quarta-feira, 9 de março de 2016

Qual a diferença entre aerar e decantar o vinho?

Esta talvez seja uma dúvida muito comum que encontramos entre os enófilos, sejam eles novatos no mundo do vinho ou mesmo com alguma experiência. E existe muita confusão pelo fato de que o instrumento normalmente utilizado em ambos os casos, o decanter, é um só. Mas a necessidade de uma técnica ou da outra é que difere e também o tipo de vinho que normalmente necessita de uma ou outra. A seguir, descrevei brevemente cada uma destas técnicas e seus usos mais comuns.


Decantação: Uma técnica utilizada para remover os sedimentos de um vinho antes de consumi-lo. Depois de permitir que o sedimento se concentre no fundo da garrafa, deixando-a em pé por aproximadamente 24 horas prévias ao consumo, o vinho é derramado lentamente e com cuidado em um outro recipiente (normalmente um decanter), deixando o sedimento no frasco de origem. A visualização dos sedimentos pode ser facilita se utilizando uma fonte de luz auxiliar atrás da garrafa quando o líquido está sendo vertido no outro recipiente (normalmente utilizamos uma vela). Esta técnica é normalmente utilizada em vinhos tintos mais velhos e/ou que não tenham sido filtrados pois são estes que apresentam maior formação de sedimentos em suas garrafas.

Aeração: Este processo de incentivar um vinho a absorver o oxigênio também é chamado de respiração. O simples fato de se remover a rolha de uma garrafa de vinho pode não permitir o contato suficiente de ar e portanto, a decantação ou mesmo agitando o vinho em uma taça são os métodos preferidos. O objetivo é permitir que o vinho possa se abrir e se desenvolver, liberando seus aromas no ar. Dez a 30 minutos (pelo menos) de aeração podem ajudar a abrir vinhos tintos jovens mais fechados e "tímidos", que precisam de mais tempo de envelhecimento para evoluir, sendo estes os principais alvos quando falamos de decantação ao passo que vinhos tintos mais velhos (15 anos ou mais) são mais delicados e podem perder seus aromas mais frutados e expressivos, não sendo recomentada tal técnica recomendada; tais vinhos podem evoluir muito rapidamente a taça (vinhos mais velhos).

Até o próximo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário