sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Lidio Carraro Elos Cabernet Sauvignon Malbec 2009: É dia de #CBE!

E chegamos ao primeiro dia do mês, e consequentemente a primeira postagem do mês, sempre com o vinho da #CBE - Confraria Brasileira de Enoblogs, que desta vez nos trás de volta a terras brasilis com o tema escolhido pelo confrade Evandro Vanti Gonçalves: "um tinto nacional sem passagem por carvalho e sem limite de preço". E como missão dada é missão cumprida, hoje falaremos do Lidio Carraro Elos Cabernet Sauvignon Malbec 2009.


Falar sobre a Vinícola Lidio Carraro é chover no molhado, pois já comentei sobre eles em diversas outras oportunidades aqui no blog. Mas vale relembrar neste post especial. A Vinícola Lídio Carraro é fundamentada no conceito de vinícola boutique (já discutido aqui no blog), seus vinhos tendem a expressar o "terroir" no qual são plantados através da busca pela integridade e quebra de paradigmas, de maneira sustentável e pouco ou nenhum uso de recursos externos para controle dos vinhedos/vinhos (baixo uso de defensivos químicos, não utilização de carvalho para correção dos vinhos, etc). A Vinícola Lidio Carraro tem investido pesado no "terroir" de Encruzilhada do Sul (de onde vem as uvas que foram utilizadas na vinificação deste exemplar), na Serra do Sudeste, onde eles tem obtido excelentes resultados com uvas mais delicadas como Pinot Noir, por exemplo. Lá, apesar de possuir clima parecido com o Vale dos Vinhedos, os solos são mais pobres e tendem a gerar uma maior qualidade das uvas cultivadas. Já sobre o vinho, um corte de Cabernet Sauvignon e Malbec, sem proporções divulgadas. Como não passa por madeira, vamos aos finalmentes.

Na taça o vinho apresentou uma coloração rubi violácea de média para grande intensidade, bom brilho e alguma transparência. Lágrimas finas, rápidas e ligeiramente coloridas tingiam também as paredes da taça. 

No nariz o vinho mostrou aromas de frutos vermelhos em compota, especiarias e notas florais.

Na boca o vinho mostrou corpo médio para encorpado, boa acidez e taninos sedosos e macios. Retrogosto confirma o olfato e tem um final de longa duração.

Mais um bom vinho brasileiro que, embora discorde da política de preços da vinícola Lidio Carraro, entendo ser um dos melhores feitos em solo brasileiro. Eu recomendo a prova. E assim cumprimos a tarefa da #CBE.

Até o próximo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário