sexta-feira, 11 de março de 2016

Fuzion Tempranillo - Malbec 2012

Eu gosto muito de escrever aqui, com o intuito de dividir com quem tem a paciência de parar e ler meus textos, ainda mais quando eu entendo que o assunto ou vinho a ser comentado no dia acrescenta um algo a mais e auxilia pessoas a consumirem esta bebida que tanto gostamos. Acima de tudo, quando estou comprando meus vinhos e os provando, eu também busco por preços que caibam no meu bolso e por vinhos que muitas vezes por entregam qualidade superior ao quanto custam. E este é o caso do vinho de hoje, do Fuzion Tempranillo - Malbec 2012.


O vinho é produzido pela Fuzion Wines, vinícola radicada em Mendoza cuja missão é retratar a Argentina, sua sofisticação, sua história, sua diversidade e sua cultura. Tida como um país que é a mistura e a expressão única de Velho e Novo Mundo, a Argentina seria uma mescla de ambos, uma "fusão", e isto é o que representa a Fuzion Wines. Rubén Ruffo é o enólogo chefe da Fuzion Wines. Ele completou a sua licenciatura em enologia lá por Mendoza, ainda em 1990, na Universidade Juan Agustin Maza. Desde então, ele participou de diversas safras ao lado de nomes tais como a Familia Zuccardi lá na Argentina e outras ao redor do globo. A equipe é complementada pelo engenheiro agrônomo Bernardo Nerviani, que chefia o departamento de viticultura da vinícola. A produção dos vinhos Fuzion Wines começa obviamente nas vinhas, onde as uvas são colhidas manualmente e isto, juntamente com a tecnologia, grande paixão e cuidado em cada detalhe faz com que produzam vinhos da mais alta qualidade. Dando continuidade as informações acima, o Fuzion Tempranillo - Malbec 2012 é um vinho formado por um blend de 70% de uvas Tempranillo e 30% de uvas Malbec sem passagem por madeira. Sem mais delongas, vamos as impressões?

Na taça o vinho apresentou coloração rubi violácea de média para grande intensidade com bom brilho e limpidez. Lágrimas finas, rápidas e ligeiramente coloridas também se faziam notar.

No nariz o vinho apresentou aromas de frutos vermelhos, especiarias e leve floral. 

Na boca o vinho tinha corpo médio, boa acidez trazendo bastante frescor e taninos macios. O retrogosto confirma o olfato e o final era de média para longa duração.

Um bom vinho argentino, mais fresco que usualmente comparado aos vinhos de lá e fácil de beber, por um preço que convida, cerca de 50 dinheiros. Eu recomendo a prova.

Até o próximo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário