segunda-feira, 22 de julho de 2013

Karavelle, a cerveja rock n'roll!!

Existe uma fatia do mercado de cerveja que vem crescendo e caindo no gosto do brasileiro que é a de cervejas artesanais, fruto de pequenas produções de apaixonados pela bebida que se saem muito bem nesta nova função. Além disso, uma rádio que muito ouvi em minha adolescência mas que por motivos diversos hibernou por um período de aproximadamente 6 anos renasceu em meio a este nosso novo mundo conectado e ávido por novidades. E num casamento bastante produtivo, a Cervejaria Karavelle apostou na rádio rock (89,1 FM) como carro chefe de divulgação, principalmente aqui em sampa, sua fama chegou até meus ouvidos e resolvi conhecer um pouco mais desta cerveja.


Para falar um pouco do produtor, tomei a liberdade de retirar alguns trechos da própria página deles: "Com sede em Indaiatuba e distribuição selecionada, a cervejaria elaborou um portfólio de produtos únicos e diferenciados, baseando-se em receitas raras que utilizam ingredientes preciosos, importados de várias regiões do Mundo. Ainda segundo o mesmo, eles tem como missão elaborar cervejas e chopes super Premium, puro malte, que utilizam matérias-primas extremamente selecionadas sendo que suas receitas são exclusivas, cuidadosamente elaboradas por seu mestre cervejeiro e seguem rigorosamente a Lei de Pureza da Baviera (Reinheitsgebot), de 1516".

Se apurei corretamente, a cervejaria conta com 6 tipos de cervejas diferentes em seu portfólio: Pilsen, Stout, Weiss, Red Ale, IPA e Keller, cada qual com suas características inerentes às matérias primas, método de produção e outras particularidades. As que eu provei foram a Red Ale e a Pilsen. Abaixo, um pouco do que  achei sobre as mesmas.

A Karavelle Red Ale tem uma bonita cor âmbar com toques atijolados e espuma puxando para o caramelo. Aliás, a espuma é bem cremosa e presente. Tem aromas de malte e açúcar queimado. Peca um pouco na falta de corpo e no final curto, não impressiona. Já a Pilsen é uma Premium de baixa fermentação, amarelo claro e brilhante, leve e refrescante com bastante espuma e toques florais. Final com leve toque de amargor. 

No frigir dos ovos, dos tipos que pude provar, a Pilsen levou vantagem e vale a prova. Achei a Red Ale um pouco fraca, talvez ainda sob o efeito da St. Gallen que provei recentemente (aqui), muito superior. Ainda tenho uma stout que quero provar logo. De qualquer forma vale conhecer. E que surjam sempre novas cervejarias e elevem o produto nacional ao mais alto nível.

Até o próximo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário