segunda-feira, 18 de maio de 2015

King Estate Pinot Noir Signature Collection 2012: O Oregon em forma!

Falando um pouco mais sobre o Cantu Day que aconteceu no último dia 12 de maio, no galpão da própria importadora Cantu na zona oeste de São Paulo, hoje é dia de vinho tinto, para acompanhar este tempo friozinho que tem feito pela cidade. E este um baita vinho de uma região que eu ainda não havia provado nada, que é a região do Oregon, nos Estados Unidos. O vinho: King Estate Pinot Noir Signature Collection 2012. Vamos ver o que podemos falar dele?


Embora tendo sua terra sido descoberta em meados de 1990 por Ed King, a King Estate foi fundada em 1991 pela família King e continua a ser uma propriedade familiar, administrada e operada pela mesma desde então. Em 1994, mais de 100 hectares foram plantados para se criar o mais diverso vinhedo em relação ao solo e climas disponíveis na região. Mais do que uma adega, a King Estate é tratada como um eco-sistema orgânico. Dispõe de pomares, jardins com vegetais e frutas exuberantes, um restaurante gourmet e a vinícola propriamente dita que é considerada state-of-the-art no aspecto tecnológico e de concepção do processo de vinificação.

Falando agora do King Estate Pinot Noir Signature Collection 2012, podemos dizer que é um vinho 100% Pinot Noir com uvas cultivadas organicamente provenientes de vinhedos cultivados de forma sustentável em todo Oregon sendo envelhecido 8 meses em carvalho francês (25% Novo, 25% um ano, 25% dois anos, 25% neutro). Vamos finalmente as impressões?

Na taça o vinho apresentou uma cor rubi violácea de média intensidade, bom brilho e limpidez. Lágrimas finas, espassadas e incolores também se faziam notar.

No nariz o vinho mostrou um mix de frutos escuros e vermelhos, notas terrosas, chocolate e algo que lembrou tabaco. Com algum tempo, especiarias doces também apareceram na taça. Muita complexidade e constante mudança nos aromas na taça. 

Na boca o vinho se mostrou de médio corpo, boa acidez e taninos macios e aveludados. Retrogosto confirma o olfato e o final era de longa duração. E que final!

Um baita vinho, sem dúvida nenhuma um dos melhores Pinot Noir que já provei até então. Tem corpo, é opulento sem se tornar alcoólico e cansativo. Tem fruta, mas tem complexidade também. enfim, eu recomendo.

Até o próximo!

Um comentário:

  1. E olha que este produtor ainda não está entre os melhores do Oregon (e este vinho é o mais simples dele). Imagine os outros.
    Sds,
    Leonel

    ResponderExcluir