terça-feira, 29 de julho de 2014

Greystone Cellars Cabernet Sauvignon 2012: Califórnia na taça!

Eu sou muito suspeito para falar sobre vinhos americanos por uma série de fatores, mas pelo bem do texto, irei me prender ao fato de que o salta qualitativo que eles tiveram nos últimos anos e a força que as uvas Cabernet Sauvignon e Zinfandel tem mostrado por lá. E por este motivo, sempre que posso e que tenho tais vinhos em minha adega não hesito muito em tira-los de minha adega e coloca-los em minha mesa. E o escolhido "da rodada" foi o Greystone Cellars Cabernet Sauvignon 2012.


O vinho é produzido pela Vinícola Markham Vineyards cuja história é bem curiosa. Quando pensamos em Bordeaux, automaticamente pensamos em vinhos. Mas, ao invés disso, o imigrante bordalês Jean Laurent veio para a Califórnia em 1852 para buscar o ouro. Entretanto, por meandros da vida, construiu sua primeira adega em 1874, dotada de uma modesta estrutura de madeira. O negócio era bom e em 1879 ele construiu o porão de pedra que é o coração da vinícola atual. Laurent foi um dos maiores produtores do boom de vinho da Califórnia dos anos 1880. Naqueles dias, os vinhos eram vendidos a granel e transportados de trem para a costa leste. Depois da morte de Laurent em 1890, a vinícola continuou operando sob uma sucessão de proprietários. É ai que entra na estória Bruce Markham. Ele chegou ao Napa Valley quase 100 anos mais tarde, também pensando em começar uma vinícola. Ele comprou vinhedos em Yountville, Oak Knoll e Calistoga além de, é claro, a antiga adega Laurent, que operava como uma cooperativa na época. Em 1978, ele fundou a Markham Vineyards e a antiga adega Laurent renasceu. Em 1988, a antiga Vinícola Laurent mais uma vez levantou-se como uma Phoenix para assumir outra vida nova. A vinícola foi vendida para a Mercian Corporation e começou um ambicioso programa de quatro anos, vários milhões de dólares em renovação, ampliação e de replantio de vinhas. Tais esforços transformaram a Markham Vineyards em uma das mais avançados e impressionantes instalações de vinificação no país.

Sobre o Greystone Cellars Cabernet Sauvignon 2012, segundo pude apurar, tem 76% de uvas Cabernet Sauvignon e o restante complementados por Barbera, Malbec, Grenache e Tempranillo. Passa por envelhecimento em barricas de carvalho francês e americano embora não tenho o tempo preciso. Vamos as impressões?

Na taça o vinho apresenta uma coloração violácea de média para grande intensidade, bom brilho e pouca transparência. Lágrimas finas, rápidas e bem coloridas também compõem o aspecto visual.

No nariz o vinho apresentou aromas de frutos vermelhos bem maduros, alcaçuz, especiarias doces e baunilha.

Na boca o vinho apresentou corpo de médio para encorpado, boa acidez e taninos macios. Retrogosto confirma o olfato e o final é de média para longa duração.

O que eu posso dizer se não que é mais um ótimo vinho vindo dos EUA e que só mostra a seriedade de um trabalho bem feito. Eu recomendo.

Até o próximo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário