quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Polêmica: Afinal vinho tinto faz bem ou não para saúde do coração?

Depois de serem divulgados diversos estudos dizendo dos benefícios do vinho tinto para a saúde, muito em consequência da presença da substância antioxidante resveratrol, como por exemplo auxílio na perda de peso, efeitos anti-inflamatórios, aumento de massa óssea e muscular, aparece agora um novo estudo feito por um grupo australiano que viria para contrariar esta teoria. Particularmente nunca fui muito partidário destas pesquisas relacionadas a saúde por não conseguir ver resultados paupáveis, mas segue a notícia adaptada e traduzida para que vocês possam tirar suas próprias conclusões.

Um grupo de organismos de saúde australiano atacou o que chamou de "mito" de que o vinho tinto pode ter propriedades terapêuticas e auxiliar na manutenção da saúde dos indivíduos. A Coalizão Política de Álcool, cujos membros incluem a Fundação de Medicamentos da Austrália e a Fundação do Coração, desafiou o corpo de pesquisa recente que informou que o consumo com moderação de vinho tinto reduz o risco de doenças cardíacas coronarianas. O relatório "Desmascarando o mito: vinho tinto não é remédio mágico para doenças do coração" foi lançado hoje para coincidir com a reunião das Nações Unidas sobre as doenças não transmissíveis. 

Começando com a estatística que mais da metade de todas as mortes relacionadas ao álcool no mundo são de doenças cardiovasculares, câncer ou cirrose hepática, o relatório cita estudos de todo o mundo que mostram que os perigos do álcool superam quaisquer benefícios para a saúde. Globalmente, 545.000 pessoas morreram de doenças cardiovasculares relacionadas com o álcool em 2004, e na Austrália 5% de todos os cânceres são causados ​​por álcool, incluindo um em cada cinco cânceres da mama, diz um comunicado de imprensa da APC.

"Depois de analisar todas as evidências científicas, os indícios são de que quaisquer efeitos positivos do álcool na redução do risco de doença cardiovascular têm sido imensamente superestimadas", diz Kathy Bell, CEO of the Victoria Heart Foundation. "Em particular, o vinho tinto não possui qualidades especiais e protetoras quando se trata de doença cardiovascular."

A APC está chamando a atenção para uma ação do governo na forma de um "imposto de álcool eficaz," disse Todd Harper, CEO da APC e membro do Conselho de Câncer de Victoria. "O vinho é tributado pelo valor e não pelo teor de álcool. Então, quando os australianos podem comprar uma garrafa de vinho por menos do que uma garrafa de refrigerante, não é surpresa nenhuma que tenhamos um problema com a bebida de mais de AUS $ 15 bilhões em nossas mãos ", disse ele. "Mas há algo que o governo pode fazer para ajudar a resolver o problema - com uma taxação eficaz do álcool , a Austrália pode mostrar ao mundo como reduzir as doenças relacionadas com o álcool, incluindo doenças cardíacas e câncer."

Há um corpo formidável de pesquisa demonstrando que o álcool, e no vinho tinto em particular, quando tomado com moderação, reduz o risco de certos tipos de câncer e doenças coronárias e aumenta expectativa de vida em homens e mulheres. Em particular, é geralmente reconhecida por um amplo espectro de especialistas médicos que fenóis presentes na casca das uvas tintas têm benéficas propriedades anti-oxidantes. Dr Thomas Stuttaford, colunista médica para o ex-Times, disse que "não há dúvida de que o álcool ajuda você a viver mais tempo. Enquanto aumenta o risco de certos cânceres, como câncer de cólon ou da mama, você fica menos meno propensos a ter outros tipos de câncer e doenças cardíacas. Existem inúmeros estudos que confirmam isso." Stuttaford deixou claro que ele estava falando sobre beber quantidades moderadas de álcool.

Nenhum comentário:

Postar um comentário