quinta-feira, 7 de julho de 2011

Napa Valley a perigo num futuro não muito distante?

Produção de vinhos top no Napa Valley pode ser impossível em 30 anos de acordo com um estudo sobre a mudança climática.

Cientistas da Universidade de Stanford, na Califórnia analisaram quatro condados vitícolas  nos Estados Unidos ocidental - Santa Barbara County e Vale do Napa na Califórnia, no Condado de Yamhill Willamette Valley no Oregon e Walla Walla County no Columbia Valley no estado de Washington.

Os cientistas afirmam que até 2040 poderemos ter 50% menos terras adequadas para o cultivo de uvas para vinhos especiais de alto valor em áreas no norte da Califórnia.

No entanto, algumas partes mais frias do Oregon e de Washington se tornariam correspondentemente melhores para o cultivo de uvas.

O estudo examinou as mudanças climáticas nos próximos 30 anos, Noah Diffenbaugh do Instituto Woods para o Meio Ambiente na Universidade de Stanford, disse.

Este é "um período de tempo durante o qual as pessoas estão realmente considerando os custos e benefícios de tomar decisões no chão", disse ele.

Estes resultados seguem estudo dos pesquisadores sobre o clima de 2006, que projetou que até 81% da área cultivada com uvas para vinhos top no país poderia tornar-se inadequado para algumas castas até o final do século.

Para o presente estudo a equipe assumiu um aumento de 23% dos gases de efeito estufa até 2040, o que equivaleria a um aumento de 1oC na temperatura global.

Os pesquisadores usaram um modelo climático incorporando as condições locais, regionais e globais, incluindo fatores como condições de vento e variações costeiras. O modelo foi testado com dados reais entre 1960 e 2010.

Eles previram que até 2040 todas as quatro regiões vinícolas invariavelmente irão ​​experimentar temperaturas médias mais elevadas durante a estação de crescimento das uvas e um aumento no número de "dias muito quentes" quando a temperatura atinge 35oC.

Em Napa, a temperatura média pode aumentar em 1,1oC, com 10 dias muito quentes a mais.

Como resultado, a quantidade de terra para cultivo Cabernet Sauvignon, Pinot Noir e Chardonnay encolheria pela metade. Em Santa Bárbara, a perda correspondente de terra adequada seria de 20%.

Em Willamette Valley no Oregon  haveria ligeiro aumento em terrenos adequados, mas na Columbia Valley, em Washington, haveria uma redução de 30%.

Diffenbaugh salientou que, enquanto há "muito mais do que a temperatura quando se vai fazer um vinho", a temperatura é um fator consistente que pode ser medido em décadas.

Produtores têm duas opções, os autores do relatório advertem. Eles podem encontrar variedades de uva que podem suportar até 45 dias muito quentes, ou eles podem mover suas operações em crescimento e empregarem uma série de estratégias, tais como novos métodos de condução e irrigação, para manutenção da vinha a uma temperatura mais baixa.

Texto original de Adam Lechmere para o site da revista Decanter

Nenhum comentário:

Postar um comentário