quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Safra 2014 de vinhos em perigo no Chile

Produtores de vinho chileno atingidos por geadas


Muitos botões de Pinot Noir e Chardonnay foram danificados por noites de intensa geada por duas vezes na sequência, mas os enólogos ainda acham cedo para entrar em pânico. Tais geadas deixaram os enólogos chilenos de fronte a uma pequena colheita para a safra 2014, meses antes deles começarem a colheita e escolha das primeiras uvas. Mas eles estão cautelosamente otimistas de que a qualidade (das uvas) será boa, mesmo se houver menos vinho, e acreditando que a indústria possa resistir aos danos. "Vai ser um ano difícil para os pequenos agricultores, e o governo já pensa a cerca de um resgate para eles", disse Aurélio Montes de Viña Montes. " As vinícolas maiores terão uma colheita menor em 2014 que será totalmente coberto pelo excedente em estoque".

As geadas podem ter sido as piores em 80 anos, de acordo com estimativas iniciais do departamento de agricultura do país. No período compreendido entre 20 e 30 de setembro, as temperaturas giravam em torno de congelamento nas regiões vinícolas desde Coquimbo, no norte, até Bio Bio, mais ao sul. As regiões costeiras de Casablanca e Leyda tiveram os piores danos, mas o Vale Central também fora atingido. "No nosso caso, os danos causados ​​pela geada no Vale de Casablanca afetou nossas plantações de Chardonnay e Pinot Noir, onde teremos uma redução na colheita ao redor de 30% ", disse Rodrigo Soto, diretor da vinícola Veramonte no Chile. "Outras variedades com a Sauvignon Blanc, Merlot e outros não apresentaram qualquer dano até o presente momento". Chardonnay e Pinot brotam mais cedo do que as outras variedades, muitas vezes em setembro em vez de outubro, então estas variedades estavam mais vulneráveis.

Enquanto os relatórios de outras regiões mostrou que os rendimentos poderiam ter uma queda de 20 a 30 por cento, os produtores alertam que é muito cedo para saber até que os sarmentos comecem a crescer. Outras árvores frutíferas, outras culturas importantes para o Chile, sofreram perdas muito piores. "Neste momento , apesar de estarmos trabalhando em uma avaliação, é realmente impossível quantificar as perdas", disse Marcelo Papa , enólogo da Concha y Toro. "Em novembro vamos ver flores e vamos ver o que acontece então". Vários enólogos dizem que tiveram grande colheita em 2013 de modo que eles não esperam sofrer muito com a falta de vinho.

No entanto todos estão cautelosos e não estão despreocupados. "O risco de geada no Chile normalmente termina em Novembro, por isso estamos em alerta", disse Papa . "Estamos cruzando os dedos".

Matéria original em www.winespectator.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário