quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Salton Intenso: show de custo benefício!

Ontem foi mais uma noite de Winebar, desta vez com vinhos nacionais da Vinícola Salton. O Daniel Perches  (blogueiro, publicitário e idealizador do projeto Winebar juntamento com o Alexandre Frias) e o sommelier da Salton, Vinícius nos apresentaram alguns vinhos da linha Salton Intenso, comentando sobre o posicionamento da linha de vinhos em relação ao portfólio da casa e assim por diante. Devo confessar que o tema me animou bastante, não por patriotismo nem nada disso, mas eu vivo batendo na tecla de que o vinho nacional tem certa qualidade e se trabalhado em linhas de preço em pé de comparação com os seus equivalentes importados, tem tudo para vender. O que falta na verdade é uma divulgação decente, produtos de qualidade a preços mais acessíveis e por ai vamos. E acho que a Vinícola Salton acerta em cheio com esta nova linha e com a participação no Winebar. 

Segundo o Vinícius, a linha Salton Intenso se posiciona paralelamente a linha Salton Volpi, e em alguns casos irá substitui-la (em alguns pontos específicos de venda) porém com uma proposta um pouco mais jovem, mais fácil. Ele disse ainda que alguns dos vinhos degustados eram ainda "testes" e que não tem confirmação de entrada em produção de escala. Vamos falar um pouco sobre eles.

O primeiro vinho degustado foi o espumante Salton Intenso Brut, uma espumante feito pelo método charmat (segunda fermentação em tanques) e com uvas Malvasia (pouco comum diga-se de passagem) vindas diretamente da Serra Gaúcha. O vinho apresentou em taça uma bonita cor amarelo palha com toques esverdeados. Boa formação de borbulhas e espuma, boa persistência. Nariz floral e cítrico. Bastante fresco, bom colchão de espuma na boca porém com um final um pouco curto. Correto e agradável. Eu aproveitei e harmonizei o vinho com um salmão assado no forno com pimenta, temperos e cobertura de champignons. Ficou bom!


O segundo vinho da noite foi o Salton Intenso Marselan/Teroldego 2011, um corte inusitado de uvas de ascendência italiana e francesa assim por dizer, vindas de ambas a Serra Gaúcha e da Campanha Gaúcha. Edição limitada, vendas na loja física e virtual Salton somente. Passa pouco por barrica. Na taça uma aparência bem violácea, escura e com lágrimas finas e levemente coloridas. Nariz de frutas vermelhas, muito animal e toques terrosos. Taninos finos e redondos, corpo médio, boa acidez e final de média duração. Potência e alegria. Este foi harmonizado com uma fraldinha assada e se deu bem também.


O terceiro e último vinho foi o Salton Intenso Merlot/Tannat 2011 (50% cada uva) também das regiões da Serra e Campanha. Passa por barrica, um pouco mais de tempo (em torno de 6 meses). Na taça uma cor intensa e escura, lágrimas finas e bem coloridas. No nariz frutos escuros, chocolate amargo e algo de especiarias. Na boca corpo médio, acidez moderada e taninos firmes, marcados e de ótima qualidade. Final de média duração. Excelente vinho, mais uma belezura. Meu preferido principalmente quando harmonizado com uma bela paleta de cordeiro com alecrim e sal grosso.


Ao final, a sensação de que o famoso jargão do bom custo benefício se aplica diretamente a esta linha de vinhos fica evidente. Não que sejam vinhos espetaculares e sem precedentes. Longe disso, mas a qualidade associada ao preço os coloco no topo da lista das indicações nesta faixa de preços, o que mostra que podemos sim tomar vinhos nacionais a preços muito bons. Aliás falei, falei e não disse quanto custam, não é mesmo? Todos na faixa entre 28 a 30 reais. Testes ou não, os vinhos foram mais do que aprovados e eu sinceramente gostaria de vê-los em produção.

Até o próximo!

Um comentário: