terça-feira, 31 de março de 2015

Marques de Pluma Cosecha Ribera del Duero 2011: Vinho espanhol, Olé!

Sempre em busca dos vinhos diferentes, este é meu lema quando quero aprender e provar coisas diferentes. E com o mar de rótulos que inunda o mercado brasileiro, muitas vezes isso não é difícil de se fazer. A questão é como distinguir o que é bom do que não é, dentre tantas opções? Seguindo dicas, conhecendo alguns produtores e assim por diante. Desta vez resolvi apostar num vinho espanhol de um produtor bem conhecido e difundido por aqui. Estou falando do Marques de Pluma Cosecha Ribera del Duero 2011.


O vinho em questão é produzido pela Bodegas Pinord, cuja historia remonta a mais de cento cinquenta anos, quando em sua propriedade de Sant Cugat Sesgarrigues, a família Tetas começou a elaborar vinhos brancos e tintos, procedentes de uvas de cultivo próprio, que naquela época já eram elaborados e criados seguindo os tradicionais métodos artesanais próprios da região. Em 1942, quando Josep Maria Tetas criou a atual bodega, instalando-a em Vilafranca del Penedès, a tão somente quatro quilômetros da propriedade original. Desta propriedade, precisamente, se escolhe o nome para a marca da empresa, Pi del Nord -Pinho do Norte-, que hoje em dia está reconvertida ao cultivo ecológico e continua produzindo uvas de excelente qualidade.O êxito não se fez esperar e superou as expectativas: em pouco tempo, Pinord começou a exportar seus vinhos por todo o mundo e a bodega experimentou um enorme crescimento. As instalações foram ampliadas e incrementou-se a produção.

Ainda sobre o Marques de Pluma Cosecha Ribera del Duero 2011, podemos acrescentar que é um vinho elaborado com 100% de uvas Tempranillo sem passagem por carvalho. Vamos as impressões?

Na taça o vinho apresentou uma bonita cor rubi violácea de média intensidade, bom brilho e boa limpidez. Lágrimas finas, rápidas, em pequena quantidade e com leve coloração tingiam as paredes da taça.

No nariz o vinho apresentou aromas de frutos vermelhos, mentolado e toques de grafite.

Na boca o vinho apresentou corpo médio, boa acidez e taninos finos e macios. Retrogosto confirma o olfato e o final era de média para longa duração.

Mais um bom vinho espanhol provado por aqui, aliás, vinhos que tenho provado pouco mas que tem se mostrado bacanas e diferenciados. Eu recomendo a prova.

Até o próximo!

4 comentários:

  1. Consideraria um bom para o dia a dia, ou está acima disso?
    Bjks

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu considero um bom vinho para o dia a dia.

      Bjokas Ju!

      Excluir
  2. Delicioso para o dia a dia. Comprei no Pão de Açucar, por sugestão do responsável pelos vinhos. Preço acessível.

    ResponderExcluir