quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Quercus Pinot Bianco 2013: o melhor amigo da comida japonesa

Dia desses resolvemos que iríamos comer em um restaurante japonês que costumamos frequentar próximo de nossa casa e, como de costume também, aproveitei pra levar um vinho para acompanhar a refeição uma vez que a taxa de rolha do restaurante eu considero justa. E para minha surpresa descobri um excelente parceiro para este tipo de culinária, que foi o Quercus Pinot Bianco 2013. 


O vinho é produzido pela Vinícola "Vinska Klet Goriška Brda", um dos produtores de vinho esloveno mais renomados e importantes, continuando e melhorando a tradição da produção de vinhos de séculos com sucesso. A "Vinska Klet Goriška Brda" foi fundada em 1957 como uma cooperativa e ainda hoje é completamente propriedade de seus membros. Desde o seu início a vinícola teve um grande impacto sobre o desenvolvimento econômico da região e do estilo de vida do povo local. A "Vinska Klet Goriška Brda" possui 1.000 hectares de vinhas que se espalham a meio caminho entre o mar Adriático e os Alpes. Em média, cada viticultor cooperado cultiva menos de 2 hectares e, portanto, cuida de cada videira com devoção. A marca Quercus, que empresta o nome a este vinho, tenta satisfazer o gosto internacional para o vinho e, ao mesmo tempo que carrega uma marca pronunciada da região de Goriška Brda, onde as uvas amadureceram, e outra da Vinícola Goriška Brda, onde foi produzido. Quercus é uma linha de produtos frescos, frutados e vinhos mais leves.

Falando do Quercus Pinot Bianco 2013, podemos acrescentar que é um vinho feito com 100% de uvas Pinot Bianco da região de Brda, oriundas de vinhedos de idades entre 10 e 30 anos e com alturas que variam entre 80 a 200 metros acima do nivel do mar. A fermentação acontece em tanques de aço inox onde permanece por 6 meses sur lie para afinamento. Vamos as impressões?


Na taça o vinho apresentou uma bonita coloração amarelo palha brilhante, límpido e com alguns reflexos dourados.

No nariz o vinho apresentou aromas de frutos cítricos, tropicais e toques florais.

Na boca o vinho apresentou certa untuosidade, mostrando corpo médio para encorpado e uma excelente acidez. O retrogosto confirma o olfato e o final era fresco, longo e saboroso.

Um bom vinho branco para o dia a dia, principalmente quando quisermos fugir do comum. Me parece que vai bem sozinho, só com um bom papo ou uma boa companhia (ou mesmo ambos). Mas sem dúvidas nenhuma, fez um belo par com uma boa comida japonesa. Eu acho que vocês deveriam provar. Mais um vinho do clube de vinhos da Winelands, o clube que eu assino e recomendo.

Até o próximo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário