quinta-feira, 14 de julho de 2011

Itália: Fatos e Termos relacionados ao vinho

A pouco tempo atrás eu fiz alguns posts sobre a Nova Zelândia (I e II) e sobre Portugal (I , II ,III e IV) descrevendo um pouco sobre as características do país, principais regiões e assim por diante. Seguindo este modelo, resolvi falar sobre um país que me causa grande adimiração e se tornou quase que um "sonho de consumo" no quesito país vinícola que eu quero visitar. Utilizando um texto que li na revista Wine Enthusiast e de aulas que eu tive, pretendo criar alguns poucos posts (provavelmente dois) sobre o país. Neste primeiro post, falarei um pouco da história vitivinícola da Itália ao longo do tempo. Espero que gostem.

Nos tempos antigos, a península italiana era comumente referido como Enotria, ou "terra do vinho", devido à sua rica diversidade de variedades de uva e muitos hectares dedicados às vinhas cultivadas. Em mais de uma maneira, a Itália tornou-se um viveiro gigante e um centro comercial casualmente posicionado no coração do Mediterrâneo para o que se tornaria o primeiro produto "globalmente" comercializado por uma civilização ocidental: o vinho.

A proeminência da Itália na indústria mundial de vinho em nada diminuiu apesar de milênios de história. A Península Norte-Sul banhada pelo sol, que se estende desde o trigésimo sexto  até o quadragésimo sexto paralelo engloba bolsões de perfeição geográfica, geológica e climática entre o Alto Adige e a ilha de Pantelleria para a produção de vinhos de qualidade. A tradição italiana é tão intimamente enxertada na videira que o bom humor e atitudes fáceis associados à cultura do vinho são espelhados no temperamento da nação.

A Revolução do vinho italiano

Apesar da longa afinidade da Itália com a vitis vinifera, a indústria italiana de vinho experimentou um renascimento revigorante ao longo das últimas três décadas que verdadeiramente o distingue de outras nações européias produtoras de vinho. Novatos do mundo do vinho podem ainda recordar Valpolicellas aguados ou Chiantis Classicos embalados naquela garrafa ovalada envolvida por palha, ou ainda os vinhos genéricos "branco" e "tinto" da Corvo de Sicília. Vinhos como estes cimentaram a reputação da Itália como um produtor de vinhos em quantidade (em oposição à qualidade, como na França) vendidos a preços atrativos. Mas como a Itália ganhou confiança durante os prósperos anos pós-guerra nas áreas de design, moda e gastronomia, demonstrou renovada atenção ao vinho. Graças a um pequeno grupo de viticultores principalmente na Toscana, a Itália lançou-se com determinação agressiva no palco mundial como produtor de alguns dos melhores vinhos já produzidos em qualquer lugar: Amarone, Barolo, Bunello di Montalcino, e Passito di Pantelleria. Informações e experiências vinícolas italianas se encontram agora entre as mais cobiçadas do mundo.

Como uma epidemia feliz, viticultura e técnicas enológicas modernas varreram a península italiana durante os anos de 1980 e 1990: forma de condução de espaldeira nas vinhas; aço inoxidável com temperatura controlada, fermentação e envelhecimento em barricas de carvalho, e assim por diante. Como os lucros aumentaram, os produtores reinvestiram em tecnologia, pessoal, e consultores a altos preços e uma revolução do vinho italiano moderno, de repente aconteceu.

Termos vinícolas italianos

Tal como está, a Itália é o segundo maior produtor mundial de vinho depois da França (não consegui a certeza de que a Itália passou a ser a primeira em produção atualmente). 

Todo ano, um em cada cinqüenta italianos está envolvido com a colheita de uvas. E como a França, a Itália adotou um sistema de denominação controlada rigoroso que impõe rígidos controles de qualidade com os regulamentos que regem vinhedos, os rendimentos por hectare e práticas de envelhecimento entre outras coisas. Existem mais de 300 vinhos DOC (Denominazioni di Origine Controllata ) e DOCG (Denominazioni di Origine Controllata e Garantita) hoje, e as classificações aumentaram para mais de 500 quando os vinhos IGT (Indicazioni Geografica Tipica) são computados. Graças a este sistema, 50000 adegas da Itália desfrutam de uma vantagem competitiva quando se trata da produção e venda de vinhos de qualidade. Estes termos vinícolas italianos permitem aos consumidores compreender os vários níveis de designação para que eles possam tomar decisões de compra.

As uvas para os vinho italianos

Curiosamente, há em curso uma segunda revolução vinícola que promete desbloquear o potencial unicamente associado com a Itália. É a re-avaliação e celebração do rico patrimonio da Itália de uvas "autóctones". (como algumas variedades originaram-se realmente fora da Itália, os produtores muitas vezes se referem a eles como "tradicionais" ao invés). Tais uvas - como Nero d'Avola, Fiano, Sagrantino e Teroldego - só podem ser oferecidas pela Enotria moderna aos consumidores do mundo. Como resultado, um número crescente de viticultores de vinte regiões vinícolas da Itália estão apostando nas "variedades "tradicionais" para distinguir-se em um mercado dominado por variedades "internacionais" como Merlot, Cabernet Sauvignon, e Chardonnay.

Vou ficando por aqui neste post para que o mesmo não fique muito comprido e cansativo. No próximo, falarei brevemente das regiões vinícolas da Itália. Até lá!

2 comentários:

  1. Muito bacana seu blog! Também sou apreciadora dos vinhos!!

    ResponderExcluir
  2. Mariana,

    Obrigado pela visita! Realmente o mundo dos vinhos e o vinho em si são fascinantes não é?!

    Apreça sempre!

    Abraços!

    ResponderExcluir