo .

Fora da Europa, os nomes de uva (varietal) se tornaram o principal método de rotulagem dos vinhos. A introdução de vinhos varietais na Califórnia, nas décadas seguintes a Lei Seca, foi um grande avanço pois provinha informações específicas aos consumidores sobre a uva ou uvas utilizadas em cada garrafa de vinho. Um "Burgundy Hearty" californiano pode ser feito de qualquer coisa, incluindo as uvas Concord, mas um vinho rotulado como "Pinot Noir" ou "Chardonnay" deve ser composto de pelo menos 75 por cento da uva nomeada. O resto da mistura pode ser qualquer coisa que o produtor escolher.

Hoje, o estilo californiano de rotulagem varietal se tornou tão popular que muitos vinhos europeus estão usando-o também. A maioria dos vinhos para o dia a dia que você vê nas lojas são vinhos varietais. Por isso, é útil aprender a identificar os sabores e aromas geralmente presentes em cada uma das uvas mais utilizadas. Quando você ler que um vinho é "varietal verdadeiro" isso significa que ele mostra os aromas e sabores associados com a uva nomeada.

Claro, a mesma uva cultivada em diferentes lugares irá revelar os lados diferentes de sua personalidade, e enólogos podem realçar os sabores naturais da uva  com leveduras especiais e armazenando-os em barris. Mas cada um das principais uvas mais importantes do mundo tem suas próprias características distintivas do varietal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário