quinta-feira, 8 de agosto de 2013

Winebar: Novas subdenominações no Chile com apoio da Wines of Chile Parte 1

Na noite de ontem (07/08) tivemos um Winebar muito interessante, pois apresentou muitas informações novas (ao menos pra mim). Com o apoio do pessoal da Wines of Chile e com as ilustres presenças de Nicolas Farias (Brand Ambassador da Vinã Ventisquero no Brasil), Michele Ressutti Carvalho (Brand Manager da VCT Brasil - Concha Y Toro) e o enólogo da Viña Miguel Torres, Horácio Fuentes, Daniel Perches (publicitário e Wine blogger) comandou uma verdadeira aula de geografia do vinho no Chile. O intuito deste Winebar foi apresentar ao consumidor e aos formadores de opinião um pouco mais do que o Chile está fazendo em termos de facilitação do entendimento do consumidor final em relação a comos os vinhos estão agrupados por região, suas principais características e como o clima, relevo e o meio ambiente influem no produto final, o vinho.


O Chile enquanto país tem características muito interessantes: apesar de não possuir larga extensão territorial longitudinal, é muito comprido, cortando várias latitudes neste espaço. Além disso, sua proximidade do oceano em sua vasta costa e a proteção que os Andes lhe proporciona cria ambientes únicos para a produção vitivinícola. Levando em conta tais características, a Wines of Chile apresenta em primeira mão uma nova maneira de enxergar o país em relação a sua produção vinícola, tornando tal apresentação mais fácil e didática para que qualquer pessoa possa entende-la sem a necessidade de conhecer muito a respeito de vinhos. Imaginem agora que o Chile fora cortado em 3 partes iguais na direção longitudinal, saindo do oceano e encontrando a cadeia montanhosa do Andes do outro lado. A partir dai nascem as subdenominações Costa, Entre Cordilheiras e Andes. Vamos falar um pouco sobre cada uma.

Costa: recebe a influência direta das correntes marítimas vindas do Oceano Pacífico e portanto, tem um clima mais frio o que faz com que a maturação das uvas se dê de forma mais lenta. Acaba por aportar mais acidez e frescor aos vinhos. Área notadamente utilizada para vinhos brancos a base de Sauvignon Blanc, espumantes e alguns tintos a base de Pinot Noir. Seus representantes no Winebar de ontem eram: Ventisquero Reserva Pinot Noir, Concha y Toro Terrunyo Sauvignon Blanc & Miguel Torres Santa Digna Estelado Rose;

Entre Cordilheiras: é provavelmente a zona vitivinícola mais antiga do Chile e está num ponto médio entre o oceano e as montanhas andinas recebendo influência de ambos e originando vinhos mais equilibrados. Seu representante na noite de ontem era o Concha y Toro Terrunyo Carmenere;

Andes: como o próprio nome já denuncia, é a região vitivinícola que está mais próxima a Cordilheira do Andes, cadeia montanhosa de maior extensão no mundo. O clima é altamente influenciado pela corrente Humbolt e pelas montanhas que criam uma barreira natural para o deslocamento de nuvens, diminuindo consideravelmente a ocorrência de chuvas na região. Aqui os produtores fazem o uso do controle de temperatura pela posição dos vinhedos e por sua altura (insolação e amplitudes térmicas). Uma curiosidade é que ontem durante o Winebar fora discutido que em função destas características, é uma região que pode abrigar facilmente cultivos biodinâmicos de uvas. Seu representante na noite de ontem era o Perez Cruz Reserva Cabernet Sauvignon.

Vocês devem estar se perguntando: mas e os vinhos, você não vai comentar sobre eles? A resposta é simples: sim, mas é claro que vou. Mas resolvi dividir este post em dois para facilitar a leitura e não tornar isto um exercício massante. Portanto, não percam a parte 2 onde irei colocar um pouco de minha opinião a cerca dos vinhos degustados.

Até lá!

Nenhum comentário:

Postar um comentário