quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Casa Marín Estero Vineyard Sauvignon Gris 2009

Eu sempre me pego tentando aprender mais e mais sobre o mundo dos vinhos bem como provando novos rótulos, novas castas, cortes, enfim, tentando me surpreender mais e mais com este incrível universo que se abre. Por isso eu acabei comprando e provando o Casa Marín Estero Vineyard Sauvignon Gris 2009. Confesso que nunca tinha ouvido falar da casta em questão (Sauvignon Gris) e fiz alguma pesquisa sobre. Vamos ver o que descobri?


A casta Sauvignon Gris, segundo o que pude apurar, é um mutação clonal da uva Sauvingon Blanc e também é oriunda da França, da região de Bordeaux. Seus bagos costumam ter uma coloração rosada. Normalmente origina vinhos menos aromáticos que sua irmã mais famosa, entretanto é conhecida pela elegância dos seus vinhos bem como a complexidade que estes podem adquirir, inclusive com envelhecimento em madeira.

O Casa Marín Estero Vineyard Sauvignon Gris 2009 é produzido pela famosa vinícola chilena Viña Casa Marín, na Provincia de San Antonio, com vinhedos muitos próximos ao oceano pacífico. A vinícola foi fundada em 2000 (uma jovem vinícola) por Maria Luz Marín, cujo objetivo principal era o de prover inovação e tecnologia aos vinhos do Chile. Desde o começo sua proposta era baseada em fazer os melhores vinhos de clima frio do mundo (ousadia e pretensão) dadas às qualidades do terroir único e as condições climáticas da região. Seu manuseio é especial e delicado. sendo que todos eles são single vineyard, ou seja, cada bloco de uvas são colhidas e vinificadas separadamente. Isso preserva as características únicas de cada bloco, resultando em muitos vinhos com personalidades marcadas e distintas. Não a toa a vinícola se tornou uma das mais premiadas no Chile desde então. Finalizando, o Casa Marín Estero Vineyard Sauvignon Gris 2009 é feito com 100% de uvas Sauvignon Gris, sendo que a fermentação de 70% do vinho ocorre em barricas por 6 meses. Vamos as impressões?

Na taça o vinho apresentou coloração amarelo dourado, brilhante e límpida.

No nariz o vinho mostrou aromas de frutos cítricos, mel, flores brancas e leve toque de pimenta.

Na boca o vinho mostrou untuosidade e acidez ainda viva. Retrogosto confirma o olfato. Final de média para longa duração com algum amargor que a mim não incomodou muito.

Um vinho chileno diferente, apesar da proximidade com a Sauvignon Blanc, trouxe mais corpo e complexidade. Foi o escudeiro de um prato de espagueti integral ao molho de limão siciliano, azeite, parmesão ralado e folhas de manjericão com tilápia assada com tomates cereja. A combinação não foi a ideal, parece que a acidez e a citricidade do limão siciliano versus a do vinho brigaram um pouco. De qualquer maneira, recomendo a prova.

Até o próximo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário