segunda-feira, 28 de julho de 2014

Aydie L'Origine Madiran 2009: Uma viagem ao berço da Tannat!

Ainda falando da degustação Noites Portuguesas promovida pela Vinhos de Bicicleta em São José dos Campos, uma das partes importantes de tudo isso é ainda poder conviver com pessoas diferentes, apaixonadas por vinhos e que sempre nos ensinam mais e mais. E foi assim que, junto a um casal que lá estava, acabei por degustar o Aydie L'Origine Madiran 2009, produzido pelo Château d'Aydie.


O Château d'Aydie, de propriedade da família Laplace, é amplamente reconhecido como um dos principais produtores de Madiran. Frédéric Laplace, que herdou do negócio da família, que remonta a 1759, assumiu o comando da propriedade e se tornou um produtor pioneiro da região ao engarrafar e vender o seu vinho Madiran sob seu próprio nome no rótulo, quando a denominação foi criada pela primeira vez em 1948. Localizado em no coração da Gasconha no Sudoeste da França, Madiran, junto com Cahors, é um dos famosos "vinhos de negros" da França: profundos, escuros, longevos e que incorporam micro-oxigenação. A principal uva dos vinhos tintos regionais é a Tannat, mas o Château também combina em pequenas proporções de Cabernet Franc e Cabernet Sauvignon para alguns de seus vinhos, acrescentando complexidade e equilíbrio.

Falando um pouco sobre o Aydie L'Origine Madiran 2009, temos um vinho que é corte de 70% de Tannat com 30% de Cabernet Franc. Cerca de 20% do vinho passa por 12 meses de envelhecimento em carvalho. Vamos as impressões?

Na taça o vinho apresentou uma bonita cor rubi violácea de média intensidade, bom brilho e alguma transparência. Lágrimas finas, rápidas e ligeiramente coloridas também compunham o aspecto visual.

No nariz o vinho mostrou aromas de com aromas de frutas vermelhas, notas florais, especiarias e baunilha.

Na boca o vinho apresentou corpo de médio para encorpado, taninos macios e aveludados e acidez na medida. Retrogosto confirma o olfato e o final é de longa duração.

Diferentemente do que poderia esperar, um vinho com predominância da Tannat macio e fácil de beber, agradável e que mesmo sendo degustado ao final de uma degustação de grandes vinhos, agradou em cheio, fechando com chave de ouro. Eu recomendo.

Até o próximo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário