segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Torresella Pinot Grigio 2012

Em mais uma de nossas tentativas de fazer receitas que nunca havíamos cozinhado, o final de semana foi o escolhido para uma "Moqueca Capixaba" adaptada. Explico. Como teríamos convidados que iriam viajar e que não eram muito fãs de pimentão e pimenta, resolvemos deixar estes dois ingredientes de fora desta vez. A moqueca foi feita com cebola, cebolinha, coentro, postas de cação, tomate, azeite, açafrão e gotas de azeite de dendê. E é claro que precisávamos de um vinho, de preferência bem fresco, para acompanhar o prato. O escolhido foi então este Torresella Pinot Grigio 2012, um italiano básico do Vêneto.


A Cantina Torresella está localizada na região do Vêneto, na parte oriental da Itália, uma área de colinas e planícies amplas ao longo do Mar Adriático, a meio caminho entre Veneza e Trieste. A terra , com seu solo aluvial de argila e calcário, tem sido conhecida por seus vinhedos superiores desde os tempos romanos. Foi fundada pelo Conde Gaetano Marzotto , que criou um empreendimento de 4.000 hectares em torno da vinícola , cedendo o terreno para rendeiros, de quem ele comprou as melhores uvas para os seus vinhos. Ao longo dos anos, Torresella foi inovadora em técnicas de vinificação moderna, com o objetivo de produzir vinhos frescos, leves e de qualidade consistente a preços acessíveis. A Cantina Torresella produz seis 100% varietais. Há dois vinhos brancos, Pinot Grigio e Riesling , dois vinhos tintos , Pinot Noir e Nero d' Avola , e dois vinhos espumantes, prosecco e frisante . Os vinhos são extremamente fiéis às suas características varietais, com ênfase no frescor e complexidade de frutas.

Sobre o vinho em si, um IGT do Vêneto feito com 100% de uvas Pinot Grigio, com pouco ou quase nenhum contato do mosto com as cascas e sem envelhecimento em barricas ou garrafa. Atinge apenas 12% de graduação alcoólica. Vamos as impressões.

Na taça uma bonita e brilhante cor amarelo palha bem clarinha, quase transparente. Lágrimas finas, rápidas e abundantes.

No nariz o vinho presentou aromas de frutas de polpa branca como maçã e pera.

Na boca um vinho de corpo leve e boa acidez. Retrogosto confirma o olfato e adiciona um pouco de citricidade. O final é de curta duração.

Não é um grande vinho, mas cai bem com o verão e pratos mais leves. Se tivesse adicionado pimenta e pimentão ao prato teria cometido um grande erro. Da maneira como foi feito, caiu bem. Vale a prova. Custou cerca de 45 dinheiros.

Até o próximo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário