quarta-feira, 11 de março de 2015

Otero Ramos 30 Yardas Malbec 2011: Simplicidade e qualidade!

Mudando radicalmente de estilo e de local produtor de vinho, vamos falar um pouco agora dos vinhos que mais são consumidos no dia a dia por aqui: vinhos argentinos. Ao lado dos vinhos chilenos, são notoriamente os vinhos mais vendidos em nosso território, seja pelo preços atrativos, seja pela facilidade de compreensão dos rótulos, disponibilidade, enfim, uma série de fatores. E hoje falaremos de mais um bom exemplo de custo benefício interessante de uma bodega que já falamos por aqui, mas de uma linha mais básica e que surpreendeu pela qualidade. Hoje falaremos do Otero Ramos 30 Yardas Malbec.


O vinho é produzido pela Bodega Otero Ramos, bodega cuja história data de mais de uma década de muito trabalho, tendo nascido de um sonho e da busca por este sonho de Manuel Otero Ramos, que se materializou e começou a colher os frutos com vinhos de muita qualidade, amplamente divulgados pelo mundo a fora. A primeira colheita e respectiva safra para venda foi a de 2006 e desde então suas mudas de Malbec, Cabernet Sauvignon, Tannat, Pinot Noir, Petit Verdot, Chardonnay e Sauvignon Blanc vem gerando vinhos interessantíssimos.

Sobre o Otero Ramos 30 Yardas Malbec 2011, podemos acrescentar que é um varietal 100% Malbec de uvas provenientes de Luján de Cuyo, em Mendoza, na Argentina e não passa por envelhecimento em barricas, somente um tempo de estabilização em garrafa (6 meses). Vamos a ele?

Na taça o vinho mostrou uma coloração violácea de grande intensidade, bom brilho e boa limpidez. Lágrimas mais gordinhas, coloridas e espassadas também faziam parte do conjunto visual.

No nariz o vinho apresentou aromas de frutos vermelhos, flores, especiarias e baunilha.

Na boca o vinho mostrou corpo médio, acidez na medida com taninos macios. Retrogosto confirma o olfato e o final era de média para longa duração.

Um bom vinho, trazido pela Vinea e que abriu os trabalhos de uma noite dessas qualquer. Que venham os próximos. Eu recomendo a prova.

Até lá!

Nenhum comentário:

Postar um comentário